VAVEL Entrevista: Jairzinho confia que Seleção futuramente terá tantas opções quanto na sua época

Campeão mundial de 1970 com a Seleção e ídolo do Botafogo, Jairzinho elogiou o trabalho de Tite na Canarinho e aproveitou o momento para “corujar” o filho Jair Ventura, hoje técnico da Estrela Solitária

VAVEL Entrevista: Jairzinho confia que Seleção futuramente terá tantas opções quanto na sua época
Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil

Um dos heróis da memorável conquista do tricampeonato mundial da Seleção Brasileira no México, em 1970, o ex-meia Jairzinho veio com a delegação da Canarinho a Natal para participar de uma ação social promovida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Na ocasião, o “Furacão” da Copa de 70 visitou o Hospital Infantil Varela Santiago, na capital potiguar, juntamente com Souza, também ex-Seleção. Eles entregaram uma camisa da Amarelinha ao diretor da unidade de saúde, Paulo Xavier. O uniforme será leiloado, e o valor arrecadado será destinado ao hospital.

Nesta quinta-feira (6), Jairzinho esteve presente no hotel onde a CBF fornecia à imprensa as credenciais para a partida entre Brasil e Bolívia, válida pela nona rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, e conversou com a VAVEL Brasil. Na entrevista, o ídolo da Seleção Brasileira e do Botafogo se mostrou confiante em relação à Era Tite, que começou com vitórias sobre o Equador, no Estádio Olímpico Atahualpa de Quito, e a Colômbia, na Arena da Amazônia, em Manaus, e terá prosseguimento hoje, na Arena das Dunas.

Na visão do campeão mundial, a Canarinho tem se mostrado mais objetiva sob o comando de Tite. “Nesses dois jogos houve uma grande transformação no modo de jogar. O time é mais solto, mais veloz, tem uma posse de bola mais rápida e é mais agressivo. Tite mostrou sua forma de trabalhar”, avaliou.

Jairzinho acredita que a filosofia de jogo de Tite é capaz de reaproximar a equipe nacional dos torcedores. “Se o Brasil perde, todos nós perdemos, o povo perde. O futebol te dá expectativa, motivação, respeito, confraternização. Te dá uma série de situações que te melhoram. A introdução da forma de jogar de Tite deu uma alegria maior ao brasileiro”, afirmou.

O “Furacão” confia que uma maior atenção dada aos campeonatos nacionais, fator que o próprio Tite vem sublinhando em suas conversas com a imprensa, dê maior leque de opções à Seleção, a exemplo da sua época de jogador. “Estamos começando uma nova fase. É questão de tempo para que os campeonatos regionais e nacionais possam revelar mais jogadores e dar mais dor de cabeça ao treinador, que eu espero que continue sendo o Tite”, disse. “Na minha época, os treinadores tinham dor de cabeça (para escalar a Seleção): ‘Pô, eu boto quem?’. E, evidentemente, os jogadores poderão corresponder à expectativa de um resultado positivo”, completou.

De olho no filho

Foto: Vítor Silva/Botafogo

Como todo pai que se preze, Jairzinho “corujou” seu filho, Jair Ventura, hoje técnico do Botafogo. A Estrela Solitária vem numa ascendente na Série A desde a saída de Ricardo Gomes rumo ao São Paulo e a promoção de Ventura ao comando técnico alvinegro. O Fogo deixou a parte de baixo da tabela e hoje é nono colocado com 41 pontos, credenciando-se à briga pelo G-6. “Ah, isso é genético! Se o pai é vencedor, é claro que o filho também vai ser”, destacou, sob um ar de muitas energias positivas.

Para o ídolo do Glorioso, Jair Ventura tem méritos de sobra pelo atual momento da equipe. “Ele está sendo vencedor graças à sua própria capacidade. Ele estudou, se preparou e se formou para isso. Ele está há sete anos no Botafogo e passou por uma série de treinadores que lhe deram estabilidade e conhecimento”, sublinhou.

Jairzinho comparou a mudança no comando técnico do Botafogo à alteração do mesmo setor na Seleção. “A mudança do Ricardo (Gomes) para o Jair (Ventura) é a mesma coisa da mudança do Dunga para o Tite. O Botafogo, com Jair, é um time compacto, pegador e muito ofensivo, da mesma forma que vem sendo a Seleção com o Tite”, analisou.

Por fim, o ícone do futebol brasileiro lembrou que o Alvinegro vem dando mais atenção à base neste momento de grave crise financeira e garantiu que essa filosofia será benéfica para o clube. “Precisou ter essa crise para (o Botafogo) poder olhar para a base e ali encontrar a resposta. Sei que é por aí que funciona porque eu sou um exemplo. Eu saí do juvenil do Botafogo”, avisou. “Jair conhece as categorias de base do Botafogo e todos que estão procurando um lugar ao sol. Isso é muito bom para ele e vai ser muito bom para todos”, pontuou.