De virada, Brasil leva a melhor sobre Uruguai pelo Desafio Internacional de Futsal

Forçando jogadas especialmente pela direita, jogo coletivo brasileiro se destaca e resultado desfavorável é revertido no segundo tempo

De virada, Brasil leva a melhor sobre Uruguai pelo Desafio Internacional de Futsal
Foto: Edson Júnior/Vavel Brasil
Brasil
3 2
Uruguai
Brasil: Tiago, Deivid; Rodrigo, Nenê; Caio, Jackson, Falcão, Gadeia, Pixote, Leandro Lino, Marcel; Brbosinha, Douglas, Deives. Técnico: André Bié.
Uruguai: Laurino, Catardo, Fedele, Palleiro, Fernandez, Rafuls, Salguez, De Los Santos, Leizagoyen, Vera, Torres, Aldave, Tangari, Cosetti.
Placar: 0-1, 1T, min. 10, Xandy. 1-1, 2T, min. 19, Falcão. 2-1, min. 15, Leandro Lino. 3-1, min. 3, Marcel. 3-2, min. 00, Xandy.
INCIDENCIAS: Partida válida pelo Desafio Internacional de Futsal, realizado na Arena Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte/MG.

Em uma grande partida, realizada na Arena do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte/MG, o Brasil foi melhor e superou o Uruguai por 3 a 2, pelo Desafio Internacional de Futsal. Xandy, aos 10 minutos da primeira etapa, abriu o placar para os visitantes. No segundo tempo, Falcão, aos 19, Leandro Lino, aos 15 e Marcel, aos três minutos, deram a vitória para os comandados por André Bié. O Uruguai ainda diminuiu novamente com Xandy, no último minuto.

Pressão brasileira, mas gol uruguaio

Melhor tecnicamente, a Seleção Brasileira começou impondo seu jogo, rodando a bola e encurralando os uruguaios na defesa. Logo no minuto 19, após uma bela troca de passes com Leandro Lino, Marcelo finalizou por cima, arrancando o primeiro suspiro do torcedor brasileiro presente na Arena do Minas. Porém, os uruguaios não deixaram barato e, no minuto seguinte, Salguez tentou de cabeça. Sem perigo. Ver que dava para atacar entusiasmou a seleção do Uruguai, que teve mais uma boa chance, com Fedele mandando de longe. Deivid defendeu bem.

Vendo que precisava aprisionar ainda mais os visitantes na defesa, André Bié colocou o fixo Rodrigo, que era fixo apenas na escalação. Em seu primeiro chute, no minuto 15, bola por cima. Aos 14, Falcão entrou na partida e já foi logo dando show. Em um levantamento espetacular para Rodrigo, que emendou de primeira, ganhando escanteio. No minuto 10, Falcão, agora em jogada individual, apareceu cara a cara com o arqueiro uruguaio Fernández, que fechou o ângulo, impedindo o avanço.Parecia que o gol do Brasil era questão de tempo, mas quem marcou primeiro foi o Uruguai.

Avançando pelo meio, Laurino foi ganhando espaço e mandou no canto alto e Deivid não conseguiu pegar. 10 minutos, 1 a 0. O gol não abalou a seleção comandada por Bié e Jackson, chamado pela torcida de "Safadão" devido ao corte de cabelo, arriscou duas vezes. No minuto oito, mandou pela linha de fundo. No sétimo, Fernández catou. Aos cinco, a melhor chance brasileira. Cara a cara com o goleiro, Douglas chutou e, no rebote, Leandro Lino chegou com tudo, mas foi interceptado pela marcação, fechando o primeiro tempo com vitória dos visitantes.

Na base do toque de classe, virada brasileira

Nem mesmo o minuto 19 tinha acabado e o Brasil já empatou. Em arremate de Gadeia pelo meio, Falcão, de letra, marcou um golaço. Pressionando ainda mais, o Brasil criava chances e mais chances e demonstrava raça, como no passe que Falcão, deitado, deu para que um lance de ataque brasileiro seguisse. A virada no placar era questão de tempo e veio em mais um golaço. Leandro Lino passou pelo seu marcador, que ficou sem pai nem mãe, e mandou uma bomba no alto. 15 minutos, 2 a 1 Brasil.

Aos 13, grande jogada trabalhada, da esquerda para direita e Nenê chutou, ganhando escanteio. No rebote da defesa, Jackson arrancou o grito de "uh" do torcedor, mandando à direita. A pressão da seleção brasileira se mantinha e Jackson novamente, no minuto seguinte, mandou devagarzinho, no poste esquerdo da meta uruguaia. Especialmente pelo lado direito, o Brasil chegava bem e "Safadão" estava inspirado. Aos 10, de três dedos, a bola passou rente a trave.

Para reagir na partida, a seleção uruguaia usava do contra ataque. Salguez, arriscando de longe, após um escanteio aos oito minutos, levou susto. Os passes brasileiros, sempre precisos, deixavam os uruguaios atordoados, ainda que tentando alguma coisa no ataque. O terceiro gol não demorou a sair. No minuto três, Gadeia bateu cruzado e, de carrinho, Marcel completou para o fundo das redes. 3 a 1 Brasil. No desespero,  Uruguai usou do goleiro-linha e quase deu certo, não fosse a falta de pontaria.

Ao destrocar a alteração, quase o Uruguai levou o quarto. O goleiro Fernandez quase levou um golaço, por cobertura, tendo que desviar de cabeça. Já no modo kamikaze, os visitantes, novamente com o goleiro-linha, a todo momento passavam apuros e os chutes de longe se sucediam. Mesmo sendo suicida, o método deu resultado. Xande, do meio da quadra, marcou o segundo gol uruguaio, fechando o placar com vitória brasileira por 3 a 2.