Com virada heróica, Vitória vence e rebaixa Ponte Preta

Rubro-negro ganha fôlego na luta contra o rebaixamento após vencer confronto direto que decretou o descenso da Ponte

Com virada heróica, Vitória vence e rebaixa Ponte Preta
Foto: Fábio Leoni/PontePress
Ponte Preta
2 3
Vitória
Ponte Preta: Aranha; Nino Paraíba, Rodrigo, Luan Peres, Jeferson; Wendel (Renato Cajá), Elton, Léo Artur (Marllon), Danilo Barcellos; Lucca, Léo Gamalho (Felipe Saraiva).
Vitória: Fernando Miguel; Patric, Wallace, Kanu, Geferson; Ramon (Carlos Eduardo), Uillian Correia, Yago; David (André Lima), Neilton (Danilinho), Tréllez.
Placar: 1-0, Lucca. 2-0, Danilo Barcellos. 2-1, André Lima. 2-2, Tréllez. 2-3, Tréllez.
ÁRBITRO: Ricardo Marques Ribeiro (SP)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro 2017, disputada no Moisés Lucarelli, em Campinas

Uma partida eletrizante, uma verdadeira batalha em campo, a partida realizada na tarde deste Domingo (26) cumpriu até mais do que se esperava de uma verdadeira decisão. Com uma virada surpreendente, o Vitória derrotou a Ponte Preta por 3 a 2 no Moisés Lucarelli, em Campinas, sacramentando matematicamente o rebaixamento da equipe alvinegra. Lucca e Danilo Barcellos abriram o placar para a Ponte, André Lima e Tréllez (em duas oportunidades) marcaram para o rubro-negro. O jogo foi encerrado antes do cumprimento do tempo regulamentar, após muitos torcedores pontepretanos invadirem o gramado após o terceiro gol.

Com o resultado, o Vitória agora ocupa a 15ª colocação somando 43 pontos, à frente do Coritiba, e do Sport, primeira equipe da zona de rebaixamento, o rubro-negro enfrentará o Flamengo no Barradão na última rodada do campeonato.  Já a Ponte Preta, está na 19ª colocação, com 39 pontos somados, e se despedirá da elite do futebol nacional enfrentando o Vasco em São Januário.

Do começo fulminante, ao descontrole pela expulsão, Ponte Preta domina etapa inicial

Embalado pelos mais de 12 mil torcedores presentes no Moisés Lucarelli, a Ponte começou pressionando desde os primeiros instantes da partida, logo aos 6 minutos, após cruzamento da esquerda, o zagueiro Wallace desviou para a área e a bola sobrou para Lucca, que totalmente desmarcado, dominou e chutou forte para abrir o placar. Aproveitando o bom momento, a equipe continuou fazendo valer o seu mando de campo e pressionando o Vitória, aos 14 minutos, novamente Wallace falha, e puxa a camisa de Léo Artur dentro da pequena área, o juiz Ricardo Marques Ribeiro assinalou o pênalti. Na cobrança, o atacante Danilo Barcellos deslocou o goleiro Fernando Miguel, e ampliou o placar para a Ponte.

A partir daí, o jogo ficou nervoso, disputado entre muitas faltas e cartões. Mesmo com o placar momentaneamente favorável, o zagueiro Rodrigo foi expulso aos 19 minutos após agredir o atacante Santiago Tréllez, a informação foi passada pelo quarto árbitro da partida, o que revoltou o zagueiro. A partir daí, com um a menos, a Ponte passou a dar mais espaços, e o Vitória pôde se lançar mais ao campo de ataque, Mancini substituiu o volante Ramon pelo meio campo Carlos Eduardo, favorecendo o setor de criação da equipe rubro-negra, já Eduardo Baptista, teve que sacrificar Léo Arthur para repor a zaga e promoveu a entrada de Marllon.

O Vitória quase conseguiu descontar ainda na primeira etapa, após cruzamento de Carlos Eduardo, Tréllez finalizou de primeira, mas a bola só passou perto da meta do goleiro Aranha. No lance seguinte, foi a vez da Ponte arriscar o que também seria um golaço, o lateral Nino Paraíba, acertou um belo chute de trivela, mas o goleiro Fernando Miguel defendeu a bola. Mancini teve que mexer novamente no time, após David sair por lesão, e lançou André Lima como o seu substituto. Por conta da confusão, o primeiro tempo terminou aos 51 minutos.

Empate em um minuto, virada e invasão, desfechos da etapa final

O segundo tempo começou, e junto com ele veio uma reação histórica do Vitória. Se na etapa inicial, a blitz pontepretana deu certo, a segunda favoreceu o rubro-negro. Logo aos 11 minutos, Mancini realizou a sua última substituição, tirando Neílton e colocando o meia atacante Danilinho, aos 12 minutos, na sua primeira participação, desviou um escanteio dando uma assistência para André Lima diminuir o placar para o Leão. No minuto seguinte, aos 13, Tréllez recebeu passe e chutou, a bola desviou no zagueiro Luan Peres, que deslocou totalmente o goleiro Aranha. A partida caminhou com uma total domínio do rubro-negro, que continuava a pressionar o gol da Macaca.

Sem esboçar uma reação, a Ponte se defendia do jeito que dava, e parecia apenas aguardar o fim do jogo para tentar garantir ao menos um ponto. Mas em um contra-ataque já aos 36 minutos, Danilinho lançou Tréllez que recebeu livre na área e só finalizou para o gol vazio. A partir daí, iniciou-se a confusão generalizada por parte da torcida da Macaca que invadiu o gramado, os jogadores logo correram para os vestiários e a partida foi paralisada, o goleiro Aranha ainda chegou a ser cercado por alguns torcedores, mas não sofreu nenhuma agressão.

A tensão tomou conta do estádio, e a Polícia Militar interviu para tentar conter os torcedores com cassetetes, balas de borracha e bombas de efeito moral. Os torcedores aos poucos foram deixando o estádio, e após 50 minutos após a paralisação, e conversas com o capitão da Polícia, a arbitragem alegando falta de segurança encerrou a partida, decretando melancolicamente a queda da Macaca para a série B em 2018.