Vasco bate Bahia em São Januário e segue invicto na temporada

Com sete gols, chances desperdiçadas e pênalti perdido por Nenê, Vasco consegue vitória apertada por 4 a 3

Vasco bate Bahia em São Januário e segue invicto na temporada
Foto: Paulo Fernandes/CR Vasco
Vasco da Gama
4 3
Bahia
Vasco da Gama: Jordi; Yago Pikachu, Rodrigo, Luan, Julio Cesar; Marcelo Mattos, Julio dos Santos (Bruno Gallo), Nenê; Jorge Henrique, Eder Luis (William), Thalles (Caio Monteiro); TEC: Jorginho.
Bahia: Marcelo Lomba; Tinga, Jackson, Lucas Fonseca, João Paulo; Feijão, Danilo Pires, Paulo Roberto (Luisinho), Renato Cajá (Gustavo Blanco); Hernane, Thiago Ribeiro (Edgar Junio); TEC: Doriva.
Placar: 1-0, Thalles, 17min. 1T; 2-0, Luan, 39min. 1T; 2-1, Luisinho, 4min. 2T, 2-2, Danilo Pires, 18min. 2T; 3-2, Nenê, 20min. 2T; 4-2, Nenê, 33min. 2T; 4-3, Bruno Gallo (contra), 44min. 2T.
ÁRBITRO: Emerson de Almeida Ferreira - MG; Cartões Amarelos: Thalles, J Henrique (VAS); Hernane, Luisinho (BAH).
INCIDENCIAS: Partida válida pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro Série B, realizada neste sábado (28), no Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro.

O Vasco teve uma prova legítima de fogo na tarde deste sábado (28) em São Januário. Muito organizado e com ímpeto, o Bahia foi valente e vendeu caro a vitória. O resultado de 4 a 3 resume exatamente o que foi a partida. Um equilíbrio de ações ofensivas, mas com uma pitada a mais de capricho por parte dos donos da casa. Agora, com 31 jogos de invencibilidade, o Vasco igualou a marca da equipe de 1977, e vai agora em busca do recorde do Expresso da Vitória, que somou 35 partidas sem perder.

Com a vitória, o Vasco retomou a liderança da competição nacional. Empatado com o Atlético-GO com 12 pontos, a equipe carioca leva vantagem no saldo de gols, segundo critério de desempate, atrás das vitórias. O Bahia que estava invicto, caiu de quarto para sexto na classificação, com 7 pontos ganhos, os mesmos que Avaí, Brasil de Pelotas, Criciúma e Paraná, 3º, 4º, 5º e 7º respectivamente.

Na próxima semana, o Vasco visita a equipe do Oeste de Itápolis. A partida está marcada para as 21h30 da próxima terça-feira (31), na Arena Barueri, em São Paulo. No mesmo dia, mas às 19h15, o Bahia recebe o Náutico, na Fonte Nova, em Salvador.

Vasco joga melhor na primeira etapa, mas Bahia assusta

Jogando em seus domínios, o Vasco fez questão de ir para cima já nos primeiros minutos. Com jogadas, na maioria das vezes, pelas laterais, o Gigante começava a levar perigo antes mesmo dos 5 minutos de jogo. O Bahia, que vinha com uma proposta de reação, visando esperar a chegada da equipe carioca, para puxar os contra-ataques rápidos, até conseguia chegar, mas sem o mesmo perigo.

Porém, a primeira chance clara de gol foi do Bahia. Aos 16 minutos, com a jogada de contragolpe desenhada, Danilo Pires trocou passes com Hernane no comando ofensivo, e o Brocador, com certa liberdade, chutou, mas a bola desviou na defesa, indo para escanteio.

Ironicamente, enquanto o Bahia viva seu melhor momento na partida, o Vasco abriu o placar com Thalles. Julio dos Santos achou Pikachu pela direita, o lateral cabeceou encobrindo o goleiro Marcelo Lomba, e em sequência o contestado Thalles so teve o trabalho de empurrar para as redes.

Após abrir o placar, o Vasco diminuiu o ritmo, dando espaços e chamando o Bahia para o jogo. O tricolor de aço começou a gostar da partida, entretanto, era o Vasco que tinha as melhores oportunidades de gol, como aos 30’, após ótimo passe por elevação de Nenê para Eder, que esperou o quicar da bola para encher o pé, e para a infelicidade do jogador, mandar a bola direto para fora.

O segundo gol da partida saiu aos 39 minutos de jogo. Após escanteio cobrado com perfeição por Nenê, na cabeça de Thalles, o atacante foi vencido pelo arqueiro tricolor, que efetuou bela defesa, mas no rebote, Luan tratou de guardar e aumentou a vantagem vascaína.

Aos 43’, o último lance de perigo da partida sairia dos pés de Renato Cajá, que após cochilo da defesa, ficou frente a frente com Jordi, mas ao tentar tirar do goleiro, o “camisa 10” acertou a trave, desperdiçando uma ótima oportunidade para o Bahia.

Segunda etapa ganha em emoção, Nenê chama a responsabilidade e garante a vitória vascaína

Na segunda etapa, parecia que o Vasco voltaria mais ligado no jogo, já que nos primeiros minutos, só os mandantes atacaram, mas assim como no lance que originou o primeiro gol vascaíno, o melhor momento de uma equipe pode ser revertido no gol adversário. E logo aos 4’ da segunda etapa, Luisinho, que havia acabado de entrar, desconta para o Bahia em saída bisonha de Jordi.

O Vasco se mostra desnorteado com o gol do Tricolor de Aço. Nomes como Marcelo Mattos, Luan, e até mesmo Nenê, que costumam ter bom aproveitamento em passes de média e longa distância, começam a errar, e com isso, chamam o Bahia para o ataque. Aos 14’, o primeiro susto vem dos pés de Hernane, mas Jordi se redime da falha no primeiro gol e salva a equipe, porém, quatro minutos depois, Danilo Pires cabeceia com liberdade na pequena área, empatando o jogo.

A reação do Bahia foi interrompida dois minutos depois do empate, após bela jogada individual de Pikachu, o lateral rolou para Nenê, que com um drible de corpo, tirou dois zagueiros da jogada, batendo colocado no canto, para marcar o terceiro do Vasco, e seu primeiro na partida. O segundo gol do novo ídolo vascaíno veio aos 33’, em uma cobrança de falta espetacular, na qual Lomba apenas pôde olhar a bola entrar no ângulo esquerdo.

As emoções não acabaram por aí, já que o Bahia se negava a desistir do empate, mesmo já perdendo novamente por dois gols de diferença. E o sonho do empate se tornou mais plausível aos 44 minutos, quando Bruno Gallo marcou gol contra, após se atrapalhar com o goleiro Jordi. O terceiro gol baiano fez a equipe de Doriva acreditar novamente no empate, só que agora, sem tempo para reação, não foi possível. Fim de jogo e nova vitória vascaína.