Com o sonho do ouro em jogo, Brasil encara a Dinamarca na Fonte Nova

Para avançar por conta própria, Seleção Brasileira precisa vencer a Seleção Dinamarquesa, líder do Grupo A

Com o sonho do ouro em jogo, Brasil encara a Dinamarca na Fonte Nova
Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press
Brasil
Dinamarca
Brasil: WEVERTON; ZECA, RODRIGO CAIO, MARQUINHOS, DOUGLAS SANTOS; RODRIGO DOURADO (WALACE), RENATO AUGUSTO, FELIPE ANDERSON; GABRIEL, GABRIEL JESUS, NEYMAR. TÉCNICO: ROGÉRIO MICALE.
Dinamarca: HOJBJERG; DESLER, GREGOR, EDI GOMES, BLABJERG; EMIL LARSEN, MAXSO, JONSSON, BORSTING; VIBE, BROCK-MADSEN. TÉCNICO: NIELS FREDERIKSEN.
ÁRBITRO: ALIREZA FAGHANI (IRÃ), AUXILIADO POR REZA SOKHANDAN (IRÃ) E MOHAMMADREZA MANSOURI (IRÃ)
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA TERCEIRA RODADA DA FASE DE GRUPOS DO TONEIO DE FUTEBOL MASCULINO DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016, QUE SERÁ REALIZADA NESTA QUARTA-FEIRA (10), ÀS 22H, NA ARENA FONTE NOVA, EM SALVADOR/BA

A Seleção Brasileira volta a campo nesta quarta-feira (10), às 22h, na Arena Fonte Nova, em Salvador, para o jogo de vida ou morte no torneio de futebol masculino dos Jogos Olímpicos Rio 2016. O adversário da vez será a seleção da Dinamarca, que lidera o Grupo A, com quatro pontos. Só a vitória interessa ao Brasil, uma vez que um empate tornaria a classificação improvável e uma derrota colocaria fim ao sonho do inédito ouro olímpico.

Em um grupo sem adversários tradicionais, a Seleção Dinamarquesa é, em tese, o mais difícil. O que deixa o próximo jogo com contornos dramáticos, já que o Brasil não mostrou bom futebol e empatou sem gols com África do Sul e Iraque. O time europeu seguia o mesmo caminho até os 24 minutos do segundo tempo do jogo diante da África do Sul, quando o atacante Robert Skov marcou e garantiu a vitória simples.

As duas seleções já se enfrentaram em uma edição de Olimpíadas e o Brasil não tem uma boa recordação. Nos jogos de Munique 1972, a Seleção Brasileira estreou exatamente diante do adversário de hoje e os europeus levaram a melhor ao vencer por 3 a 2. Na competição, o Brasil foi eliminado ainda na primeira fase, como o último colocado do grupo C. Além da derrota na estreia, houve empate com a Hungria, por 2 a 2, e derrota para o Irã, por 1 a 0.

Brasil joga sob pressão para evitar um novo fiasco

O time canarinho há muito tempo vem tentando recuperar o bom futebol e a credibilidade, que está em baixa. Após o vexame na Copa do Mundo de 2014, uma eliminação logo na primeira fase das Olimpíadas agravaria a situação. Neymar, a grande esperança para desequilibrar nos confrontos, não rendeu o esperado nas duas primeiras partidas, fato que gerou um descrédito com a torcida, mas isso pode ser amenizado com uma boa atuação que classifique o time.

Para o jogo de logo mais, o técnico Rogério Micale não contará com o meio-campista Thiago Maia, que está suspenso pelo segundo cartão amarelo. O treinador, entretanto, fez mistério e não disse quem será o substituto. Rodrigo Dourado e Walace são os mais cotados para começar o jogo. "Vou ter tempo para avaliar, vamos verificar e conversar. As peças que eu tenho são as mesmas. Primeiro vamos achar o substituto do Thiago Maia, que é um jogador que vinha se destacando, fez duas grandes partidas”, pontuou.

O treinador não revelou os que vão a campo, mas é provável que repita os titulares da última partida. Sobre o futebol não convincente, Micale afirma que não pretende mudar a forma de atuação na partida, devido ao tempo escasso para treinar. “Tentamos variações, mas não podemos mudar conceitos sem treinamentos. Ele existe, treinamos em nossa preparação e não é porque não conseguimos a vitória que vamos mudar tudo, em termos de conceito. Se entrar de uma forma aleatória em campo, a probabilidade é maior da coisa não acontecer”, disse.

Técnico dinamarquês é confiante na classificação para as quartas de final

A um passo da classificação, a Seleção Dinamarquesa precisa somente de um empate para se garantir na próxima fase. Apesar da boa colocação, o time não dominou as duas primeiras partidas e, por isso, pode se considerar um adversário do mesmo nível de Iraque e África do Sul. Depois da vitória na segunda rodada, o técnico Niels Frederiksen demonstrou confiança para conquistar a classificação no duelo diante do Brasil. “Primeiro temos que classificar para as finais, mas, depois do jogo de hoje, estou otimista", afirmou.

Da partida diante do Iraque para a contra a África do Sul, o técnico não promoveu muitas alterações, o que leva a crer que comece a partida com os mesmos que iniciaram o último duelo, uma vez que nenhum dos atletas está suspenso por cartões. Entretanto, o destaque da vitória ficou por conta de um jogador que saiu do banco, Robert Skov marcou o único gol aos 24 minutos da segunda etapa.

O que preocupa o treinador é o fato de jogar em um estádio cheio contra o dono da casa. “Haverá muita gente no estádio e, nesse sentido, nós estaremos sob pressão. Mas, ao longo do jogo, se o Brasil não jogar tão bem, eles podem passar a ficar sob pressão. A multidão que começará apoiando pode se voltar contra eles”, apontou. Ele ainda brincou sobre a sequencia de resultados do Brasil. “Esperava que vencessem os dois primeiros jogos e perdessem o terceiro”, completou.