Dois anos do Brasil x Alemanha: 30 coisas que aconteceram durante o 7 a 1

Todos lembram da goleada, mas não dos fatos que cercaram o fatídico dia. A VAVEL Brasil comenta algumas curiosidades que aconteceram no Mineirão

Dois anos do Brasil x Alemanha: 30 coisas que aconteceram durante o 7 a 1
(Foto: Getty Images/Edição: Marcello Neves)

Dois anos do eterno 7 a 1. Muito do que repensar após aquele resultado trágico para o futebol brasileiro e um dos mais inesperados da história do futebol.

Pensando nisso, a VAVEL Brasil separou alguns fatos que ocorreram antes, durante e depois do fatídico 7 a 1 para os alemães. A escolha por BernardMick Jagger no estádio, a tristeza e desespero da torcida e um show de Khedira. Essas foram algumas das 30 coisas que aconteceram durante o 7 a 1.

1. "Bernard?!?!?!?"

(Foto: AFP)

Todos os torcedores e jornalistas se perguntaram após a escalação da Seleção Brasileira ser divulgada: "Por que ele vai escalar o Bernard?" Especulava-se que Felipão iria com três zagueiros ou três volantes, mas o treinador optou por alguém com as mesmas características de Neymar. 

O grande problema foi que - durante a semana de treinos sem o camisa 10 - Bernard foi o atleta que passou menos tempo sendo testado entre os titulares. Difícil entender sua escalação.

2. "A atenção vai ser o nosso diferencial, moçada!", declara Fred.

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Ainda antes da bola rolar, a primeira pérola do 7 a 1 escapou na transmissão. Na última preeleção antes do jogo, é possível ouvir Fred puxando a corrente de apoio aos companheiros e afirmando que "a atenção redobrada vai ser o nosso diferencial, moçada". Pois é, não foi. (Escute a partir dos 1:57)

3. Amarildo e a superstição na camisa 20 de Bernard

(Foto: Getty Images)

Junto com Bernard, vieram as primeiras superstições. No caso, ligado a Amarildo, camisa 20 do Brasil na Copa de 1962 que ficou responsável por substituir Pelé, lesionado na ocasião. Com o mesmo número no uniforme, esperava-se que o menino da "alegrias na pernas" repetisse o feito na ausência de Neymar. Não deu.

4. Alemanha jogando de vermelho e preto é sinônimo de gol de Fred

(Foto: Getty Images)

Faz parte do folclore do torcedor. A Alemanha, jogando de vermelho e preto, caiu nas graças da torcida do Flamengo. Fred, atacante do Fluminense, era lembrado por sempre marcar contra o rival carioca. No 'Fla-Flu' da semifinal da Copa do Mundo, o camisa 9 foi substituído no segundo tempo tendo finalizado apenas uma vez.

5. David Luiz levou a camisa de Neymar para o jogo

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Brasil e Alemanha perfilados no gramado. Enquanto o Mineirão gritava o nome de Neymar, David Luiz levantava a camisa do companheiro antes da execução do hino nacional. Tudo levava a crer que a Seleção entraria pilhada para suprir a ausência do camisa 10. Nada feito.

PS.: Também vale a pena lembrar da campanha publicitária realizada pela Sadia, antes da semifinal. Os atletas postaram, em seus respectivos perfis pessoais, imagens com a hashtag #JogaPraEle. Também nada feito.

6. A felicidade das crianças durante o hino nacional

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Se os jogadores cantavam a plenos pulmões o hino nacional, o mesmo podemos dizer dos mascotinhos antes da semifinal. Destaque para o primeiro da esquerda para direita, que ainda aproveitou para mostrar sua positividade no momento em que a câmera passou.

7. David Luiz era o capitão brasileiro no 7 a 1

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Todos lembram que Thiago Silva levou um cartão amarelo infantil contra a Colômbia e foi suspenso para a semifinal. Porém, passou despercebido por muitos que David Luiz trajou a braçadeira de capitão no 7 a 1. Óbvio que o zagueiro não tem culpa nisso, mas não deixa de ser emblemático. 

8. Mick Jagger foi ao Mineirão torcer para o Brasil

(Foto: Getty Images)

Mick Jagger foi eternizado por dar azar a todas as seleções que torceu durante a Copa de 2010. O efeito foi menor em 2014, mas a presença do cantor britânico não passou batida neste Mundial. Com um boné da Inglaterra (eliminada na primeira fase), acompanhou a partida ao lado de seu filho Lucas, nos camarotes do Mineirão.

