Vela: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

Modalidade presente em boa parte das edições dos Jogos Olímpicos, confira aqui curiosidades, maiores medalhistas, favoritos e histórias presentes desde 1900 em Paris

Vela: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016
Vela: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

A vela, ou iatismo, foi introduzida como modalidade presente nos Jogos Olímpicos a partir de 1900 em Paris mas não esteve presente em St Louis 1904, dando sequência regular a partir de Londres na competição seguinte. As subdivisões da modalidade mudaram edição por edição chegando ao formato atual em apenas em 2012, mantendo pela segunda vez consecutiva o mesmo formato.

Uma tradição que quase sempre é mantida na disputa do iatismo é a disputa fora da sede olímpica em locais com melhor condição para a prática do esporte, Torquay(Inglaterra), Le Havre(França), Qingdao(China), Acacapulco(México) e Long Beach(Los Angeles) são apenas alguns exemplos de sede em cidades que não foram sede. Velejar na casa dos Jogos na verdade cabe mais à exceção sendo apenas a 6ª vez, se contarmos a edição deste ano, que a competição vai mesmo ocorrer na cidade-sede. Los Angeles já recebeu competições de vela em 1931 e também as cedeu para outras cidades, Barcelona, Sydney e Atenas foram as mais recentes que viram seus mares com a disputa olímpica. Para fechar a conta, Melbourne em 1956 também sediou a disputa em suas águas.


Local onde será realizado

Sem dúvidas o maior problema entre todos os locais de competições pertence à vela. Velejar nas águas calmas da baía de Guanabara vai ser uma tarefa árdua para os atletas pois foi prometido uma despoluição completa, gastaram 10 Bilhões de Reais em projetos mas nada foi solucionado. São despejados toneladas de lixo no local de competição e boa parte deles ficam boiando nas futuras raias olímpicas.

A solução encontrada pelo poder público foram bolsões que vão conter o lixo, deixando um pouco menos prejudicadas as regatas que sairão e chegarão na Marina da Glória, zona sul da cidade. Píer temporários e arquibancadas foram construídos para receber o público que acompanhará de longe as disputas na Praia do Flamengo, Praia de Botafogo e a Marina.


 

- Campeões em Londres 2012

Na competição realizada em Londres, a Espanha foi quem “dominou” o torneio feminino conquistando medalhas de ouro com Mariana Alabau na RS:X e o trio Támara Echegoyen, Ángela Pumariega e Sofía Toro na classe Elliott: 6m. Na laser radial quem venceu foi a chinesa Xu Lijia e na 470 para mulheres a dupla australiana formada por Jo Aleh e Olivia Powre se deu melhor.

Nas regatas masculinas o domínio foi australiano levando para casa 3 das 5 medalhas douradas entre os homens. Tom Slingsby foi quem triunfou na classe Laser, Mathew Belcher e Malcolm Page levaram na 470 para homens e a dupla Nathan Outteridge e Iain Olsen conquistaram na tradicional 48er. Na RS:X para homens o holandês Dorian van Rijsselberghe venceu, Ben Ainsle ganhou na classe Finn e na classe Star Fredrik Loof e Max Salminen foram os vencedores.

 

- Favoritos para o Rio 2016

Campeão em Londres e agora com nova dupla, Matthew Belcher lidera o ranking na 470 para homens ao lado de William Ryan e são franco favoritos a medalha olímpica assim como a dupla feminina da categoria, Jo Aleh e Polly Powrie que defende o título conquistado em Londres. Peter Bluing e Blair Tuke pretendem subir um degrau na 49er para homens pois são lideres do ranking e conquistaram a prata em 2012.

A 49er tem Martine Grael e Kahena Kunze como suas campeãs mundiais e favoritas ao ouro olímpico. Na Laser, Matthew Wearn é o favorito mas o experiente Robert Scheidt pode muito bem surpreender o australiano. Liija Xu e Evi Van Acker na Laser Radial, Vittorio Bissaro/Silvia Sicouri na Nacra mista, Pawel Tarnovski na RS:X para homens e Bryony Shaw na RS:X para as mulheres completam a lista de favoritos.

Curiosidades do Esportes 

Existem vários nomes para o esporte. No Brasil, ele já foi conhecido como iatismo, enquanto no exterior, é comum a utilização dos termos “sailing” e “yachting”. A mudança de iatismo para vela no país aconteceu em 2000. O objetivo dos dirigentes, àquela época, era acabar com a idéia de que se tratava de um esporte elitista


 Maiores medalhistas olímpicos

Ben Ainsle, Torben Grael e Robert Scheidt dividem o posto como maiores vencedores na vela masculina com 5 medalhas cada. Sir Ben Ainslie levou para a Grã-Bretanha 4 medalhas de ouro e uma prata nas classes Finn e Laser vencendo em todos os Jogos Olímpicos desde Atlanta em 1996. Da classe Star vieram 4 medalhas de Torben Grael, o paulista radicado na baía de Guanabara ainda conquistou na extinta classe Soling uma medalha de prata. Igualando Grael e triunfando nas mesmas modalides, Robert Scheidt venceu a Laser em Atlanta e Atenas, foi vice em Sydney também na Laser e conquistou o bronze na Star em Pequim e Londres ao lado do companheiro de proa Bruno Prada.