Saltos Ornamentais: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

Neste guia a VAVEL Brasil traz para você todas as informações sobre a modalidade Saltos Ornamentais para os Jogos Olímpicos Rio 2016

Saltos Ornamentais: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016
Foto: Editoria de arte/VAVEL Brasil
Surgido como forma de divertimento na Grécia Antiga, o salto ornamental atingiu status de esporte no século XX, ao entrar para a Federação Internacional de Natação e compor o cronograma dos Jogos Olímpicos de 1904. Essa disciplina aquática, assim como a natação, o nado sincronizado e o pólo aquático, é regulamentada e supervisionada pela Federação Internacional de Natação (FINA), órgão responsável pelos esportes aquáticos.  A modalidade é conjunto de habilidades que envolve saltar de uma plataforma elevada ou trampolim em direção à água, executando movimentos estéticos durante a queda. Este é um esporte considerado de elevada técnica plástica e flexível. 
 
O principal aparelho utilizado é o trampolim, onde os atletas realizam seus treinamentos. É necessário muita técnica e agilidade do saltador para utilizá-lo. Durante as competições, em virtude da complexidade de avaliação, vários árbitros são convidados a participar do julgamento, fundamentado em cinco etapas. Em questão de movimentos, os saltadores contam com um grande número de realizações, todos dentro das quatro posições básicas, além das entradas, feitas de frente, de costas, ou em giro, de ponta cabeça ou de pé. Como esporte misto, conta com três provas. Seus praticantes, chamados de saltadores ornamentais, precisam ter habilidades como força e flexibilidade, além de desenvolverem características como audácia, coragem, perseverança, autoconfiança e concentração.
 
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
Os saltos ornamentais estão presentes nos Jogos Olímpicos da era moderna desde a edição norte-americana de Saint Louis, em 1904, oito anos após a realização da primeira, na Grécia. A princípio, a modalidade contava apenas com participação  masculina, e contou com as provas de 'combinado' e 'mergulho e distância', tendo dois estadunidenses como primeiros vencedores. Porém, esses dois eventos fracassaram na tentativa de cativar o público e foram eliminados das subsequentes edições. 
 
Quatro anos depois, estrearam as disputas do 'trampolim de 3m' e da 'plataforma alta', dominadas por alemães e suecos em todas as posições dos pódios. Em 1912, além da estreia feminina, estreou também a prova da 'plataforma de 10m'. Em 1924, após a Primeira Guerra Mundial e a realização da edição de 1920, restaram apenas os eventos do 'trampolim de 3m' e da 'plataforma de 10m', tanto para os homens, quanto para as mulheres. 76 anos mais tarde, ambas as provas ganharam suas versões sincronizadas, disputadas em dupla, cujo domínio foi chinês e russo. No caso das competições nos Jogos, o Comitê Olímpico Internacional é o responsável pela organização do evento, incluindo os critérios de desempate.
 
(Foto: Divulgação / AFP)
(Foto: Divulgação / AFP)

 Local onde será realizado: Ctr Aquático Maria Lenk

As provas do salto ornamental serão realizadas no Parque Aquático Maria Lenk, que integra o Complexo Esportivo Cidade dos Esportes, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O nome do parque aquático é uma homenagem à nadadora brasileira, que faleceu poucos meses antes da inauguração do local. O Parque Aquático foi projetado de acordo com os parâmetros e especificações estabelecidos da Federação Internacional de Natação (FINA) , é parcialmente coberto e composto por uma piscina olímpica, uma piscina de aquecimento e um tanque para saltos ornamentais.
 
(Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images)
(Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images)
Além disso, possui capacidade para receber aproximadamente oito mil pessoas. A área de construção é de 42 mil metros quadrados. As instalações esportivas também foram projetadas de acordo com as especificações exigidas para a realização dos Jogos Parapan-americanos de 2007, bem como ambientes e equipamentos preparados para receber portadores de necessidades especiais.
 
(Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images)
(Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images)
O parque aquático passou a ser administrada pelo Comitê Olímpico Brasileiro em março de 2008, que tem projetos de treinamentos para atletas olímpicos e paraolímpicos, técnicos e árbitros, além de cursos, congressos, workshops, academia de ginástica e escolinhas de natação, pólo aquático, saltos ornamentais e nado sincronizado. Hoje porém, a administração é de responsabilidade do Comitê Olímpico Brasileiro.
 
