Desfalcado, São Paulo visita At. Nacional precisando reverter grande desvantagem para ir à final

Nos últimos cinco anos, Nacional só perdeu uma vez em casa pela diferença que Tricolor precisa para seguir na Libertadores após derrota por 2 a 0 no Brasil

Desfalcado, São Paulo visita At. Nacional precisando reverter grande desvantagem para ir à final
Borja foi o nome do primeiro jogo com duas bolas nas redes (Foto: Nelson Almeida/ Getty Images)
Atlético Nacional
São Paulo
Atlético Nacional: Armani; Bocanegra, Sánchez, Henríquez, Díaz; Mejía, Cardona, Berrío; Morales, Borja, Durán. Técnico: Reinaldo Rued
São Paulo: Denis; Bruno, Lugano, Rodrigo Caio, Mena; Hudson, Thiago Mendes, Wesley, Centurión, Michel Bastos; Jonathan Calleri. Técnico: Edgardo Bauza
ÁRBITRO: Patrício Polic (CHI).
INCIDENCIAS: Partida de volta válida pelas semifinais da Copa Libertadores da América. Realizada no Estádio Atanasio Girardot. em Medellín, na Colômbia.

Na noite desta quarta-feira (13) o Atlético Nacional-COL recebe o São Paulo no Atanasio Girardot para a segunda partida das semifinais da Copa Libertadore da América, competição mais importante do continente. Na semana passada no Estádio do Morumbi completamente lotado, vitória verde e branca por 2 a 0. Tentos anotados por Borja na segunda etapa.

Se muitos esperavam um Atlético Nacional sem muito ritmo após dois meses sem entrar em campo, os colombianos demonstraram o contrário na quarta-feira passada (6) em São Paulo. É certo que os colombianos haviam entrado em campo dias antes na volta do Campeonato Colombiano quando empataram com o Alianza Petrolera, mas nenhum titular estava em campo. Já no Morumbi, mesmo com diversos desfalques, o Nacional lidou bem com a pressão são-paulina, e aproveitou a expulsão do zagueiro Maicon na etapa final para encaixar dois belos contra-ataques e encaminhar sua classificação a final da competição.

Uma mescla de decepção e esperança ronda o Morumbi desde a derrota da semana passada. Inicialmente o que mais se ouvia eram declarações de torcedores que se diziam orgulhosos da campanha do Tricolor até o momento, mas que desacreditavam em uma vitória em solo colombiano. Mas com o passar dos dias, o ar da fé, do clube em que a "moeda cai de pé" transformou a lamentação em esperança de uma vitória histórica. Na vitória no último domingo (10) diante do América-MG pelo Brasileirão, são-paulinos entoaram o grito de "Eu acredito" em apoio ao clube que precisa vencer os colombianos por pelo menos três gols de diferença. Resultados como o 2 a 0, que levaria a decisão para as penalidades, e o de 3 a 1 são as apostas são-paulinas para levar o clube a sua sétima final de Libertadores.

Mas, nos últimos cinco anos, o Atlético Nacional só perdeu um jogo em casa por um resultado que classificaria o São Paulo - 3 a 1 contra o Cortuluá, em 2015. Também aconteceram outros três resultados que levariam o jogo para os pênaltis: derrotas do time de Medellín por 2 a 0 para o Millonarios em 2011 (Campeonato Colombiano) e em 2014 para Grêmio (Libertadores) e General Díaz (Sul-Americana).

Experiente e vencedor, Mejía ressalta momento mais importante de sua carreira nesta Libertadores

Perto de completar 200 partidas pelo Atlético Nacional, Alexander Mejía é uma das principais peças do setor de meio-campo da equipe colombiana. Com mais de cinco anos pelo clube, Mejía terá a oportunidade de disputar sua primeira decisão de Copa Libertadores da América se o time colombiano avançar. Após o torneio continental, o meia se apresenta ao León do México com quem acertou sua transferência no último mês.

“Estamos construindo este nosso sonho há muito tempo com esforço e determinação, e estamos muito perto de chegar ao nosso objetivo, por isso sentimos que tudo isso valeu a pena. Temos que confiar em nosso trabalho, em nosso potencial  que chegaremos cada vez mais perto de conquistar algo muito importante para o Nacional", declarou ao site do clube.

"O trabalho que tenho feito na equipe tem sido importante e valioso, são quase 5 anos, 8 títulos nacionais, estou perto de alcançar 200 partidas com este manto verde e branco, a Sul-Americana escapou de nossas mãos por muito pouco, e agora temos a oportunidade clara de alcançar a final da Libertadores, é reconfortante pela maneira como temos enfrentado esses confrontos. Obviamente que restam 90 minutos, conseguimos uma vantagem que você precisa saber disso, você tem que ser inteligente. Nunca iremos desistir de nosso trabalho. São 90 minutos como disse para chegar à grande final, é o sonho que todos querem", concluiu.

Mejía fez ótima partida no jogo de ida no Morumbi (Foto: Friedemann Vogel/ Getty Images) 

Titular em uma semifinal após 10 anos, Lugano reforça: "Precisamos acreditar"

Sem Maicon entre os titulares após a expulsão no jogo de ida, Diego Lugano novamente iniciará uma semifinal de Libertadores da América pelo São Paulo. A última vez que o uruguaio esteve nesta situação foi em 2006, quando o Tricolor eliminou o Chivas Guadalajara com duas vitórias e avançou a decisão, onde perdeu a primeira chance de ser tetracampeão para o Internacional.

Ídolo e representante dos tempos gloriosos do clube, Lugano reforça que é necessário acreditar até o final, mesmo que a classificação seja extremamente complicada.

“É um jogo difícil até pela diferença de gols. É muita coisa para uma semi de Libertadores. Vamos enfrentar o melhor time da Libertadores, temos desfalques. Tudo está contra. A camisa e a luta têm de ajudar, porque o futebol dá muitas voltas, quem sabe sairemos daqui na quarta classificados. Talvez a gente possa fazer história aqui. Temos que virar fora de casa contra um time que tem sido superior aos outros na Libertadores. É muito difícil, mas com certeza faremos um esforço”, afirmou o uruguaio.

“Vamos tentar até o último minuto dar o melhor. A camisa do São Paulo é pesada, tem história, é preciso acreditar. Joguei partidas anteriores como a do River, na qual se perdêssemos, estaríamos eliminados. Cada jogo é especial, decisivo. Temos a sorte de estarmos jogando uma semifinal de Libertadores. Muito mais do que pressão, é uma alegria, uma motivação. Estamos competindo por coisas grandes, não vamos deixar de sonhar, de lutar”, ressaltou.

“Joguei partidas anteriores como a do River Plate, na qual se perdêssemos, estaríamos eliminados. Cada jogo é especial, decisivo. Muito mais do que pressão, é uma alegria, uma motivação. Estamos competindo por coisas grandes, não vamos deixar de sonhar, de lutar. Contra o melhor time da Libertadores, é preciso ser perfeito“, concluiu.

(Foto: Rubens Chiri/ São Paulo FC)