Polivalente, Zeca é peça-chave no sucesso do Santos

Seguro na defesa e ativo no ataque, o lateral merece atenção especial do Audax nas finais do Campeonato Paulista

Polivalente, Zeca é peça-chave no sucesso do Santos
Zeca em duelo contra o Grêmio em 2015 / Foto: Getty Images

Quem olha o perfil do garoto que atua com afinco pela lateral-esquerda do Santos pode o subestimar em um primeiro momento. Apenas 21 anos, corpo franzino com apenas um metro e setenta de altura e o mais surpreende: destro. As características físicas dizem pouco sobre Zeca. Titular absoluto do peixe desde 2015, sua consistência defensiva e a qualidade no apoio o tornam uma peça essencial no esquema de Dorival Junior e uma joia a ser lapidada para nossa seleção.

Debutando em um time que contava com oito jogadores para as laterais, o zequinha contou com sua versatilidade para desbancar os favoritos Chiquinho e Caju, ganhando a confiança de Enderson Moreira no final da péssima temporada do peixe em 2014. A entrada do novo ano, agora com o comandante da casa, Marcelo Fernandes, abriu ainda mais espaço para José Carlos, já que ambos se conheciam das equipes de base.

O ano de Zeca seria mesmo 2015, a temporada da confirmação. O lateral foi titular na campanha que rendeu o título paulista ao peixe diante do Palmeiras e vice na Copa do Brasil, diante do mesmo alviverde. Com um forte poder de apoio, o atleta exerceu uma função dinâmica em campo, atuando como lateral enquanto a equipe santista se defendia e como um ala quando o Santos atacava.

A vantagem de ser um destro atuando pela esquerda, o deixam em vantagem no duelo contra o lateral rival, se tornando uma incógnita o lado para o qual ele vai cortar. Em um time que conta/contava com Lucas Lima, Gabriel, Ricardo Oliveira, Marquinhos Gabriel e Geuvânio, o lateral acaba tendo uma atenção menos especial. Mas Zeca se aproveita dessa desatenção para aparecer como peça surpresa na área, sempre fazendo excelentes triangulações com o camisa 20 do peixe ou com os pontas ofensivos.

Em uma temporada e meia como titular Zeca marcou apenas um gol. Mas os números nem sempre traduzem efetividade. O lateral esquerdo é sempre acionado nos jogos do peixe, servindo como um desafogo para o sempre bem marcado trio de ataque. O ala vai bem mesmo distribuindo o jogo para os atacantes, seja alçando a bola para área, para o encontro com Ricardo Oliveira ou participando na troca de passes com os meias, visando confundir a marcação adversária e abrir espaço para Gabriel, Lucas Lima e até Thiago Maia chegarem com mais facilidade ao gol adversário.

Achar um lateral que una segurança defensiva e qualidade no apoio é raro no futebol atual. Mas Zeca consegue executar as duas funções com dignidade. Apesar de não ter um grande porte físico, ele é cirúrgico nos desarmes e costuma levar vantagem no duelo mano a mano. Sua velocidade o ajuda não só na subida para o ataque, mas na rápida reposição defensiva que não permite o adversário achar brechas na defesa santista.

O alto nível demonstrado por Zeca lhe rendeu a merecida convocação para a pré-lista da Copa América centenária. Na Europa crescem os boatos de que o Atlético de Madrid está de olho em seu futebol. O crescimento do atleta é visível, se tornando um dos melhores laterais no país e com um futuro promissor pela frente.