Com raça e apoio da torcida, Brasil joga bem, vence Alemanha e respira no handebol masculino

Torcida transformou a Arena do Futuro num caldeirão e jogou junto com a seleção

Com raça e apoio da torcida, Brasil joga bem, vence Alemanha e respira no handebol masculino
Foto: Reuters
Brasil
33 30
Alemanha

Com muito apoio da torcida e jogando com muita raça, o Brasil se superou mais uma vez no handebol masculino e venceu a número 1 do ranking mundial, a Alemanha, na tarde desta quinta-feira (11), pelos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Mais uma vez a torcida brasileira transformou a Arena do Futuro, no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, num verdadeiro caldeirão. Se para o Brasil fez efeito positivo, os alemães sentiram a pressão e acabaram derrotados por 33 a 30.

A Alemanha liderou o placar até o fim do primeiro tempo, quando o Brasil - com grande apoio da torcida - conseguiu virar o placar. No segundo tempo, o rendimento da equipe cresceu e conseguiram abrir vantagem, o suficiente para garantir a segunda vitória nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

O Brasil volta as quadras no próximo sábado (13), às 16h40 (de Brasília), contra o Egito - atual campeão africano. A seleção brasileira precisa vencer para garantir a classificação as quartas de final. Os adversários já possuem duas derrotas em três jogos.

Alemanha domina maior parte do primeiro tempo, mas Brasil vira no fim

O Brasil começou mais ligado na defesa, não deixando os alemães finalizarem de longe como deixaram os eslovenos fazerem há dois dias atrás. A Alemanha até saiu na frente, mas a boa marcação brasileira - junto das grandes defesas de Maik - ajudaram o Brasil a segurar o poderoso ataque da número 1 do ranking mundial. Na frente, a seleção brasileira chegou a abrir três gols de frente (8 a 5).

O bom início do Brasil foi virando afobação. A equipe começou a perder posses de bolas uma atrás da outra - até o goleiro Maik arriscou de sua própria meta e errou com gol vazio. Os alemães aproveitaram o momento ruim da equipe brasileira que não se entendia em quadra e viraram o jogo, chegando a abrir quatro gols de vantagem (15 a 11).

Com apoio da torcida e mostrando vontade, o Brasil correu atrás do prejuízo e emplacou um bom momento no jogo. Uma finalização de Zé por baixo das pernas do goleiro alemão determinou o empate. Após defesa crucial de Maik, Haniel arriscou de longe nos últimos segundos e virou o placar, e assim o Brasil foi para o intervalo na frente no placar por 17 a 16, para a felicidade da eufórica torcida.

Torcida joga junto, Brasil sufoca a Alemanha e vence a segunda

O segundo tempo teve muito equilíbrio. Novamente a seleção brasileira teve um momento de afobação e a Alemanha passou a frente no placar abrindo três gols de vantagem, quando o relógio marcava oito minutos. Com um a menos durante parte da metade da etapa final, o Brasil encontrou dificuldades de reação, mas depois da expulsão do alemão a equipe voltou a reagir e empatou o jogo em 25 a 25.

Foi após o empate que a torcida brasileira cresceu mais ainda. A torcida ficou mais eufórica ainda quando Gehnsheimer foi expulso após cobrar sete metros e acertar o rosto do goleiro Bombom. No ataque seguinte, Chiuffa colocou o Brasil em vantagem por 26 a 25. A partir disso, o Brasil não perdeu mais a liderança, chegou a abrir três gols de vantagem e venceu o jogo por 33 a 30.