Para Mancini, chuva foi determinante para derrota do Vitória

Apesar do equilíbrio, o técnico do rubro-negro baiano afirmou que a partida foi completamente modificada pela chuva que alterou drasticamente as condições do gramado

Para Mancini, chuva foi determinante para derrota do Vitória
Foto: Flickr/EC Vitória

Após uma derrota de virada que complica mais ainda o Vitória na sequência do campeonato para escapar do rebaixamento e garantiu ao time da Chapecoense a permanência na Série A, o técnico Vágner Mancini, que foi ovacionado pela torcida catarinense antes do início da partida, falou sobre a partida e o desempenho da equipe em campo. O treinador falou das condições do gramado, completamente castigado pela chuva e que, na sua visão, alterou o rumo da partida.

"A equipe saiu na frente, vinha fazendo bom jogo. O primeiro tempo foi equilibrado. O Vitória teve boas oportunidades, a Chape teve também, um bom domínio territorial, mas nenhuma das equipes chutando muito a gol. No intervalo, o Vitória voltou bem, por volta de 15 minutos dominando a partida, até que veio a chuva, e o jogo tomou outra proporção. Já não se rolava a bola do jeito que nós queríamos. O jogo passou a ser de bola esticada, copa aérea. Tentei mexer para que tivesse um peso maior, atletas maior, e a gente até que levava vantagem em alguns lances, até que o campo ficou impraticável."

Os últimos cinco gols sofridos pela equipe rubro-negra foram provenientes de lances de bola aérea, uma deficiência que foi mais uma vez escancarada na partida. O time só não levou o sexto gol porque a equipe catarinense teve um gol anulado, e o Mancini também falou sobre isso:

"Foi um lance que insistimos, porque eu sei que o Reinado bate muito forte, então é uma bola é muito perigosa. Nós reforçamos a marcação ali exatamente para isso, e de repente, no jogo, você acaba levando o gol. É claro que quando você erra, erram todos, mas o Vitória precisa parar de levar gol de bola parada. Não me lembro de cabeça, mas na sequência dos últimos jogos, temos falhado nisso. E esse é um detalhe forte do futebol, porque a bola parada acaba decidindo. Se nós virássemos o primeiro tempo ganhando e viesse a chuva, seria um outro jogo. É um detalhe que jogou contra, mas que a gente tinha insistindo para que p Vitória pare de tomar gol de bola parada."

Durante a partida o técnico fez mudanças na equipe e explicou a entrada de mais dois zagueiros(Alan Costa e Wallace) nas vagas de José Welison e Uillian Correia, quando o placar já estava em 2 a 1. "Os dois estavam amarelados, assim como Caíque, em um jogo de muita força física. Se tenho eles amarelados, tenho que me precaver. Fiz com que Renê e Ramon jogassem à frente da zaga. O Alan entrou junto com Wallace atrás, para, além de aumentar a estatura, a gente tivesse jogadores com capacidade de disputar as jogadas e, caso fizessem a falta não fossem expulsos."

Agora o Vitória volta o seu foco para a partida contra o Cruzeiro, no domingo às 17h00 (horário da Bahia), no Barradão. O Rubro-negro permanece com 39 pontos na 16ª colocação, mesma pontuação da Ponte Preta, Vágner Mancini não contará com Caique Sá, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.