Tite demonstra alívio por vaga na Copa do Mundo: "Agradeçam por estarmos classificados"

Treinador ainda destacou a força do grupo da Seleção Brasileira e descartou surpresas em convocação de novos goleiros para o Mundial

Tite demonstra alívio por vaga na Copa do Mundo: "Agradeçam por estarmos classificados"
Ao lado de assessor da CBF, Tite pontuou consistência de peças da Seleção (Foto: Marcello Neves/VAVEL Brasil)

Invicto com a Seleção Brasileira em jogos oficiais, o técnico Tite terá mais uma oportunidade de manter a boa fase com a Canarinho nesta terça (10). Pela última rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, o Brasil vai receber o Chile, às 20h30, no Allianz Parque, e o comandante gaúcho revelou estar aliviado com a vaga já garantida.

"O futebol talvez seja o único esporte onde você tenha superioridade e não vença o jogo. Agradeçam por estarmos classificados, porque imagina o quanto as outras seleções devem não estar dormindo. Isso mexe com o país. Nós agradecemos aos torcedores, fazemos pedido ao torcedor. Sei que o torcedor é mais apaixonado pelo clube, mas é mais exigente com a Seleção, que tem que cativá-lo para vir. O clube é mais incondicional", observou.

Questionado se convocará para a Copa do Mundo algum goleiro ainda não foi chamado por ele, Tite foi enfático. Segundo o treinador, a meta da Canarinho não deve ter grandes surpresas até o torneio mundial do ano que vem. O treinador ainda citou sua lateral esquerda.

"Não, já mexi no goleiro e não posso mexer demais. Se você mezer demais, você perde a organização e a preparação para o Mundial. A característica do Marcelo é diferente do Filipe Luís, que é diferente do Alex Sandro. Eu tomo cuidado com isso, porque ao invés de proporcionar oportunidades eu perco o senso de equipe", disse.

Com a Seleção Brasileira, Tite já disputou 13 partidas, sendo 11 pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 (nove vitórias e dois empates) e dois amistosos (Argentina e Austrália). O treinador da Seleção, no comando desde setembro do ano passado, ainda não perdeu em jogos oficiais com a equipe.

Em um contexto mais amplo, Tite foi indagado sobre já ter pensado em melhorar o futebol brasileiro. À frente da seleção nacional, o treinador afirmou que seria visionário demais se tivesse tal meta. Segundo o comandante da Canarinho, é um caminho longo.

"Pensar, eu pensei.  Mas é utopia. Nós temos que crescer como técnico, como dirigentes, como tudo. Temos que ter continuidade, não pensar em seis meses. A gente tem cobiça, mas ainda é prematuro", opinou.

Marquinhos titular e capitão

Na partida contra o Chile, Tite já terá uma mudança em relação ao time que começou diante da Bolívia na última quinta (5). O zagueiro Marquinhos assumirá o lugar de Thiago Silva, que lesionou a coxa direita contra os bolivianos e é baixa para esta terça. Além de titular, Marquinhos carregará a faixa de capitão da Canarinho, o que, segundo Tite, não faz dele o atleta com maiores cargas de responsabilidade na partida. O gaúcho ainda enalteceu o quão compenetrado é o defensor.

"Cada atleta tem uma virtude que deva respeitar suas características próprias, e com o Marquinhos é o nível de sua concentração nos trabalhos. Ele foi campeão da Libertadores com a camisa número 10, para quem não sabe. Ele tem um nível de concentração muito alto. Jogo grande, jogo pequeno, muito público, pouco público, ele se mantém concentrado. É para colocar a responsabilidade em todos que têm a braçadeira. Se der errado, a culpa não é só do capitão", afirmou o treinador da Seleção.

Com o grupo em mãos, Tite analisou algumas de suas peças, destacando o valor de cada uma delas no 'quebra-cabeça' da Seleção. Isso, de acordo com o gaúcho, tira o 'peso' da braçadeira de capitão, em um contexto onde todos os atletas precisam dividir as tarefas e as incumbências das partidas.

"Marquinhos é liderança comportamental e de concentração. Casemiro é capacidade de competir em altíssimo nível e leal. Marcelo é qualidade técnica. Miranda é nível de concentração e autocompetitivo, mais sério; com ele não tem sorriso. Renato Augusto é capacidade de entender o jogo na sua dimensão, assim como Daniel Alves. Thiago, essa percepção sobra", comentou.

"Paulinho é mágico. Neymar é diferente, é mágico. Mas sabendo dessa relação de todos eles, se o conjunto não estiver harmonioso, não dá certo. Não é só o Neymar decidir, outros têm que decidir também. Esse é o intuito, porque eu já vi. Quando o jogo está ruim, colocam a culpa no capitão", completou.

Seleção Brasileira