Katinka Hosszú bate recorde dos 400m medley e brasileiros avançam nos 100m peito

Húngara faz uma prova espetacular e abaixa em dois segundos a antiga marca; Felipe França e João Gomes se classificam para a próxima fase

Katinka Hosszú bate recorde dos 400m medley e brasileiros avançam nos 100m peito
Katinka Hosszú durante a prova dos 400m medley (Foto: Lars Baron/Getty Images)

Os atletas da natação presentes nos Jogos Olímpicos Rio 2016 voltaram a cair na água para finais e semifinais na noite deste sábado (6), depois de uma longa pausa após as baterias eliminatórias. A primeira prova disputada no Estádio Aquático Olímpico foi a dos 400m medley masculino.

A disputa prometia muito, com três nadadores brigando pelo ouro: o americano Chase Kalisz e os dois japoneses Kosuke Hagino e Daiya Seto. Logo no começo da prova, Seto conseguiu disparar na frente junto com seu compatriota, mas com a mudança para o nado de peito, Kalisz se recuperou e buscou a segunda colocação, deixando Seto para trás. No entanto, seu esforço não foi suficiente para ultrapassar Hagino, que venceu e conseguiu a primeira medalha da natação nessa edição das Olímpiadas.

A segunda prova consistiu em duas baterias de semifinais dos 100m borboleta feminino, contando com a presença de duas brasileiras: Daynara de Paula e Daiene Marçal, que terminaram na 8ª e 7ª posições dentro de sua bateria. Com um tempo alto para os padrões estabelecidos pelas outras nadadoras, acabaram não avançando e deixam a competição por medalhas no 100m borboleta. A japonesa Rikako Ikee fez uma excelente prova na primeira bateria e venceu a mesma, com o tempo de 57.05. No entanto, a sueca Sarah Sjostrom roubou a cena vencendo a segunda bateria e quebrando o recorde olímpico da prova, tornando-se detentora do recorde olímpico e mundial.

Na final dos 400m livre masculinos, uma prova emocionante. O favorito Sun Yang começou a prova de forma lenta, fazendo as primeiras viradas nas últimas colocações. No entanto, nos últimos 50m, o chinês se recuperou e disputou braçada a braçada com o australiano Mack Horton, que também cresceu a partir da segunda metade da prova. No fim, Horton venceu e levou o primeiro ouro da Austrália na natação, com o tempo de 3:41.55. Sun Yang chegou apenas 13 centésimos atrás e ficou com a prata. O italiano Gabriele Detti acabou conquistando a medalha de bronze.

Logo na sequência, a prova dos 400m medley feminino trazia apenas uma incerteza: conseguiria a húngara Katinka Hosszú bater o recorde mundial? Hosszú já havia deixado de bater o recorde por muito pouco na eliminatória e era favorita disparada, classificada com larga vantagem sobre suas adversárias. A vantagem se manteve durante a final e a húngara conseguiu não só quebrar o recorde, mas simplesmente destruí-lo, baixando a marca em mais de dois segundos. Com o tempo de 4:26.36, Hosszú levou o ouro, seguida por Maya Dirado, dos Estados Unidos e Mireia Belmonte Garcia, da Espanha.

A penúltima prova da noite foi a dos 100m peito masculino, ainda na fase semifinal, com duas baterias. Dois brasileiros disputavam vaga entre os oito melhores para brigar por medalha. João Gomes foi o primeiro a nadar e marcou tempo de 59.40s, chegando em terceiro na sua bateria, pecando na aproximação à borda, o que resultou em alguma perda de tempo, apesar de ter se classificado para a final na 7ª posição. Na bateria seguinte, Adam Peaty, que havia batido o recorde na bateria da tarde, dominou mais uma vez e foi o único a virar na casa de 57s. Felipe França terminou em quarto na bateria, com o tempo de 59.35s, se classificando em 6º lugar.

Para encerrar a noite, o revezamento 4x100m livre feminino entrou em cena, sem a presença do revezamento do Brasil. O favoritismo ficava com as meninas da Austrália, que já haviam batido o recorde olímpico da prova na parte da tarde e ainda contavam com o reforço de Emma McKeon. A quebra do recorde olímpico nas eliminatórias não foi suficiente e o recorde mundial também caiu por terra na final. O tempo de 3:30.65 deu à Austrália a medalha de ouro no revezamento. Os Estados Unidos, que chegaram a liderar a prova por algum tempo, ficaram com a prata e o bronze foi para o revezamento do Canadá.