Com vantagem de novo empate, Rio Preto recebe Santos na final do Paulistão Feminino

Após empate sem gols no jogo de ida, equipes definem título nesse domingo (28)

Com vantagem de novo empate, Rio Preto recebe Santos na final do Paulistão Feminino
Florencia Soledad, do Santos, disputa bola com Letícia Albuquerque, rival do Rio Preto (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

O futebol feminino brasileiro terá mais um competição merecedora de extremo destaque chegando ao seu final nesse domingo (28). O Campeonato Paulista de Futebol Feminino, considerado como um dos melhores e mais disputados, terá a final entre Rio Preto e Santos sendo realizada às 10h, no estádio Anísio Haddad, em São José do Rio Preto. Esse será o segundo jogo da grande decisão, depois de as duas equipes já terem se enfrentado na última quinta-feira, saindo com um empate em 0 a 0.

O resultado dá uma boa vantagem para as meninas do Rio Preto que, além de jogarem em casa, precisarão apenas de um empate para sair de campo com o título inédito. No entanto, o Santos, detentor de dois títulos da Copa Libertadores feminina, ainda possui grandes chances de se recuperar, precisando apenas de uma vitória simples para conseguir seu quarto título na competição, o que levaria o clube a alcançar a Ferroviária, dividindo a honra de maiores vencedores do Campeonato Paulista. E apesar do empate sem gols no jogo de ida, é possível esperar uma partida com grandes chances de gol. Dentre as cinco maiores artilheiras dessa edição da competição, três jogam por uma das duas equipes finalistas. Florencia Soledad lidera o ranking com 16 tentos anotados. Adriana, com 13 e Millene, com 11, integram a lista pelo Rio Preto.

A campanha das duas equipes na competição

Antes de falar sobre a campanha de Santos e Rio Preto, é importante explicar o regulamento da competição, que passou por quatro fases. A primeira delas foi uma fase de grupos onde as 14 equipes participantes foram divididas em dois grupos com sete times cada. Após as doze rodadas, em sistema de turno e returno, os quatro primeiros colocados de cada grupo avançariam rumo à próxima fase, já no sistema de mata-mata, com as quartas de final, seguidas pelas semifinais e, por fim, a final. Cada uma das fases eliminatórias foi disputada com jogos de ida e volta, tal qual a grande decisão.

O Rio Preto estava no grupo A, juntamente com Corinthians, XV de Piracicaba, Ferroviária, Francana, Guarani e Independente. As meninas fizeram uma primeira fase quase perfeita, vencendo dez jogos, empatando um e perdendo apenas uma partida, para o XV de Piracicaba, pelo placar de 4 a 3, além de marcar um total impressionante de 47 gols, tendo uma média de quase quatro gols por jogo. Passando em primeiro lugar no seu grupo, o time do interior de São Paulo passou pela Portuguesa nas quartas de final, com vitórias por 3 a 1 e 3 a 0. Na fase seguinte, confronto com o time do Centro Olímpico e mais duas vitórias: no jogo de ida, 2 a 1 e, na volta, 1 a 0, garantindo a passagem para a final do Campeonato Paulista.

A trajetória do Santos até a final foi bem semelhante a de seus adversários. Alocado no grupo B da primeira fase, tendo como adversários os times do Centro Olímpico, São José, Portuguesa, Taubaté, Juventus e União Futebol Clube, o clube teve desempenho excepcional, terminando a primeira fase com um total de nove vitórias, dois empates e apenas uma derrota, também marcando 47 gols, dividindo o título de melhor ataque da competição com o Rio Preto. Pelas quartas de final, as meninas da Vila derrotaram a Ferroviária, vencendo as duas partidas, com placares de 2 a 1 e 4 a 1.

Pelas semifinais, um grande clássico aguardava as jogadores, já que o adversário era o Corinthians. O confronto registrou dois empates: no jogo de ida, 1 a 1; na partida de volta, o 2 a 2 deu a classificação ao Santos, que detinha a vantagem de empatar duas vezes por ter feito melhor campanha na fase de grupos.

