Lendas Olímpicas: Adhemar Ferreira, o único brasileiro no Hall da Fama do Atletismo

Brasileiro imortalizado no Hall da Fama, foi ouro no salto triplo em Helsinque 1952 e Melbourne 1956

Lendas Olímpicas: Adhemar Ferreira, o único brasileiro no Hall da Fama do Atletismo
Conheça Adhemar Ferreira, o único brasileiro no Hall da Fama do Atletismo

Entre os dias cinco e 21 de agosto de 2016 acontece a 31ª edição dos Jogos Olímpicos. Neste ano, a competição mais importante do esporte mundial ocorre na Cidade Maravilhosa: o Rio de Janeiro. Neste especial da VAVEL Brasil, relembre a carreira de Adhemar Ferreira, o único brasileiro no Hall da Fama do Atletismo.

Trajetória Olímpica 

Paulistano, nascido em 29 de setembro de 1927, Adhemar Ferreira da Silva é, sem dúvidas, o maior atleta brasieiro na história do Atletismo. Adhemar começou a competir aos 20 anos, quando participou do Troféu Brasil já defendendo a camisa do São Paulo Futebol Clube após convite do técnico Dietrich Gerner.

No ano seguinte, disputou sua primeira Olimpíada, em Londres 1948. No entanto, acabou na 14ª colocação. Quatro anos depois, vinha confiante da conquista do Pan-Americano de Buenos Aires. Com o recorde mundial na marca dos 16 metros - pertencente ao japonês Naoto Tajima desde 1936, Adhemar chegava a Helsinque para surpreender a todos. Saltou 16,05 m, 16,09 m, 16,12 m e 16,22 m, quebrando o recorde não só uma, mas quatro vezes na mesma tarde. Além, é claro, de levar o ouro olímpico para casa.  

Adhemar nas Olimpíadas de Helsinque/ Foto: Getty Images
Adhemar nas Olimpíadas de Helsinque/ Foto: Getty Images

Estabelecendo sua dominância nos anos seguintes, o paulista ainda aprimorou sua marca no Pan-Americano da Cidade do México em 1955. Desafiado por Arnold Devonish da Venezuela, que saltou 16,13 m, Adhemar estava pressionado. Em seu último salto, teve uma performance perfeita: com 16,56 m quebrava seu próprio recorde de 1952. 

Sua última Olimpíada foi disputada em 1956 em Melbourne, na Austrália. Como favorito, não teve dificuldades para não só ficar com o segundo ouro da carreira, como também estabelecer o novo recorde olímpico de 16,35m. Por conta de problemas pulmonares, o "Canguru brasileiro" - como passou a ser conhecido - não pôde participar dos demais Jogos Olímpicos. Dessa forma, encerrou sua carreira vitoriosa. 

Grandes feitos 

Devido às suas façanhas, Adhemar foi imortalizado no manto de uma dos maiores clubes de futebol do país: o São Paulo Futebol Clube, cujas estrelas amarelas sobre o símbolo representam os recordes mundiais quebrados pelo atleta no salto triplo: em Helsinque 1952 e no Pan-Americano da Cidade do México em 1955.

Adhemar com a camisa do tricolor paulista/ Foto: São Paulo/ Divulgação
Adhemar com a camisa do tricolor paulista/ Foto: São Paulo/ Divulgação

Além de bicampeão olímpico, o paulista conquistou três Pan-Americanos seguidos: de 1951 a 1959. Por esses e mais feitos, faz parte do Hall da Fama do Atletismo desde 2012.


Legado no Esporte

Mais do que recordista mundial por muitos anos, Adhemar Ferreira foi o pioneiro no salto triplo no Brasil. Depois dele, vieram grandes nomes como Nelson Prudêncio, João Carlos de Oliveira, João do Pulo e mais recentemente, Jardel Gregório

João do Pulo/ Foto: O Globo/ Divulgação
João do Pulo/ Foto: O Globo/ Divulgação