Neymar x Messi: quem leva vantagem no confronto direto pelas seleções?

Craques do Barcelona já estiveram em campo como adversários em quatro oportunidades, três delas pelas seleções nacionais; relembre

Neymar x Messi: quem leva vantagem no confronto direto pelas seleções?
(Foto: Reprodução)

Parceiros no Barcelona desde 2013, Neymar Junior e Lionel Messi formaram grande parceria no ataque catalão. Com o acréscimo de Luis Suárez, foram campeões de Champions League e do Mundial de Clubes com a camisa do Barça. O brasileiro e o argentino são peças essenciais, duas letras do trio MSN e dois candidatos a melhor do mundo na presente temporada. Porém, quando se trata deste Brasil x Argentina, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para Copa do Mundo, Neymar e Messi estarão de lados opostos. Jogos com os dois como adversários ocorreram quatro vezes. Vamos relembrar cada um dos encontros.

Entre as seleções de Brasil e Argentina, Neymar e Messi se enfrentaram três vezes, todas em caráter amistoso. Eles disputaram três grandes competições recentemente pelas esquadras, mas não houve confronto entre Brasil e Argentina na Copa do Mundo 2014 e nem nas duas últimas edições da Copa América.

Argentina 1-0 Brasil

Encontro no amistoso de 2010 (Foto: Reprodução)

17 de novembro de 2010, em Doha, no Qatar. A seleção havia perdido a Copa do Mundo de 2010 na fase de quartas de final, em derrota para Holanda e Dunga deixou de ser o técnico. Mano Menezes assumiu e tinha um grande compromisso antes do fim do ano. Ronaldinho Gaúcho, ausente da convocação da Copa, tentava cavar novamente seu nome e espaço no selecionado canarinho. Neymar, também de fora do torneio mundial, dava passos importantes para tornar-se anos depois um titular incontestável, um dos melhores jogadores do mundo e candidato a quebrar recordes em números de gol pela seleção.

Do outro lado, Lionel Messi vinha destruindo números como atacante do Barcelona. O clube espanhol era o atual campeão da Champions League e do mundo, e Messi era o atual número 1 por premiação da Fifa. O jogo caminhava para um empate por 0 a 0, mas Lionel aproveitou roubada de bola na meia cancha, avançou e concluiu em chute seco, no canto, para decretar a vitória: 1 a 0 aos argentinos no amistoso.

Brasil: Victor, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos; Lucas, Ramires (Jucilei) e Elias; Robinho, Neymar (André) e Ronaldinho Gaúcho (Douglas). Técnico Mano Menezes.
Argentina: Romero, Zanetti, Burdisso, Pareja e Heinze; Banega, Mascherano e Pastore (D´Alessandro); Dí Maria, Messi e Higuaín (Lavezzi). Técnico Sérgio Batista.

Argentina 4-3 Brasil

Amistoso de 2012 (Getty Images)

9 de junho de 2012, nos Estados Unidos. Vale lembrar que, antes desse confronto entre Brasil e Argentina, os dois craques disputaram a final do Mundial de Clubes 2011. No Japão, o Barcelona foi imparável e passou por cima do Santos por 4 a 0. Lionel Messi havia feito o primeiro e o quarto gols, enquanto Neymar, em atuação apagada do Santos, nada conseguiu fazer para evitar o passeio em favor dos catalães. O Barça foi superior do início ao fim e sagrou-se campeão.

Em novo encontro, no amistoso em solo estadunidense, a partida foi movimentada, excelente aos olhos e cheia de alternativas: em campo e no placar. Foi de Neymar a assistência para Rômulo, ex-Vasco da Gama, fazer 1 a 0. Não tardou para aparecer a estrela do argentino nascido em Rosario. Lionel Messi igualou e virou para os argentinos, em dois gols, aproveitando ações ofensivas em velocidade, como ele gosta.

O time do técnico Mano Menezes voltou à frente em gols de Oscar, em jogada que passa por Neymar, e Hulk, aproveitando escanteio de Neymar e falha do goleiro Romero. Mas Fede Fernández anotou o terceiro gol argentino e Messi anotou seu terceiro no jogo, um hat-trick para colocar a Argentina com 4 a 3 no placar final. Marcelo e Lavezzi se desentenderam e foram expulsos nos acréscimos. Esta era a terceira vitória de Messi sobre Neymar, a segunda de La Pulga com a camisa da Argentina.

Argentina: Romero, Zabaleta, Federico Fernández, Garay e Clemente Rodríguez (Campagnaro); Sosa (Guiñazú), Mascherano e Gago; Di María (Agüero), Messi e Higuaín (Lavezzi). Técnico: Alejandro Sabella.

Brasil: Rafael Cabral, Rafael (Danilo), Bruno Uvini, Juan e Marcelo; Sandro, Rômulo (Casemiro) e Oscar (Giuliano); Hulk, Neymar e Leandro Damião (Alexandre Pato). Técnico: Mano Menezes.

Brasil 2-0 Argentina

A vitória brasileira veio na China, em 10 de outubro de 2014. Amistoso do superclássico que não teve brilho de Neymar, mas Messi dessa vez ficou marcado pelo erro. Desperdiçou pênalti, em grande defesa do goleiro botafoguense Jefferson. O titular da noite acertou o canto e espalmou a penalidade máxima cobrada pelo argentino.

Os gols brasileiros na ocasião foram marcados pelo ex-atleticano Diego Tardelli. Dessa forma, no duelo particular dos que atraem mais holofotes, Neymar descontou a vantagem de Messi para 2 a 1 nos confrontos diretos pelas suas respectivas seleções.

Brasil: Jefferson, Danilo, Miranda, David Luiz (Gil) e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias, Oscar e Willian; Neymar (Robinho) e Diego Tardelli (Kaká)

Argentina: Romero, Zabaleta, Demichelis, Federico Fernández e Rojo; Mascherano, Pereyra (Pérez), Lamela (Pastore) e Di María; Messi e Agüero (Higuaín).

O confronto no Mineirão é bastante especial. Como podem observar, será o primeiro entre Neymar e Messi como adversários e válido por alguma competição, as Eliminatórias Sul-Americanas para Copa do Mundo da Rússia 2018. Além disso, é a primeira vez dentro de um dos países do superclássico. As outras ocasiões foram em Qatar, Estados Unidos e China. Já estava na hora de um duelo em terra da América do Sul. Com o Brasil de Tite mais encaixado, líder do circuito eliminatório e um Argentina querendo se recompor por vaga à Copa, quem leva a melhor dessa vez?