Recordar é viver: Messi perde pênalti, Tardelli brilha e Brasil vence Superclássico das Américas

O Brasil derrotou a Argentina por 2 a 0, com dois gols do atacante Diego Tardelli, do Atlético-MG

Recordar é viver: Messi perde pênalti, Tardelli brilha e Brasil vence Superclássico das Américas
Brasil
2 0
Argentina
Brasil: Jefferson; Danilo, Miranda, David Luiz (Gil) e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias e Oscar; Willian, Diego Tardelli (Kaká) e Neymar (Robinho). Técnico: Dunga
Argentina: Romero; Zabaleta, Fernández, Demichelis e Rojo; Pereyra (Pérez), Mascherano, Lamela (Pastore) e Dí Maria; Messi e Aguero (Híguain). Técnico: Tata Martino
Placar: 1-0, min. 29, Diego Tardelli e 2-0, min. 63, Diego Tardelli.
ÁRBITRO: Fan Qi (China). Assistentes: Huo Weiming e Um Yuxin (ambos da China)
INCIDENCIAS: Estádio: Nacional de Pequim (Ninho do Pássaro), em Pequim (China). Superclássico das Américas 2014.

Um das taças mais importantes em disputa no continente sul-americano é o Superclássico das Américas, antes conhecido como Copa Roca. Na última vez em que brasileiros e argentinos entraram em campo para decidir o torneio, em 2014, o Brasil venceu a Argentina por 2 a 0 e conquistou o título pela 11ª primeira vez.

Diferentemente do que costumava a acontecer, com dois jogos, um em cada país, a sede da disputa foi à cidade de Pequim, capital da China. A edição de 2014 comemorava o centenário da primeira disputa da Copa Roca entre brasileiros e argentinos. 

O torneio começou a ser disputado em 1914, sendo levado adiante em várias edições até 1976. Depois disso, o tradicional embate ficou guardado na gaveta da Confederação Sul-Americana de Futebol por 35 anos, voltando a entrar no calendário futebolístico em 2011. Até então, Brasil e Argentina havia entrado em campo 14 vezes para decidir quem seria o campeão.

Diego Tardelli marca dois e Brasil vence Argentina

Com direito a Messi e Neymar em campo, Brasil e Argentina entraram dispostos a faturar o título do Superclássico da Américas. Os brasileiros estavam engasgados com o fracasso na Copa do Mundo, bem como o Hermanos, que não faturavam o torneio desde 1940. Em 1971, os dois selecionados dividiram o título da competição.

Quem começou melhor na partida foi à Argentina, que se aproveitou da pouca empolgação dos brasileiros e saiu para o ataque. Os Hermanos abusaram do direito de perder gols, principalmente, com o centroavante Kun Agüero. Além do grande número de oportunidades, os argentinos chegaram a ter 63% de posse de bola.

Foto: Reuters

O Brasil só saiu para o jogo após os 20 minutos, e a superioridade verde e amarela teve efeito. No cruzamento de Oscar, a zaga argentina falhou e a bola sobrou para Diego Tardelli, na época, jogador do Atlético-MG, completar para as redes. Ainda no primeiro tempo, outro destaque da partida foi o goleiro Jefferson, do Botafogo. O goleiro defendeu a penalidade máxima cobrada por Messi. O pênalti foi sofrido pelo meio-campista Di Maria e marcado erroneamente pelo árbitro Fan Qi, da China.

Na etapa final, o Brasil iniciou melhor e procurou o atacar a defesa argentina. Os Hermanos ficaram presos na defesa e assistiu os brasileiros criarem boas oportunidades. Tanta pressão verde e amarela resultou em gol aos 18 minutos. No cruzamento na grande área, David Luiz desviou e a bola ficou a serviço de Diego Tardelli, que anotou seu segundo gol. 

Após o gol brasileiro, a Argentina saiu desordenada para o ataque, mas errava nos passes e nas finalizações. Os brasileiros esperavam o contra-ataque e só não ampliaram o marcador porque não capricharam na pontaria.