Brasil poupa titulares e empata com África do Sul no futebol feminino

Meninas pouparam as melhores jogadoras e fizeram partida tranquila contra as sul-africanas

Brasil poupa titulares e empata com África do Sul no futebol feminino
Foto: Divulgação/CBF
Brasil
0 0
África do Sul
Brasil: Aline, Poliana, Bruna, Mônica, Tamires (Marta), Érika, Thaisa (Fabiana), Andressinha, Raquel, Andressa Alves, Débora
África do Sul: Barker, Vilakazi, Matlou, Van Wyk, Smeda, Makhabane, Malherbe, Jane, Seoposenwe, Motlhalo, Thembi Kgatlana (Dlamini)
INCIDENCIAS: 3ª RODADA DA FASE DE GRUPOS DOS JOGOS OLÍMPICOS DO RIO DE JANEIRO, JOGO REALIZADO NO ARENA DA AMAZÔNIA, EM MANAUS.

No último jogo da primeira fase, as meninas brasileiras entraram em campo nesta terça-feira (9) com time reserva para enfrentar a África do Sul na Arena da Amazônia, em Manaus. Com ritmo mais lento e sem tanta intensidade, o Brasil teve chance de vencer diversas vezes, mas parou na retranca sul-africana.

Já classificadas, as brasileiras não precisavam de muito para levar a liderança do grupo. O técnico Vadão optou por poupar suas principais peças e deixou nomes como Marta e Formiga no banco, trocando até a goleira Bárbara por Aline. No ataque, Beatriz e Cristiana, lesionada, deram lugar a Andressa Alves e Debinha.

O empate, apesar de não ser ruim, tira os 100% de aproveitamento do Brasil nos Jogos Olímpicos. Até aqui, foram sete pontos conquistados, oito gols marcados e apenas um sofrido. No resto do Grupo E, China e Suécia fizeram quatro pontos e a África do Sul apenas um.

Com o resultado, a Seleção termina a fase de grupos em primeiro, já que China e Suécia empataram em 0 a 0. Agora o Brasil vira o foco totalmente para a Austrália, adversária da fase mata-mata do futebol feminino.

Retranca da África do Sul atrapalha os planos do Brasil; Marta entra no segundo tempo

Foi difícil furar a defesa sul-africana. Com todas as jogadoras postadas em seu próprio campo, a África do Sul esperou que o Brasil atacasse para, então, tentar surpreender, o que pouco aconteceu. Aline, que substituiu a goleira Bárbara, fez um ótimo trabalho e não teve medo de sair atrás das jogadas. Rápida e corajosa, a atleta passou segurança atrás e também deu liberdade a suas companheiras de equipe.

Durante a primeira etapa, as brasileiras não conseguiram criar grandes oportunidades e não sofreram para segurar as adversárias. Tamires, aos 24 minutos, e Debinha, aos 38', conseguiram as melhores chances chutando de fora da área, mas pararam na goleira Barker.

Percebendo que o Brasil encontrava dificuldades na criação e no aproveitamento das chances de gol, Vadão convocou Marta para tentar ajudar a Seleção, para o delírio dos torcedores, que gritavam seu nome desde o início do jogo. Entretato, ela também não encontrou o caminho livre e perdeu ótima chance de abrir o placar na cara do gol.

Os aplausos no fim, mesmo com o empate sem gols, mostra o bom momento que a Seleção feminina vive com a torcida brasileira, diferente do que tem acontecido com o time masculino.