Dirigente e técnico do Rio Preto fazem apelo por apoio da torcida

Jogando em casa na grande decisão, o Rio Preto chega com a vantagem do empate e boas chances de conseguir o seu primeiro título paulista. No entanto, sem torcida, é impossível maximizar o “fator casa” e o vice-presidente jurídico do clube, José Eduardo Rodrigues, convocou os torcedores a comparecerem: “É um momento histórico na vida do clube. Somos campeões e vice do brasileiro, temos tudo para conquistar o título paulista. O jogo vai ser complicado, difícil, então peço ao torcedor que realmente torce para o Rio Preto que compareça em peso e venha apoiar as meninas que tanto merecem, porque elas vêm fazendo mais uma vez uma temporada maravilhosa com a camisa do clube”, declarou o dirigente. A final será disputada com portões abertos, sem cobrança de ingresso, trazendo uma oportunidade única para os torcedores.

Voltando ao aspecto tático e técnico da partida, o Rio Preto não poderá contar com a lateral Edilaine, suspensa por conta do terceiro cartão amarelo, e deve ter Mônica como substituta. Apesar disso, a meia Mariana, suspensa na primeira partida, poderá voltar à equipe, provavelmente na vaga de Elis. Mesmo com as alterações pontuais, o técnico Chicão Reguera deixou bem claro que não visa mudar o estilo de jogo da sua equipe: “Não adianta mexer naquilo que vem dando certo. Fizemos um grande jogo em Santos e agora vamos tentar repetir a dose mais uma vez com o apoio da nossa torcida”, declarou o treinador.

Além disso, a zagueira e capitã Ana Alice também falou a respeito da partida e trata o aspecto psicológico do confronto como extremamente importante: “Sabemos da qualidade das adversárias, soubemos neutralizá-las na primeira partida e agora não podemos nos desconcentrar em nenhum momento. Em casa a gente tem que ser protagonista, sair com mais velocidade e jogar com atitude”, afirmou a jogadora. A equipe riopretense que deve entrar em campo é a seguinte: Letícia Bussatto; Mônica, Ana Alice, SiméiaLetícia Albuquerque; Jéssica, Suzana, Mariana, Lelê; Millene, Kamila.

Santos conta com retorno da capitã Carol Arruda e busca calma para buscar o título

Pelo lado santista, a grande notícia e novidade para o jogo de volta da decisão é a volta da zagueira Carol Arruda, capitã do time. O retorno da jogadora é extremamente importante para a equipe, tendo em vista que Camila foi expulsa na partida de ida e desfalcará o Santos nessa final. Auinã, que já havia sido titular na primeira partida, deve se manter na equipe do técnico Caio Couto.

O treinador concedeu entrevista falando sobre a partida e mostrou confiança nas suas comandadas: “Vamos para o segundo tempo da decisão, prevendo um jogo equilibrado e sabendo que reunimos totais condições de vencer esse jogo. Nossa equipe está madura e preparada para enfrentar qualquer adversário, em qualquer campo. Tivemos chances na primeira partida, não se converteram em gol, mas acreditamos que conseguiremos o tão almejado título”, declarou Caio.

A lateral Dani Silva também falou e definiu o que precisa mudar na maneira de jogar do time santista para que o título seja conquistado: “Nosso time precisa ter um pouco mais de calma. Quando elas derem chutão, temos que colocar a bola no chão, envolver a equipe delas com o nosso estilo de jogo. Precisamos ter calma porque uma vitória simples garante o título para o nosso time”, declarou a camisa 20. A equipe do Santos que deve entrar em campo é a seguinte: Paty Nardi; Giovana, Auinã, Carol Arruda, Dani; Maria, Kelly, Suzane, Erikinha; Ketlen e Soledad.