Em coletiva de última hora, Eurico Miranda faz críticas à imprensa e nega clima político

Presidente vascaíno comentou sobre os protestos em São Januário, também citou ídolos do clube e prometeu blindar o futebol

Em coletiva de última hora, Eurico Miranda faz críticas à imprensa e nega clima político
(Foto: Divulgação/Vasco da Gama)

No começo da tarde desta segunda-feira (19), Eurico Miranda, de forma surpresa, veio a público para comentar sobre os protestos contra a forma política da atual gestão que vem acontecendo sistematicamente em São Januário.

Durante a partida do último sábado (17), contra o Avaí, quando as luzes se apagaram e grande parte da torcida presente começou a ecoar gritos de "fora, Eurico", houve confusão nas arquibancadas com a PM. Sobre o ocorrido, o presidente vascaíno alegou que isso "algo dirigido", e aproveitou para negar que existir algum tipo de clima politico no clube, já que as eleições são em novembro. Também criticou a postura da imprensa e de ídolos do clube, como Juninho Pernambucano e Edmundo, e prometeu blindar o futebol.

"Há uma campanha no sentido de desestabilizar não a direção do Vasco, não a mim pessoalmente, porque eu tenho muita base para desestabilizar. Mas é para desestabilizar algo que é que a gente faz tudo para evitar que aconteça, que é desestabilizar o futebol. Com todas as dificuldades que nós encontramos, nós estamos desenvolvendo alguma coisa, e um trabalho que tem dado, até o momento, está dando os resultados que esperávamos. Agora, a gente vê claramente uma campanha de desestabilização, e onde essa campanha de desestabilização? Quero que alguém, em sã consciência, possa analisar e chegar, por exemplo, o que justifica você ter, ao início de uma partida de futebol, tinha 10 ou 15 minutos de jogo quando aconteceu o apagão, e vir aquela manifestação do “Fora, Eurico”. Qualquer pessoa em sã consciência olha para aquilo e vê que é uma coisa dirigida. É dirigida para atingir diretamente, o torcedor ali na massa é conduzido. Não tem nada a ver com ano eleitoral, tem uma coisa dirigida e clara. Está tendo por parte da mídia uma cobertura que é absurda. Qual é a vantagem que traz?", comentou.

Eurico falou por cerca de meia hora antes de abrir às perguntas. Durante o pronunciamento comentou que os grupos que protestaram seriam pagos pela oposição para irem as arquibancadas se manifestarem contra ele.

"Eu tenho feito tudo e vou continuar fazendo, para blindar o futebol. Para que eles possam trabalhar como devem trabalhar. Não dá para assistir passivamente isso e achar que isso é alguma coisa do período eleitoral. Que período eleitoral? Antes do jogo começar? Pagarem para virem grupos aqui nas arquibancadas e fazerem esse tipo de manifestação? Não tem nada de período eleitoral. Se quisessem fazer uma análise séria, é ver o que é feito aqui, o que está sendo feito. Tá bom criticar aqui ou acolá, mas misturar com negócio de período eleitoral… Que período eleitoral? Se julgam aí pretensos candidatos.. Nem foi aberto o processo eleitoral", disse Eurico.