Santa Cruz é mais eficaz, bate Sport e garante classificação inédita na Sul-Americana

Em participação pioneira na competição internacional, Mais Querido vence Leão com gol solitário de Bruno Moraes e avança às oitavas de final

Santa Cruz é mais eficaz, bate Sport e garante classificação inédita na Sul-Americana
Foto: Divulgação/Conmebol
Sport
0 1
Santa Cruz
Sport: Magrão; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Ronaldo Alves (Durval, min. 8) e Mansur; Paulo Roberto (Serginho, min. 58), Rithely, Gabriel Xavier, Diego Souza e Mark González; Edmílson (Vinícius Araújo, min. 63). Técnico: Oswaldo de Oliveira
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Léo Moura, Luan Peres, Danny Morais e Allan Vieira; Uillian Correia, Derley (Jadson, min. 69) e João Paulo (Arthur, min. 80); Pisano, Grafite (Bruno Moraes, min. 66) e Keno. Técnico: Doriva
Placar: 0-1, min. 81, Bruno Moraes
ÁRBITRO: Diego Haro (PER). Cartões amarelos: Derley (min. 35), Edmílson (min. 37), João Paulo (min. 63), Vinícius Araújo (min. 80), Bruno Moraes (min. 82), Uillian Correia (min. 87), Gabriel Xavier (min. 89) e Jadson (min. 92)
INCIDENCIAS: Partida de volta pela segunda fase da Copa Sul-Americana 2016, disputada na Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata

Em jogo que apenas vencer era o foco, Sport Santa Cruz duelaram na Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata, na noite desta quarta-feira (31). Mostrando maior eficiência na finalização, a Cobra Coral bateu o Leão da Ilha em uma partida de muita intensidade por 1 a 0, com gol solitário do atacante Bruno Moraes, ja na reta final do segundo tempo.

O adversário dos tricolores nas oitavas será conhecido apenas no dia 15 de setembro, quando Sportivo Luqueño e Independiente Medellín voltam a duelar pela segunda fase da Copa Sul-Americana 2016. A vantagem é dos colombianos, que venceram por 3 a 0 na ida, dentro de casa.

Os times voltam a campo, pela 23ª rodada do Brasileirão, na próxima semana. Enquanto os rubro-negros vão até São Paulo duelar contra o Corinthians na Arena somente na quinta-feira (8), às 19h30, os corais medirão forças diante da Chapecoense às 16h da quarta-feira (7), na Arena de Pernambuco.

Equipes criam, mas ficam no zero ao intervalo

Conforme era esperado, a partida teve um início bastante equilibrado e os dois times indo para o ataque. Mesmo com o evidente equilíbrio, o Santa Cruz foi quem começou tendo maior poder ofensivo e, assim, a primeira chance. Depois de lançamento em profundidade, Grafite ganhou para Ronaldo Alves e saiu de frente para Magrão, mas chutou em cima do camisa 1 do Sport.

Na jogada, inclusive, o zagueiro leonino sentiu muscular desconforto na coxa, tendo que ser substituído. Na vaga, voltou o capitão Durval à zaga, recuperando também a braçadeira. Com a entrada do defensor, a equipe rubro-negra ficou melhor estruturada, tendo dessa maneira uma boa oportunidade. Samuel Xavier cruzou na pequena área para Mark González, que cabeceou próximo à trave direita.

Mesmo apertando a saída de bola, o Leão viu a Cobra Coral se portar com mais criatividade para atacar e voltar a assustar no duelo. Keno tocou para Pisano, que bateu firme e o arqueiro fez a defesa em dois tempos. Demonstrando que estavam vivos, os leoninos saíram com os homens de frente com mais determinação e obrigaram Tiago Cardoso a fazer intervenções. Na primeira, Gabriel Xavier arriscou cruzado e o arqueiro deu rebote. Na sobra, Edmílson encheu o pé, esbarrou em Tiago.

Do meio para o final, o confronto seguiu bem truncado e com muitas faltas duras. Ainda assim, o escrete da Praça da Bandeira teve maior posse de bola, dominando o Mais Querido e aproveitando o ritmo das peças de frente. Os corais, sem conseguir sair da defesa, se limitaram a defender e segurar o empate sem gols no intervalo.

Santa explora erro do Sport e garante vaga inédita

Para a etapa final, os treinadores optaram por não realizar nenhuma mudança mas, mesmo assim, os corais retornaram com mais vontade no ataque e assustando. Léo Moura tocou para Grafite, que finalizou cruzado e a bola saiu pela linha de fundo. Pouco depois, João Paulo e Grafite foram derrubados dentro da pequena área, mas a arbitragem mandou seguir com ambos.

A partir daí, o duelo ficou mais truncado e com muitas faltas, ficando mais indefinido se terminaria antes dos 90 minutos. Sem criatividade e liberdade, as equipes criaram menos que no primeiro tempo, com o jogo ficando sem qualidade técnica. Apostando na sua última carta, o treinador Oswaldo de Oliveira deu mais poder ofensivo, ao colocar o atacante Vinícius Araújo no lugar de Edmílson, que saiu vaiado.

Já Doriva renovar o fôlego do meio-campo, colocando Jadson na vaga de Derley, pendurado com o amarelo, e Bruno  Moraes na de Grafite, que deixou o gramado lesionado. Mesmo com o equilíbrio, o Santa foi atrás e conseguiu fazer a festa para a minoria presente à Arena nesta noite. Depois de boa troca de passes com Jadson, explorando falha de Serginho, Keno bateu forte e Magrão deu rebote. Na sobra, o General só teve o trabalho de empurrar para o fundo do barbante.

Com o tento, a Cobra Coral aproveitou bem a vantagem conquistada e ficou trocando passes para gastar tempo, buscando a classificação de maneira antecipada. Já o Leão, sem forças para reagir, pouco agrediu no fim, sem conseguir levar mais perigo ao gol de Tiago Cardoso, que esperou o apito final para consolidar o triunfo.