Sem novo 5 a 1: Brasil "ignora" primeiro jogo e foca na semifinal contra Suécia

Brasileiras, que venceram por 5 a 1 as adversárias da semifinal, esquecem primeira vitória e focam apenas em vencer novamente

Sem novo 5 a 1: Brasil "ignora" primeiro jogo e foca na semifinal contra Suécia
(Foto: Divulgação/Agência Reuters)

O penúltimo degrau da Seleção Brasileira até a final poderá ser passado nesta terça-feira (16). Diante da já conhecida Suécia, as meninas do Brasil têm a chance de chegar à mais uma decisão dos Jogos Olímpicos, desta vez buscando o ouro em casa. Com os pés no chão, as brasileiras podem ter a volta de Cristiane e fizeram uma preparação buscando, principalmente, a tranquilidade.

Brasil se concentra para a decisão; Cristiane pode voltar

Foi momento de foco total para o Brasil. Diante da Suécia, as brasileiras não esperam vida fácil e utilizaram os dias entre a vitória nos pênaltis contra a Austrália e a semifinal para manterem a concentração. Para evitar distrações, as atletas não ficaram na Vila Olímpica como esperado, indo direto para um hotel na Barra da Tijuca.

Em coletiva nesta segunda-feira (15), Vadão afirmou que não espera jogo fácil contra as suecas: "O primeiro jogo do 5 a 1 foi um resultado atípico. Se você analisar o começo do jogo, a Suécia teve duas ou três oportunidades para fazer o gol e não fez. A gente foi mais feliz e fez. Óbvio que nós jogamos muito bem. A vitória foi construída através de um bom futebol. O placar foi um tanto exagerado pelo nível da Suécia".

Outra que também comentou sobre ter "pés no chão" diante da Suécia foi Andressa Ales, lembrando da vitória adversária sobre os Estados Unidos. "Foi uma partida muito difícil. Quando a gente chegou no vestiário, pedimos para ter os pés no chão porque a gente deu um passo importante, mas não chegamos ainda ao maior objetivo que é o ouro. Agora tem um jogo muito difícil contra a Suécia. Pode esquecer o que aconteceu no primeiro jogo porque vai ser outro jogo. Tanto que elas eliminaram a atual campeã. Elas estão muito confiantes também. Vai ser uma partida super difícil", disse.

A grande novidade na equipe pode ser Cristiane, que voltou a treinar nesta semana e pode ser relacionada para o confronto. A atacante sofreu uma lesão no posterior da coxa justamente contra a Suécia na fase de grupos e a expectativa era que ela só voltasse após os Jogos Olímpicos. Entretanto, a jogadora participou do treino com o grupo nesta segunda-feira e fez teste físico sem problemas com o preparador Fabio Guerreiro.

Vadão comentou na entrevista coletiva que o departamento médico está fazendo o possível para que ela esteja disponível: "Cristiane é artilheira e toda goleadora faz falta. Criamos bastante situações, mas não convertemos.​ Nesse momento nós jamais poderíamos afirmar que Cristiane está 100%. Departamento médico tomou todas as providências. Ela treinou, não como ritmo de jogo, mas treinou. Estamos em uma encruzilhada e vamos dar mais um tempo para que a gente defina se ela participa ou não".

Baixa certa será a de Fabiana, que sofreu uma entorse no tornozelo direito durante as quartas de final contra a Austrália e segue em processo de recuperação. O técnico Vadão já afirmou que não espera contar com a lateral, que treinou mancando um pouco. Poliana a substituiu durante o jogo e deve ser a opção para a vaga.

Mônica elogia suecas; seleção chega embalada após derrotar Estados Unidos

A Suécia chega com moral à semifinal. Após passar com dificuldades pela fase de grupos, as suecas destronaram as grandes campeãs dos Estados Unidos, empatando no tempo normal por 1 a 1 e conquistando a classificação nos pênaltis após vitória por 4 a 3.

Após as críticas da goleira Hope Solo, Mônica, jogadora do Brasil, defendeu as adversárias: "Eu não acho que elas foram covardes não. Elas foram inteligentes por terem respeitado uma equipe tão importante quanto os Estados Unidos. Elas sabiam da capacidade delas e fizeram isso até o final. Terça vamos esperar a mesma coisa. Acredito que elas vão achar oportunidades através dos nossos erros para buscar um resultado positivo assim como nós diante delas. Não estamos assustadas. Talvez surpresas. Mas o futebol é isso aí. Em uma partida você tem a chance de conquistar ou sair com resultado negativo. A Suécia foi disciplinada até o final e foi muito feliz nas cobranças. Saiu com um resultado positivo diante de uma seleção tão respeitada".

Sem baixas, a Suécia deve utilizar o mesmo time que venceu os Estados Unidos e que perdeu por 5 a 1 para o Brasil na fase de grupos. Apesar do resultado desfavorável contra as brasileiras, as suecas podem surpreender com o foco no contra-ataque e na disciplina, características dessa seleção.