Copinha VAVEL: as grandes revelações do Sport na história da Copa SP

Nomes como do já falecido Cléber Santana e do promissor Joelinton preenchem curta lista rubro-negra

Copinha VAVEL: as grandes revelações do Sport na história da Copa SP
Atacante Joelinton foi a última grande joia do Leão na Copa São Paulo de Futebol Júnior (Foto: Divulgação/Sport)

Formar jovens valores. Esse é o principal propósito da Copa São Paulo de Futebol Júnior, desde 1969 - quando começou a ser disputada - até as edições atuais. O Sport, conhecido por revelar atletas famosos pelo mundo afora como Ademir Menezes, Juninho Pernambucano e Vavá, é um dos que tenta manter a escrita em 2018.

Para refrescar a memória do torcedor rubro-negro, a VAVEL Brasil faz esse especial lembrando alguns nomes que brilharam na Copinha com a camisa leonina. Três jogadores tiveram participações bem marcantes e puderam ficar reconhecidos pela torcida também ao subir ao elenco profissional.

Irani: goleador leonino na melhor campanha

O ano era 1997 e o Leão já tinha como aposta a força da base entre os profissionais, fazendo campanha positiva no Campeonato Brasileiro de 1994 e vindo em ascensão, repetindo bons números em 2000. Naquela edição da Copa SP, os pernambucanos fecharam a primeira fase com a vice-liderança, atrás apenas do Internacional pelo saldo de gols, sendo o de melhor desempenho entre os segundo colocados.

Nas oitavas de final, não tomou conhecimento do Vasco e goleou por 4 a 1, tendo pela frente o Santos nas quartas. Contra o Peixe, contudo, a atuação não foi positiva e terminou eliminado ao perder por 5 a 2, com o atacante Irani finalizando como artilheiro ao marcar por sete dos 12 tentos, ainda que não tenha vingado no time profissional por inúmeras lesões no joelho.

Cléber Santana: eterno no coração do Leão

Falecido em 2016 na fatalidade que envolveu o voo da Chapecoense, o meia Cléber Santana é formado nas categorias de base do Leão e até hoje tem o nome marcado no clube. Em 2001, antes de integrar o time profissional, disputou a Copa São Paulo com a camisa leonina, porém o clube não avançou da fase inicial por causa de um gol.

Após carregar a equipe na competição de base, o meio-campista subiu ao principal e voltou a brilhar, fazendo a estreia no dia 21 de março de 2001 diante do Náutico. Ainda naquele ano, ele marcou o primeiro gol - de 25 no total - contra o Paraná, garantindo a vitória rubro-negra por 1 a 0 na Série A, em 27 de novembro. Em 2003, teve o melhor ano com a camisa do Sport, estourando para o mundo da bola.

Joelinton: maior venda da história

Após 13 anos de Cléber, o Leão enfim voltou a ter um bom nome para brilhar na maior competição das categorias de base do Brasil. Atacante Joelinton, nascido no interior de Pernambuco, mostrou eficiência com gol em todos os jogos da primeira fase no certame, subindo à equipe e sendo vendido na temporada seguinte ao Hoffenheim.

Negociado com o Hoffenheim, Joelinton foi a maior venda da história do Sport (Foto: Carlos Ezequiel Vannoni/Sport)
Vendido ao Hoffenheim, Joelinton foi a maior venda da história do Leão (Foto: Carlos Ezequiel Vannoni/Sport)

No profissional, foi bancado como titular por Eduardo Baptista, sendo um dos principais jogadores em 2015, a melhor campanha da história do clube. Marcando gols importantes e sendo fundamental dentro das quatro linhas, o centroavante apresentou evolução desde que surgiu e rendeu R$ 7,79 milhões aos cofres.