Tiago Camilo perde de virada para Mammadali Mehdiyev e é eliminado nas oitavas do judô

Em sua última Olimpíada, judoca brasileiro foi eliminado ao perder para o jovem do Arzebaijão nas oitavas de final

Tiago Camilo perde de virada para Mammadali Mehdiyev e é eliminado nas oitavas do judô
FOTO: MARCIO RODRIGUES/MPIX/CBJ

Tiago Camilo encerrou sua história em Jogos Olímpicos na tarde desta quarta-feira (10), na Arena Carioca 2, no Parque Olímpico da Barra da Tijuca. Aos 34 anos, o brasileiro buscava a classificação para as quartas de final, mas perdeu de virada para Mammadali Mehdiyev, do Azerbaijão, e foi eliminado.

Foi a última participação do judoca em Olimpíadas. Donos de duas medalhas olímpicas (prata em Sydney 200 e bronze em Pequim 2008), Tiago Camilo saiu na frente com um yuko, mas acabou não tendo mais gás para atacar na reta final da luta, quando levou um wazari e acabou dando adeus aos Jogos Olímpicos do Rio.

Apesar da sua técnica apurada e estar bem fisicamente, aos 34 anos o judoca não tem mais a mesma explosão de anos atrás, quando foi campeão mundial em 2007. Talvez isso tenha sido o diferencial para o atleta de Azerbaijão, que venceu de virada e avançou para as quartas. Ao fim da luta, Tiago Camilo foi ovacionado pela torcida presente na Arena Carioca 2. 

"É um sentimento de amor que sempre tive pelo judô e toda minha história no esporte. Fico triste por encerrar assim, sem medalha. Mas fico feliz pelo meu desempenho. Tinha lutado contra esse atleta do Azerbaijão umas duas vezes, ganhei uma e perdi outra. Errei na pegada. Não vou a Tóquio 2020 e queria muito ter conquistado minha terceira medalha. Judô é assim. Tenho duas medalhas e uma boa história. Olimpíada não tem dono e é diferente de qualquer competição. Tem vários atletas chegando do mundo todo. O judô brasileiro cresceu bastante, mas tem que crescer mais porque os outros países encostaram também", disse Tiago.

Mesmo com apenas duas lutas, Tiago Camilo buscou presentear os torcedores com o golpe que ele mais sabe fazer, o golpe perfeito do judô, nomeado de ippon. Foi assim que ele venceu o sul-africano Zack Piontek, na primeira rodada.

O judô brasileiro teve nesta quarta-feira o seu pior dia nos tatames do Rio. Nos quatros dias anteriores, ao menos um representante do país chegou ao bloco da tarde, quando são disputadas a repescagem, semifinais e finais. Até aqui, a seleção brasileira conquistou "apenas" o ouro com Rafaela Silva.