Além de treinamentos de escolinhas de natação e de outros esportes áquaticos, o parque possui áreas para treinamento de Judô, Academia de Musculação, promove Cursos e Workshops. Além de centro de treinamento de outros esportes, parte dos escritórios do Comitê Olímpico Brasileiro ficam no parque, algo que se tornou um bom legado dos Jogos Pan-americanos de 2007 para a cidade do Rio de Janeiro, sendo também utilizado para os Jogos Olímpicos de 2016.
 

Campeões em Londres 2012

A última edição dos jogos, oficialmente jogos da XXX Olimpíada, aconteceram na cidade de Londres, entre 27 de julho e 12 de agosto de 2012. As provas de saltos ornamentais foram realizadas no Centro Aquático de Lonbres, em Stratford, utilizado também para os eventos de natação e nado sincronizado.

As provas foram realizadas em 13 dos 19 dias de jogos, sendo oito dias com finais. Oito conjuntos de medalhas foram concedidas nos seguintes eventos, sendo quatro masculinos e quatro femininos:

Masculino:

Trampolim de 3m individual;
Trampolim de 3m sincronizado;
Plataforma de 10m individual;
Plataforma de 10m sincronizado.

Medalhistas masculinos

EVENTO OURO PRATA BRONZE
Trampolim 3 m individual

Ilya Zakharov

(Rússia)

Qin Kai

(China)

He Chong

(China)

Trampolim 3 m sincronizado

Luo Yutong

Qin Kai

(China)

Ilya Zakharov

Evgeny Kuznetsov

( Rússia)

Troy Dumais
Kristian Ipsen

(Estados Unidos)

Plataforma 10 m individual

David Boudia

(Estados Unidos)

Qiu Bo

(China)

Tom Daley

(Grã-Bretanha)

Plataforma 10 m sincronizado

Cao Yuan
Zhang Yanquan

(China)

Iván García
Germán Sánchez

(México)

David Boudia
Nick McCrory

(Estados Unidos)

Feminino:

Trampolim de 3m individual;
Trampolim de 3m sincronizado;
Plataforma de 10m individual;
Plataforma de 10m sincronizado.

Medalhistas femininos

EVENTO OURO PRATA BRONZE
Trampolim 3 m individual

Wu Minxia

(China)

He Zi

(China)


Laura Sánchez

(México)

Trampolim 3 m sincronizado

He Zi
Wu Minxia

China)

Kelci Bryant
Abigail Johnston

(Estados Unidos)

Jennifer Abel
Émilie Heymans

(Canadá)

Plataforma 10m individual

Chen Ruolin

(China)

Brittany Broben

(Austrália)

Pandelela Rinong

(Malásia)

Plataforma 10 sincronizado

Chen Ruolin
Wang Hao

(China)

Paola Espinosa
Alejandra Orozco
(México)

Meaghan Benfeito
Roseline Filion

(Canadá)

No quadro geral da modalidade, o país que mais conquistou medalhas de ouro nas provas foi a China, com um total de seis. Além dele, apenas Estados Unidos e Rússia também conquistaram ouro, mas apenas um para cada país.

Quadro de medalhas Londres 2012

ORDEM PAÍS OURO PRATA BRONZE TOTAL ORDEM POR TOTAL
1 China 6 3 1 10 1
2 Estados Unidos 1 1 2 4 2
3 Rússia 1 1   2 4
4 México   2 1 3 3
5 Austrália   1   1 6
6 Canadá     2 2 4
7 Grã-Bretanha     1 1 6
8 Malásia     1 1 6
TOTAL 8 8 8 24

Favoritos para o Rio 2016

Falando de favoritismo no salto ornamental para os Jogos Olímpicos Rio 2016, é impossível não considerar a China como o país mais propenso a assegurar a melhor classificação. Na modalidade, os chineses carregam uma grande hegemonia desde os jogos de Seul, em 1988. De lá para cá, são 32 medalhas de ouro de um total de 44 em disputa. Além disso, foram mais 16 de prata e sete de bronze. O melhor desempenho dos asiáticos aconteceu nos Jogos de Pequim, em 2008, onde conquistaram sete dos oito ouros em disputa, além de uma prata e três bronze.

