Judô: Em luta relâmpago, Willians Araújo perde para Tuledibaev e fica com a prata

Derrotado por Ippon pelo adversário uzbeque com dois segundos de luta, judoca brasileiro se despede dos Jogos Paralímpicos

Judô: Em luta relâmpago, Willians Araújo perde para Tuledibaev e fica com a prata
(Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CBJ)

Em sua segunda Paralimpíada da carreira, Willians Araújo mostrou porque era uma das esperanças de medalha do judô nos Jogos do Rio-2016. Mesmo sem levar o ouro, o judoca paraíbano fez bonito e conquistou a medalha de prata disputando pela categoria +100kg. No confronto decisivo, Willians enfrentou o paratleta do Uzbequistão Adiljan Tuledibaev e, em luta relâmpago, o brasileiro foi finalizado com apenas dois segundos de confronto e ficou com o segundo lugar no pódio.

O brasileiro estreou no tatame da Arena Carioca 3 contra o Iraquiano Garrah Albdoor e mostrou que estava ali para brigar por medalha. Após vencer seu primeiro adversário do dia, se classificou para a semifinal. O adversário da vez era o cubano Yangalini Jiménez. Focado, Willians aplicou um ippon em Jiménez e garantiu vaga na decisão paralímpica. Na final, tinha pela frente o uzbeque Adiljan Tuledibaev. O brasileiro sabia que seria um confronto difícil, mas não esperava pela derrota repentina. Com o ippon mais rápido da Paralímpiada, Tuledibaev conquistou a medalha de ouro com apenas dois segundos de luta, deixando todos os presentes no ginásio sem reação. 

O paratleta uzbeque tem um tipo de cegueira B3, considerada parcial, quando o atleta consegue enxergar o contorno das coisas. Já Willians possui um tipo de cegueira chamada B1, o que quer dizer a perda total da visão. Porém, para os avaliadores, todos podem competir juntos, não há influência nas diferenças de deficiência entre eles.

Willians Araújo perdeu a visão total aos 10 anos, enquanto brincava com uma arma de matar passarinhos. Sua família sempre passou muitas dificuldades, a mudança da Paraíba para o Rio de Janeiro foi uma esparança de dias melhores. Através do judô o brasileiro encontrou a oportunidade de melhores condições de vida. Após um quinto lugar em sua primeira paralimpíada, em Londres-2012, Willians estava disposto a encerrar sua carreira com apenas 20 anos. Foi com a ajuda do irmão que o paratleta não desistiu. O incentivo valeu a pena. Mostrando-se focado, apesar da derrota na última luta, o judoca se tornou pela primeira vez um medalhista paralímpico noa Rio-2016.