Ginástica Artística: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

Modalidade presente em todas as edições dos Jogos Olímpicos, confira aqui curiosidades, maiores medalhistas, favoritos e histórias presentes desde 1896 em Atenas

Ginástica Artística: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016
Ginástica Artística: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

Modalidade clássica, presente em todos Jogos Olímpicos desde a primeira edição em 1896 na Grécia até o presente momento, essa é a ginástica artística. A modalidade passou por alterações durante todo o tempo mas sempre esteve em disputa sendo o individual geral a competição mais presente , 27 oportunidades, dentre as subdivisões da modalidade.

As mulheres esperaram 32 anos para competir pela primeira vez, sendo Amsterdã o local de estreia da disputa feminina. O maior fato olímpico da competição feminima certamente é a primeira nota “10” conquistada pela romena Nádia Comaneci, feito obtido pela atleta no auge da adolescência aos 14 anos de idade.

Local onde será realizado

A sede para a ginástica artística será num dos poucos legados deixados pelos Jogos Pan-americanos em 2007, na HSBC Arena ou Arena Olímpica do Rio já que o Comitê Organizador não utiliza nome de patrocinadores que não estão presentes como parceiros dos jogos. A arena costuma receber jogos de basquete, tendo sediado o NBA Global Games durante três anos consecutivos além de ser a maior casa de shows indoor do Rio de Janeiro.

- Campeões em Londres 2012

Feminina Masculina

Equipes Estados Unidos China

Individual Geral Gabriele Douglas Kohei Uchimura

Salto sobre a mesa Sandra Izbasa Yang Hak-Seon

Solo Alexandra Raisman Zou Kai(CHI)

Cavalo com alças Krisztián Berki

Argolas Arthur Zanetti

Barras Paralelas Feng Zhe

Barra Fixa Epke Zonderland

Barras Assimétricas Alya Mustafina

Trave Deng Linlin


Favoritos para o Rio 2016

Entre os nomes destacados para o torneio olímpico devem estar sempre Kohei Uchimara, japônes campeão em Londres que tem boas notas em todos os aparelhos e é especializado no solo e também obtém boas medalhas na barra fixa. São 5 medalhas olímpicas para ele somadas a mais 20 conquistas entre ouro, prata e bronze nos torneios mundias de ginástica.

No torneio feminino a americana Simone Biles de 19 anos fez um estupendo ciclo olímpico conquistando medalha em Antuérpia, Nanning e Glasgow nos torneios mundiais da modalidade. Individual geral, trave, solo, por equipes, nada escapou da jovem americana que ainda arrancou medalha de bronze no salto sobre a mesa na edição 2015 do torneio tornando-se a norte-americana com mais medalhas em campeonatos mundiais da história do país, 14 conquistas.

Os brasileiros não fizeram bom ciclo pós Londres-2012. Arthur Zanetti e Diego Hipólito foram os que chegaram mais próximos a uma medalha dourada nas argolas e solo, respectivamente. O time feminino tem nomes conhecidos como Jade Barbosa e Daniele Hipólito mas não são elas que chamam atenção e sim Rebeca Andrade que obteve resultados expressivos no salto e também no solo. Em 2016 Rebeca ainda arrematou medalha nas barras assimétricas em etapa da Copa do Mundo em Doha, Catar.
 

Curiosidades do Esportes 

O que é aquele pó que os ginastas passam nas mãos antes da competição?

em pó ou em cubos compactos o magnésio é utilizado para aumentar a aderência e diminuir a sensação escorregadia dos exercícios nas barras. Ele também é utilizado por ginastas transpiram demais nas mãos e pés. O magnésio deve ser usado com moderação em todos os aparelhos sendo que na trave e no solo com pequenas marcas como um “X” orientando os elementos acrobáticos mais difíceis. O uso incorreto é considerado uma falha pequena com o desconto de um décimo na nota final do respectivo aparelho. Geralmente no tempo regulamentar de preparação das barras, as colegas de equipe ajudam a companheira que se apresentará, preparando o barrote com uma “papinha”, água ou melado mais o pó de magnésio. A mistura deve ficar na medida certa conforme cada gosto.

Descontos: por utilização incorreta de magnésio – por ginasta – por aparelho  = 0,10


 

Maiores medalhistas olímpicos

Boa parte das medalhas distribuídas até hoje pertencem a URSS conquistando sozinha 25% do total de melhadas disputadas na ginástica. Japão, Estados Unidos, Romênia e Alemanha fecham 50% tendo conquistado outros 35%. O domínio no masculino pertence ao ex-URSS Nikolai Andrianov que tem medalhas por equipes, no solo, barras e também na competição individual geral que engloba todas as disputas, são 15 conquistas para ele.

Igualando em quantidade de ouros conquistados por seu compatriota, Boris Shaklhin obteve 13 medalhas olímpicas sendo 7 de ouro, 4 de prata e 2 de bronze conseguindo desempenho parecido à Takashi Ono. O japonês conseguiu também 13 medalhas mas foi inferior na quantidade de vezes que subiu ao pódio no lugar mais alto, foram 5 oportunidades.

Quem domina o feminino é de nacionalidade soviética, tal qual no masculino, sendo Larisa Latynina uma tetracampeã feminina por equipes e bicampeã olímpica na disputa no solo tendo vencido em Roma e Tóquio. Foram 18 medalhas conquista por Latynina, sendo metade delas de ouro. Ginástica a parte, ela pertence ao seleto grupo de maiores medalhistas olímpicos ao lado dos nadadores Mark Spitz, Carl Lewis e Paaovo Nurmi. Michael Phelps os ultrapassou e lidera sozinho com 22 medalhas.

Vera Caslavska, uma contemporanea da maior vencedora conquistou “apenas” 11 medalhas e é a segunda com mais conquistas olímpicas na ginástica feminina somando 7 ouros e 4 pratas durante as competições em Tóquio, Roma e Cidade do México. A Tchecoeslovaca deixou Larisa com a prata na disputa individual geral em 1964.