Tite vê superioridade da Seleção Brasileira mesmo após empate com Inglaterra

Apesar de placar zerado em amistoso, treinador demonstrou satisfação com desempenho da Canarinho e reforçou superioridade brasileira em campo

Tite vê superioridade da Seleção Brasileira mesmo após empate com Inglaterra
(Foto: Pedro Martins/MoWa Press)

No último jogo da Seleção em 2017 e o primeiro contra um rival europeu desde que Tite assumiu o comando, Brasil e Inglaterra não saíram do 0 a 0 em Wembley. Mesmo com o placar zerado, o comandante da Canarinho mostrou-se satisfeito; em sua opinião, a equipe brasileira foi superior à inglesa dentro das quatro linhas.

"A respeito do jogo, duas escolas e propostas diferentes. Uma de pressão alta, tentando buscar o jogo articulado, e outra da compactação e bola de velocidade. Vem e me ataca, e vou fazer o contra (ataque). Se você errar, vou fazer o gol. Foi o desenho do jogo nessas compactações. Nisso e nessas características, as oportunidades são diminuídas. E as grandes (oportunidades), mesmo em situação menor, foram nossas. Não me lembro, foram muito poucas oportunidades de perigo da Inglaterra", afirmou Tite.

O treinador ainda fez uma breve comparação entre o amistoso desta terça (14) e o da última sexta (10), contra o Japão. Para Tite, os panoramas dos dois confrontos em nada se assemelham - muito pelas diferenças entre as duas escolas futebolísticas adversárias.

(Foto: Pedro Martin/MoWa Press)
Brasil e Inglaterra não saíram do 0 a 0 em Wembley (Foto: Pedro Martin/MoWa Press)

"Se você vir as características dos dois jogos, são duas escolas diferentes. Inglaterra é equipe de presença física. O Japão é mais móvel, mais rápido. A Inglaterra trouxe uma marcação de pressão média e baixa, apostando no nosso erro. Mentalmente é muito forte, tem a capacidade de marcar e tirar os espaços dos adversários. O latino é um pouco inquieto, quer fazer as coisas logo. Mas é trabalhar a bola pelo lado, esperar o espaço. Duas escolas diferentes, duas situações diferentes", completou.

E como anda a lista de jogadores para a Copa do Mundo? Perguntado sobre o possível elenco para 2018, o técnico da Seleção Brasileira revelou que o estudo por trás dos convocados é extremamente minucioso. Em entrevista coletiva pós-jogo, Tite ainda falou rapidamente sobre a atuação de Paulinho no confronto contra os ingleses.

"A lista, digamos assim nestas anotações, vai agregando tudo o que aconteceu. Nos treinamentos, no dia a dia e nos clubes. A percepção esteve muito mais ligada com a solidez da defesa da Inglaterra. Em relação ao Paulinho, ele não é surpresa, é rotina (aparecer no ataque). Ele entra em todas, essa é sua função na Seleção. Se quiser um jogador para ficar atrás da linha da bola, não é o Paulinho. Vai tirar sua principal característica", disse o treinador.

Confira outros trechos da coletiva de Tite:

Lições contra Inglaterra:"Primeiro um aprendizado tático, como montar (a Seleção) contra uma linha de cinco atrás. Para que os espaços de infiltração aconteçam. Vamos encontrar situações importantes dentro da própria equipe. Se eu tivesse Coutinho em situação normal técnica e física, poderia ter colocado ele por dentro. E com isso acaba criando situações importantes. Quem vê um 5-3-2 como fez a Inglaterra, a equipe tem que finalizar mais de média distância. Porque na linha de cinco um tem que sair para pressionar. E quando ele sair, vai te dar espaço."

Atuação brasileira em Wembley"Uma equipe com solidez, criatividade e efetividade. Exceção hoje, porque em termos ofensivos não criamos muito. Aí é mérito para a Inglaterra, que conseguiu em termos defensivos segurar. Se eles dificultam para produzirmos, também sofrem para conseguir oportunidades."

Obstáculos em amistosos"Grau de dificuldade alto, escolas diferentes, propostas diferentes. Temos que trabalhar em cima dessas circunstâncias. Não acredito que no Mundial a Inglaterra vai jogar assim, (hoje) uma equipe procurando agredir, a outra querendo aproveitar o contra-ataque. Por isso que falei, menos oportunidades e mais efetividade. Tem que ser mais contundente."

Melhor em campo"Se uma equipe que tivesse que vencer o jogo seria o Brasil, porque tivemos melhores oportunidades. O número de oportunidades foi pequeno, mas foi a característica do jogo. Precisamos de concentração, quando você começa a se expor acaba dando oportunidade para tudo o que a Inglaterra quer no contra-ataque. Tem esse aspecto mental. Eu crio, mas o adversário terá de sofre muito para criar. No movimento tático jogamos contra uma linha de cinco, mas no segundo tempo de correção nossos espaços de infiltração foram maiores. Exemplo, a bola do Paulinho que o Hart fez a defesa. Esse jogo também nos mostrou aspectos importantes de aprendizado."