9. Brasil foi superior a Alemanha durante 4 minutos

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Aos gritos de "sou brasileiro, com muito orgulho e muito amor", o Brasil foi superior em campo durante os primeiros QUATRO MINUTOS contra a Alemanha. E foi assustador o volume de jogo brasileiro, levando a crer que teríamos um duelo interessante.

Enquanto o Brasil já havia finalizado duas vezes e tido três escanteios, seu adversário acumulava passes errados (quatro no total) e dois bicões para frente. A Alemanha conseguiu cruzar a linha do meio-campo tocando bola apenas no quinto minuto da partida.

10. Aos 7, Kroos impediu Khedira (!) de abrir o placar

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Então, após cruzar o meio-campo, a Alemanha passou a comandar o jogo. O Brasil já estava envolvido na troca de passes adversária, mas ainda não havia se dado conta.  O primeiro gol não saiu logo aos 7 minutos porquê Kroos impediu Khedira de correr para o abraço. (Assista a partir dos 18:08). 

O cruzamento partiu da esquerda, encontrando Khedira - livre na área - para marcar. Julio César já estava vendido no lance (note na imagem acima), mas o gol não saiu apenas pelo fato da bola ter explodido nas costas de Kroos. Sim, o Brasil ia levar DOIS gols do Khedira.

11. Gol de Muller saiu no primeiro escanteio alemão

(Foto: AP)

Aos 9 minutos, Muller abriu o placar. A Alemanha já começava a se impôr, mas não sufocava. O gol saiu logo na PRIMEIRA cobrança de escanteio, em falha de marcação da defesa brasileira.

Lahm foi lançado na direita, tentou o corte para o meio, mas Marcelo apareceu afastando para escanteio. Na cobrança, Kroos bateu aberto, Muller se afastou do bolo de jogadores e finalizou de chapa. David Luiz, o que falhou na marcação, foi o que mais reclamou da defesa após o gol.

12. CENAS LAMENTÁVEIS™ entre Hulk e Boateng!

(Foto: Getty Images)

Senhoras e senhores, elas também estiveram presentes no vexame! As famigeradas CENAS LAMENTÁVEIS™ foram presenciadas ainda no primeiro tempo. Marcelo foi lançado na área e tentou cavar pênalti após dividida com Lahm. Boateng, de frente ao lance, foi tirar satisfação. Hulk se meteu no meio e criou a confusão. Mas Muller, Oscar e Luiz Gustavo apareceram para separar.

13. Klose se tornou o maior artilheiro dos Mundiais

 (Foto: Getty Images)

Não é novidade, mas é sempre bom lembrar de como a história foi escrita. O segundo gol da Alemanha foi marcado por Klose, fato que o recolocou como maior artilheiro da história das Copas do Mundo, com 16 gols gols, superando Ronaldo (15).

14. Conseguimos levar gol do Khedira

(Foto: EL País)

Ver este volante alemão balançando suas redes é tão absurdo quanto levar sete gols em uma semifinal de Copa do Mundo. Após fazer força, o Brasil conseguiu a proeza de levar gol do Khedira. O volante que terminou o primeiro tempo com mais chutes a gol que desarmes, foi o autor do quinto tento alemão. (Assista) 

15. Dos 22 aos 28 minutos, cinco chutes e quatro gols

(Foto: Agencia Reuters)

A goleada virou vexame a partir dos 28 minutos, quando ficou escancarada a diferença de nível técnico e tático entre brasileiros e alemães. Tal abismo pode ser medido pelo número de finalizações. Não houve pressão ou sufoco, apenas troca de passes e movimentação. Foram quatro gols em quatro descidas ao ataque e cinco chutes (sendo um deles a defesa de Julio César, antes do rebote de Klose). Não houve o menor poder de resistência.

16. E a reação de todos foi essa...

(Foto: Reprodução/TV Globo)

"Virou passeeeeeeio, amigo..." 

17. E essa também...

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Depois do quarto gol, muitos já começavam a chorar e deixar o Mineirão. 

18. Aos 34, escapamos de um hat-trick moral do Khedira

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Aos 34 minutos, Kroos arrancou e tocou em profunidade. Khedira correu certo, mas Julio César saiu do gol para ficou com ela de maneira providencial. Caso o goleiro não estivesse atento, o volante sairia - mais uma vez - de frente para a meta brasileira. Absurdo. 

19. Primeiras vieram apenas com 44 minutos

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Para ser mais exato, aos 44:36 do primeiro tempo, quando Neuer ficou com o controle da bola. No lance, Fred recebeu lançamento, dividiu com Boateng e caiu pedindo falta. Foi a gota d'água para o início dos protestos vindos da torcida que ainda estava incrédula com a goleada.

