Buscando alcançar a liderança, Santos recebe Cruzeiro na Vila Belmiro

Em condições opostas no Brasileirão, ambos precisam vencer para atingir seus objetivos

Buscando alcançar a liderança, Santos recebe Cruzeiro na Vila Belmiro
Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Santos
Cruzeiro
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini e Vecchio; Vitor Bueno, Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.
Cruzeiro: Fábio; Lucas, Bruno Rodrigo, Manoel e Edimar; Bruno Ramires, Ariel Cabral, Robinho e De Arrascaeta; Rafael Sobis e Willian. Técnico: Mano Menezes.
ÁRBITRO: Wagner Reway-MT. Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz-MS e Fábio Rodrigo Rubinho-MT.
INCIDENCIAS: Partida válida pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. Jogo será disputado na Vila Belmiro, em Santos-SP.

No confronto entre os dois primeiros brasileiros campeões da Libertadores da América, Santos e Cruzeiro entram em campo, neste domingo (31), às 16hs, valendo pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Santos visa tomar a liderança do Brasileirão, que hoje pertence ao Palmeiras. Por outro lado, o Cruzeiro entra campo para sair da zona de rebaixamento.

Após o último tropeço do Palmeiras, diante do Atlético-MG, aliado a sequencia positiva de três vitórias em quatro jogos, o Santos passou a sonhar com a liderança do Campeonato Brasileiro. Para isso, basta vencer o Cruzeiro e torcer para que Palmeiras saia derrotado diante do Botafogo, além de Corinthians e Grêmio empatar diante de seus oponentes. Com desfalques, mas com confiança de sobra, o Peixe tem boas chances de sair vencedor na Vila Belmiro.

No outro extremo da tabela, o Cruzeiro só não está pior que o América-MG. Com 15 pontos, o time celeste pode sair da zona de rebaixamento caso Botafogo e Coritiba percam seus jogos. Mais do que isso, precisará recuperar seu futebol que ficou perdido no caminho. Com a estreia de Mano Menezes, a confiança reapareceu, mas só voltará de fato com uma vitória fora de casa. 

Dorival muda o time e coloca Santos sem Lucas Lima

O técnico Dorival Júnior tem motivos de sobra para comemorar o bom momento do Santos no Campeonato Brasileiro. No entanto, qualquer animação dá lugar à preocupação. Fora do jogo da última quarta-feira, contra o Gama, pela Copa do Brasil, o meia Lucas Lima também será ausência para o embate contra o Cruzeiro.

O jogador não se recuperou de um edema muscular sofrido na partida contra o Vitória, no último domingo (24), no Barradão. O técnico Dorival Júnior chegou a esperar pelo meia, mas o resultado não foi o mais esperado. Vecchio, que substituirá o ídolo santista, falou sobre suas características.

"Sou um meia mais clássico, que gosta de fazer o time jogar, movimentando a bola o mais rápido possível. Acredito que, por ter começado uma partida após quase quatro meses, fui bem. Claro, que com a qualidade e a ajuda dos meus companheiros e a confiança da comissão técnica, ficou mais fácil", declarou.

Quem volta ao time é o lateral-direito Victor Ferraz. O jogador foi poupado da partida contra o Gama e está confirmado para o jogo de hoje. 

Com esperanças renovadas, Cruzeiro vai à Vila buscando a vitória

Precisando vencer, o Cruzeiro está pronto para encontrar o Santos, na Vila Belmiro. O técnico Mano Menezes priorizou as peças que deram que certo com ele no ano passado e leva um time celeste alterado para o encontro deste domingo.

Na defesa, Manoel e Bruno Rodrigo farão à dupla. Léo, que começava a ter oportunidades quando o técnico ainda era Paulo Bento, voltou para o banco de reservas. Ábila, titular nos dois últimos jogos e contratado para ser o homem-gol celeste, também foi para o banco de reservas, deixando a posição para Willian. Por fim, o único desfalque foi o volante Henrique. O jogador ainda acusa dores no tornozelo, pouco treinou e voltou para o departamento médico.

Mesmo mudando a formação de ataque, o técnico Mano Menezes não descartou utilizar tanto Willian quanto Ramon Ábila juntos em uma mesma partida. A justificativa é a característica dos dois jogadores em campo.

"É possível os dois jogarem juntos, embora sejam os dois jogadores no plantel que possam fazer a última posição de ataque. O Willian tem característica de movimentação, o Ábila precisa mais da equipe. O Willian participa mais da construção, mas pode ser centralizado, deixando. Um é mais de definição, de área, proteção, pivô, o outro é versátil. Mas podem jogar juntos sim, até pela estratégia de jogo que montamos", explicou.