Eficiente no ataque, São Paulo bate Figueirense e volta a vencer após cinco partidas no Morumbi

Coletividade dos paulistas se destaca em triunfo; Gatito Fernández brilha na meta alvinegra, mas sua atuação não foi suficiente para impedir vitória Tricolor

Eficiente no ataque, São Paulo bate Figueirense e volta a vencer após cinco partidas no Morumbi
Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net
São Paulo
3 1
Figueirense
São Paulo: Denis, Buffarini, Maicon, Lyanco e Matheus Reis; Hudson, Wesley e Thiago Mendes; Kelvin (Min. 32, Robson, 2ºT), Chavez e Cueva (Min. 43, Daniel, 2ºT). Técnico: Ricardo Gomes
Figueirense: Gatito; Ayrton, Bruno Alves, Werley e Marquinhos Pedroso; Jackson Caucaia, Jefferson, Ferrugem (Min. 00, Rafael Silva, 2ºT) e Dodô (Min. 00, Elvis, 2ºT); Lins (Min. 37, Ermel, 2ºT) e Carlos Alberto. Técnico: Tuca Guimarães
Placar: 1-0, Min. 30, Chávez, 1ºT; 2-0, Min. 20, Cueva, 2ºT; 3-0, Min. 27, Kelvin, 2ºT; 3-1, Min. 41, Carlos Alberto, 2ºT
ÁRBITRO: Dewson Fernando Freitas da Silva, auxiliado por Alessandro A Rocha de Matos e Helcio Araujo Neves. Cartões amarelos: Thiago Mendes e Kelvin (São Paulo); Jefferson e Dodô (Figueirense)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, disputada neste domingo (11), no Estádio do Morumbi, em São Paulo/SP. Público total: 27.365; Renda R$ 688.491,00

O torcedor do São Paulo que compareceu ao Morumbi, na manhã deste domingo (11), viu a equipe encerrar o jejum de cinco jogos sem vencer pelo Campeonato Brasileiro, ao bater o Figueirense, por 3 a 1, com gols de Chávez, Cueva, de pênalti, e Kelvin. Também na penalidade máxima, Carlos Alberto descontou para os alvinegros.

O resultado positivo aliviou um pouco a situação do Tricolor Paulista, que passou por momentos turbulentos nas últimas semanas. A equipe do técnico Ricardo Gomes agora ocupa a 12ª posição, com 31 pontos. Na próxima rodada, o São Paulo recebe o Cruzeiro, na quinta-feira (15), às 21h, também no Morumbi.

O Figueirense, com o revés, permanece na zona de rebaixamento do Brasileirão, na 17ª posição, com 27 pontos. Na quarta-feira (14), às 19h30, os alvinegros recebem o América-MG, no Orlando Scarpelli.

São Paulo domina primeira etapa e abre placar com Chávez

Antes da bola rolar, Wesley teve o nome cantado pelos Tricolores. O meio-campo respondeu à altura no primeiro minuto de jogo, quando arriscou de fora da área, assustando o goleiro Gatito Fernández. Dois minutos depois, Jackson Caucaia falha em lance cruzado pela direita e quase manda para o próprio patrimônio, dependendo da trave para salvar o que seria o primeiro gol do São Paulo no jogo.

O Tricolor Paulista explorava os lados do campo, mas também tentava chutes de fora da área, como o de Thiago Mendes, aos 15 minutos. O volante bateu firme, a bola ganhou efeito, mas Gatito Fernández conseguiu fazer a defesa. Três minutos depois, os mandantes assustaram novamente quando Buffarini cruzou e contou com falha da zaga catarinense para a bola chegar em Cueva, que pegou de primeira. A bola desviou em Werley e acertou a trave de Gatito.

Era a manhã do goleiro do Figueirense. Aos 22, Cueva encontrou Chávez na área e, de canhota, mandou rumo ao gol. O que o gringo não contava, era que Gatito fizesse a defesa. O Figueira atacou perigosamente aos 25 minutos, quando Werley cabeceou forte após bola cruzada na área. Dênis apareceu muito bem e espalmou a bola pela linha de fundo.

Quatro minutos depois, falta perigosa para o São Paulo. Maicon foi para a bola e buscou o ângulo de Gatito. No entanto, o goleiro do Figueira foi lá no alto para espalmar. No lance seguinte, Kelvin cobrou escanteio para o Tricolor na cabeça de Chávez, que não desperdiçou e mandou no fundo das redes. O arqueiro da equipe catarinense ainda evitou que o placar fosse ampliado, quando Kelvin invadiu a área e bateu colocado. O camisa 1 alvinegro, mais uma vez, espalmou pela linha de fundo.

Setor de criação do Figueira não funciona e ataque do São Paulo garante vitória

A segunda etapa começou com a posse de bola para o Figueirense. No entanto, o time catarinense pouco conseguia criar. A marcação do São Paulo era mais eficiente. Restou, então, apelar para os lançamentos. Carlos Alberto era marcado de perto e pouco apareceu. Era notório que o time de Tuca Fernandes sentia a falta de Rafael Moura.

Aos 19 minutos, o São Paulo tentou chegar pela esquerda em um chute de fora da intermediária. A bola, no entanto, bateu no braço de Bruno Alves, dentro da grande área. Pênalti, que Cueva cobrou e mandou para o fundo das redes. Gatito Fernández chegou a acertar o canto e defender a cobrança, mas o peruano não desperdiçou o rebote. Aos 26, o Figueira também apostou no chute de longa distância, mas parou em Dênis, que fez uma linda defesa.

Os catarinenses cobraram escanteio e sofreram o contragolpe paulista iniciado por Chávez, que rolou para Kelvin tocar na saída de Gatito Fernández. Aos 41 minutos, a bola, chutada de fora da área, acabou batendo no braço de Maicon. Pênalti que Carlos Alberto cobrou e converteu, sem chances para Dênis. Mas, já era tarde. O São Paulo já havia trabalhado para vencer a partida e dar fim ao jejum de vitórias que já durava cinco partidas no Morumbi.