Resenha: O Orfanato da Srta Peregrine para Crianças Peculiares

Traduzido para mais de 40 idiomas, o livro que mistura ficção com fotografias antigas conquista fãs no mundo todo

Resenha: O Orfanato da Srta Peregrine para Crianças Peculiares
Foto: Lorena Polli

Publicado no Brasil em 2015 pela editora Leya, “O Orfanato da Srta Peregrine para Crianças Peculiares” é um sucesso pelo mundo afora. O primeiro livro da trilogia de ficção e fantasia, conta a história de Jacob Portman. Na infância, o jovem era encantado pelas histórias fantasiosas da ilha que seu avô viveu na Segunda Guerra Mundial. Ele falava sobre a Diretora do Orfanato, Srta. Peregrine, e as crianças peculiares que lá viviam. Fotos antigas do avô mostravam as crianças com suas peculiaridades: o menino que tinha várias abelhas pelo corpo, a menina que produzia fogo, o menino invisível, entre outras.

O livro possui várias fotos antigas para ilustrar a história. Pela capa, passa a impressão de ser uma história de terror, mas pode ser considerada um suspense com ficção/fantasia.

Com o passar do tempo, Jacob foi acreditando que aquilo não passava de fantasia, até que, aos 16 anos, o garoto vai ao encontro de seu avô após uma ligação desesperada. Ele o encontra morrendo, e o avô fala várias coisas aparentemente sem sentido para ele, relacionadas às histórias da ilha. No mesmo momento, Jacob vê um monstro na floresta e fica apavorado. Nos dias seguintes, ele sofre com a visão do monstro e o choque de ver o avô morrer. Paranoico, começa o tratamento com o psiquiatra Dr. Golan, e é incentivado por ele a descobrir o significado das coisas que o avô lhe disse antes de morrer.

A leitura não é cansativa e instiga - e muito - a curiosidade do leitor. Para um livro destinado aos jovens, se mostrou bem descritivo e intrigante.

No aniversário de Jacob, a família faz uma festa surpresa e o jovem ganha um livro de sua tia Susan, com uma dedicatória do avô para ele. Dentro do livro, uma carta da Srta. Peregrine de 15 anos antes, destinada ao avô e que vinha de uma ilha chamada Cairnholm, País de Gales. Ele conta ao psiquiatra, que convence os pais a deixá-lo conhecer o lugar. Por fim, Jacob e o pai vão para Cairnholm, e coincidência não seria a palavra certa para descrever o que acontece por lá.

As fotos ilustram momentos da narrativa durante a história e isso deu uma certa originalidade ao livro. Primeiro, por serem fotos antigas de verdade. Segundo, por se encaixarem tão bem no enredo, dando a sensação de uma certa realidade. Nas últimas páginas do livro, o autor Ransom Riggs dá os créditos aos donos/autores das fotos utilizadas na história. “O Orfanato da Srta Peregrine para Crianças Peculiares” é destinado a jovens, mas pode muito bem ser lido por todas as idades, e principalmente amantes de livros de fantasia.