Análise: em jogo de R$ 1 milhão, Sport garante vaga sem empolgar torcedores

Time comandado por Nelsinho Baptista segue acumulando atuações abaixo do esperado, mas avança na Copa do Brasil

Análise: em jogo de R$ 1 milhão, Sport garante vaga sem empolgar torcedores
Mudança de comportamento tático de primeiro para segundo tempo foi fundamental ao Leão (Foto: Williams Aguiar/Sport)

Assim como durante todos os sete duelos realizados em 2018, o Sport ainda não conseguiu empolgar. Diante do Santos-AP, em vitória por 2 a 1 pela primeira fase da Copa do Brasil, até garantiu classificação, no entanto segue sem motivar seus torcedores. A defesa, novamente, não mostrou solidez, enquanto que o ataque pouco foi criativo, ficando em dependência do centroavante.

Ainda sem conseguir convencer na temporada, Nelsinho Baptista deu um novo panorama ao Sport, promovendo o melhor esquema possível para o confronto. Mesmo com a ausência de André, principal nome da equipe, o comandante rubro-negro manteve a estrutura, buscando dar sequência a quem vinha jogando.

Em campo, no entanto, sentiu muito o gramado pesado e não teve um bom futebol. Apostando na troca de passes, para evitar a adversidade, o Leão até conseguiu apresentar bons momentos, mas sem dar sustos à meta adversária. A primeira chance clara, inclusive, veio por meio de um chute de longe, evidenciando a falta de criatividade, enquanto que a melhor jogada foi em um pênalti, desperdiçado por Marlone. O erro, porém, não abateu os leoninos, que seguiram bem postados na defesa e pouco sofreram.

Gols marcados apenas no segundo tempo assegura classificação ao Leão (Foto: Williams Aguiar/Sport)
Gols marcados apenas durante o segundo tempo assegura classificação ao Leão (Foto: Williams Aguiar/Sport)

Para a etapa final, contudo, Nelsinho não precisou promover nenhuma modificação no time em campo. A única mudança foi na tática, que fez os leoninos se soltarem mais no setor ofensivo. Do 4-3-3, que alterava ao 4-4-2 por vezes durante o primeiro tempo, o comandante deixou de vez no 4-1-4-1. Com Anselmo fixo na cabeça de área, sendo protegido por Rithely e Thallyson, Gabriel e Marlone ficaram mais à vontade, com Leandro Pereira fixo.

Com velocidade no meio-campo, que precisou ainda da mobilidade de suas peças, os pernambucanos ficaram mais dispostos e foram atacar. Mais criativos, por tabela, aproveitaram bem o cansaço da marcação e furaram o bloqueio, apesar de alguns descuidos, avançando à segunda fase da competição nacional. Vencendo, mas não convencendo.