20. Mesmo perdendo por 5 a 0, Felipão não fez alterações no primeiro tempo

(Foto: Getty Images)

Mesmo com o nó tático e a goleada, Felipão não fez alterações no primeiro tempo. A única mudança foi a inversão de lados entre Bernard e Hulk. Apenas na volta para o segundo tempo que o treinador optou pela entrada de Ramires e Paulinho nos lugares de Hulk e Fernandinho, respectivamente.

21. Alemanha tira o pé e Brasil novamente sufoca

(Foto: Laurence Griffiths)

O cenário se repetiu no segundo tempo. Com as substituições realizadas, aliada a uma Alemanha já tirando o pé e pensando na final, o Brasil voltou melhor e pressionando. Poderia ter feito três gols logo nos primeiros 10 minutos. Paulinho, Ramires e Oscar foram os responsáveis por desperdiçar três oportunidades claras. Méritos também para Neuer, gigante nas ocasiões.

22. Alemães reclamando da arbitragem

(Foto: Reprodução/TV Globo)

O placar era de 5 a 0, mas o profissionalismo alemão seguiu até o minuto final. Prova disso é essa imagem, onde os atletas reclamam com o árbitro de uma simulação brasileira. Na jogada, Maicon caiu na área e pediu pênalti, alegando toque de Mertsacker. A atitude revoltou os europeus. O árbitro nada marcou.

 

23. Torcida alemã cantando 'Vamos a la playa'

(Foto: André Durão)

A festa alemã no Mineirão começou já no terceiro gol. Na arquibancada, a música 'Vamos a la playa' foi adaptada para 'Rio de Janeiro', em referência ao palco da final da Copa do Mundo 2014. (Escute a partir dos 0:30)

24. 7 a 1 foi pouco? Sim, foi sim

(Foto: Reprodução/TV Globo)

Sabe a famosa frase '7 a 1 foi pouco'? Então, foi sim. Com provas. Escapamos de tomar nove ou dez, com tranquilidade. Julio César ainda sofreu dois gols na segunda etapa, mas também salvou o Brasil em outras oportunidades. Na foto acima, vemos o lançamento onde o goleiro ficou no mano a mano com Schurrle, fato que também se repetiu com Ozil e Muller.

25. Schurrle inaugurou a barra de rolagem da Fifa

(Foto: Reprodução)

Nenhum jogo da Copa do Mundo havia feito a Fifa colocar sua barra de rolagem para funcionar. Pois bem, a primeira vez a gente nunca esquece, não é mesmo?

26. Julio César tornou-se o goleiro mais vazado

(Foto: AP Photo/Themba Hadebe Mais)

Não teve culpa em nenhum dos gols, mas acabou com um recorde negativo para sua carreira. Julio César tornou-se o goleiro brasileiro mais vazado da história das Copas. No total, são 18 gols sofridos, sendo quatro no Mundial de 2010 e 14 no de 2014.

27. Oscar marca o gol mais tardio do tempo regulamentar  das semifinais de Copa

(Foto: Getty Images)

Não adiantou para muita coisa, mas colocou o nome de Oscar na história dos Mundiais. Com tento marcado aos 44:42' do segundo tempo, o camisa 11 tornou-se o jogador a fazer o gol mais tardio da história das semifinais de Copa do Mundo no tempo regulamentar

PS.: O gol mais tardio das semifinais no modo geral é de Del Piero, aos 121', também contra a Alemanha, na prorrogação da semifinal de 2006.

28. Maior derrota do Brasil em copas

Antes do 7 a 1, a maior derrota do Brasil em Copas do Mundo havia sido contra a França, por 3 a 0, na final do Mundial de 1998. Podemos lembrar também que a única fez que a Seleção Brasileira havia sofrido cinco gols em uma partida foi contra a Polônia, em 1938, mas vencemos por 6 a 5 na ocasião.

29. Segundo a Fifa, Brasil teve mais chances de gols

(Foto: Reprodução/FIFA)

Mais chances de gols, mais finalizações, mais passes dentro da  área e maior posse de bola. As estatísticas foram coletadas pela Fifa e estão disponíveis em seu time oficial. Assusta a eficiência da Alemanha e falta de plano tático no mapa brasileiro.

30. A imagem mais marcante da goleada é essa

(Foto: Reprodução/BBC)

Esqueça a comemoração alemã ou as expressões dos jogadores brasileiros. Segundo a BBC, este torcedor segurando a taça da Copa do Mundo, foi a imagem que mais rodou o mundo após a goleada. Emblemática e marcante.