(Foto: Mark Ralston/AFP)
(Foto: Mark Ralston/AFP)

Outro país que pode ser considerado como favorito nesta edição dos Jogos Olímpicos é a Rússia. Dos Jogos de 1996 até a atualidade, os russos estiveram entre os quatro primeiros colocados no quadro geral de medalhas da modalidade, oscilando entre a segunda e a quarta colocação.  Em 2015, a Rússia sagrou-se campeã da Copa dos Campeões Europeus de 2015, o que alavanca para realizar um bom desempenho.

(Foto: Javier Soriano / AFP)
(Foto: Javier Soriano / AFP)

Apesar do fraco desempenho na modalidade, o Brasil pode ser considerado favorito nesta edição dos Jogos Olímpicos por ser o país-sede. Na história das Olimpíadas, os brasileiros marcaram presença em 14 das 25 edições em que os saltos ornamentais estiveram presentes no programa, desde a edição de Saint Louis, em 1094. A primeira participação aconteceu em 1920, em Antuérpia, porém, em todas as 14 participações, nenhuma medalha foi conquistada.

(Foto: Raul Arboleda/AFP/Getty Images)
(Foto: Raul Arboleda/AFP/Getty Images)

Curiosidades do Esportes 

Os saltos ornamentais estrearam nos Jogos em Saint Louis 1904, com o "mergulho em distância". Quem chegasse mais longe da plataforma era o vencedor.

Em Berlim 1936, a norte-americana Marjorie Gestring alcançou um recorde histórico: aos 13 anos, tornou-se a campeã Olímpica mais jovem de todos os tempos. 

(Foto: Austrian Archives/Imagno/Getty Images)
(Foto: Austrian Archives/Imagno/Getty Images)

Em Pequim 2008, o salto em parafuso do Australiano Matthew Mitcham, na plataforma de 10m, rendeu a maior nota da história Olímpica: 112.10 pontos. 

(Foto: Clive Rose/Getty Images)
(Foto: Clive Rose/Getty Images)

A primeira competição no Brasil aconteceu em 1913, no Rio de Janeiro. O vencedor foi Adolpho Wallisch, primeiro saltador do país a disputar os Jogos Olímpicos, em Antuérpia 1920. 

(Foto: Matthew Stockman/Getty Images)
(Foto: Matthew Stockman/Getty Images)

Em Seul 1988, Greg Louganis, dos EUA, deu um susto no público ao bater com a cabeça na plataforma na fase de classificação. Mas o incidente não o impediu de conquistar o ouro. 

(Foto: Pascal Rondeau/Getty Images)
(Foto: Pascal Rondeau/Getty Images)

 Maiores medalhistas olímpicos

Na história do salto ornamental nos Jogos Olímpicos, o número mais alto de medalhas conquistadas é o total de oito, conquistado por Dmitry Sautin, da Rússia. Logo em seguida, aS chinesaS Jingjing Guo e Minxia Wu, têm seis. Abaixo pode-se ver os três maiores medalhistas masculinos e femininos nas Olimpíadas.

Masculinos


Dmitry Sautin

OURO PRATA BRONZE TOTAL
2 2 4 8
(Foto: Martin Bureau/AFP/Getty Images)
(Foto: Martin Bureau/AFP/Getty Images)

Greg Louganis

OURO PRATA BRONZE TOTAL
4 1 0 5
(Foto: Dimitri Iundt/Corbis/VCG via Getty Images)
(Foto: Dimitri Iundt/Corbis/VCG via Getty Images)

Klaus Dibiasi

OURO PRATA BRONZE TOTAL
3 2 0 5
(Foto: Giorgio Lotti/Mondadori Portfolio via Getty Images)
(Foto: Giorgio Lotti/Mondadori Portfolio via Getty Images)

Femininos

Jingjing Guo

OURO PRATA BRONZE TOTAL
4 2 0 6
(Foto: Osports/Getty Images)
(Foto: Osports/Getty Images)

Minxia Wu

OURO PRATA BRONZE TOTAL
4 1 1 6
(Foto: Al Bello/Getty Images)
(Foto: Al Bello/Getty Images)

Mingxia Fu

OURO PRATA BRONZE TOTAL
4 1 0 5
(Foto: T. Kitamura/AFP/Getty Images)
(Foto: T. Kitamura/AFP/Getty Images)