Eurico Miranda fala sobre eleição e se defende: "Não participei de absolutamente nada"

Coletiva de imprensa teve como principal assunto a eleição do clube, que passa por processos na justiça. Eurico também comentou sobre reforços, acerto com fornecedora de material esportivo e planejamentos

Eurico Miranda fala sobre eleição e se defende: "Não participei de absolutamente nada"
Foto: Divulgação/Vasco da Gama

Dois candidatos, resultado da eleição na justiça e o futuro do time indefinido: assim começa o ano do Vasco da Gama. Eurico Miranda, atual presidente do clube, convocou uma coletiva para debater o tema, além de outros, com a imprensa, na tarde desta terça-feira (09), em São Januário.

Atualmente a decisão judicial anula os votos da urna 7, o que dá a vitória da eleição para a chapa de oposição "Sempre Vasco Livre", de Julio Brant. Eurico comentou sobre recorrer da decisão e pediu que isso seja apurado.

"Eu vou discutir a eleição até a última instância. Dizem que a eleição teve vício. Eu não participei de absolutamente nada. Não tenho nada a ver com isso. Se teve (vício), eu não tenho (participação). Sempre quis, desde o início, que tudo isso fosse devidamente apurado. Quero que se apurem as coisas como têm que ser apuradas", disse. 

Nos últimos dias o relator do mandado de segurança ajuizado pelo Eurico Miranda mudou, passando do desembargador Luiz Zveiter para o desembargador José Carlos Varanda dos Santos. Eurico questionou o tempo que o novo relator levou para dar uma decisão e pediu uma explicação.

"Você entrega um documento com 60 páginas, isso tem que ser examinado. O sujeito, em 10 minutos, dá uma decisão. Como que é isso? Se me explicarem... É sinal de que não se aprofundaram. Quero que as coisas sejam apuradas. Desde o início, quero que seja feita perícia. Tem 500 documentos, e em 10 minutos eu faço a perícia. Pelo amor de Deus. Perícia é feita com documentos comprobatórios do que está errado ou não", comentou. 

Ainda sobre o assunto, Eurico Miranda defendeu que seja feita uma eleição. "O estatuto é muito claro. Se teve vício em uma eleição, anule-se a eleição. Faça-se outra eleição. Poder ser anulada (a eleição), pode. Eu não peço nada. Isso é o jurídico que está fazendo. Tem uns pedidos alternativos, e um deles pode ser esse", completou, comentando sobre a suspeita de vícios no pleito de novembro do ano passado.

Confira outros trechos da entrevista coletiva:

Diadora:

Todas as empresas de material esportivo foram contatadas. Inclusive a que estava aqui, que era a Umbro. Todas. E a melhor proposta que tivemos foi a da Diadora. O Vasco ganha mais.

Riascos:

Pode ser, desde que a gente viabilize. Eu vou fazer as coisas como tenho de fazer. Eu tenho uma folha. Não vou acrescer nada na folha. Riascos parece que quer vir, aliás, pessoalmente, eu gosto dele. É tudo com pedido do treinador, o treinador pede. Fora isso, não tem. Muitos podem ser oferecidos... aqui, o Vasco tem um centro de inteligência, discute isso com o treinador. E o treinador coloca este ou aquele jogador.

Planejamento:

Não tem planejamento possível. Atrapalha em tudo. Como pode? Um cara chegar como esse que diz que quer ser presidente do Vasco e diz que sentou com o Eto’o em Paris para trazer o jogador. Isso só pode ser sacanagem. Por que o Eto’o sentou com o Deco? Porque o irmão dele (Julio Brant, candidato à presidência do Vasco) é sócio do Deco em empresa do jogador. Claro que não vai acontecer nunca. Isso não atrapalha? Claro que atrapalha. Esse Julio Brant... O irmão dele que é sócio do Deco. O irmão dele tem uma empresa de jogadores. Vocês sabem. Vocês são uns investigadores. Investiguem.

Atraso de salários:

Qualquer centavo que entrar aqui é para pagar salário. Não tenho como buscar recurso, porque todos os parceiros que tínhamos estão receosos com o quadro que se apresenta. Recurso, vamos buscar, mas o quadro está muito difícil.

A primeira partida oficial do Gigante da Colina será no dia 18, contra o Bangu, em São Januário, às 19h30, pelo Campeonato Carioca