Após sair da pista na Esgrima lesionada, brasileira Marta Baeza declara vontade de ter continuado

Carioca diz que queria ter continuado mesmo sentindo o joelho, mas médicos não deixaram

Após sair da pista na Esgrima lesionada, brasileira Marta Baeza declara vontade de ter continuado
Brasileira saiu aplaudida pelo público presente na Arena Carioca 3 (Foto: Patrick Smith/Getty Images)

Na manhã desta segunda-feira (8), a brasileira Marta Baeza Centurion foi a única brasileira a entrar nas pistas de Esgrima na Arena Carioca 3, na Barra da Tijuca, pela Olimpíada do Rio de Janeiro. Contudo, a carioca já enfretava uma lesão no joelho há algum tempo e, no sexto golpe, acabou por sentir a região lesionada e acabou por desistir no sabre individual feminino, frente à polonesa Bogna Jowiak, saindo da pista chorando. Marta, porém, explicou a situação e demonstrou valentia em entrevista após o embate. 

Na classificatória para as oitavas de final, Marta foi à pista e acabou desistindo do embate depois de uma tentativa de golpe quando perdia por 4 a 2 ainda no primeiro tempo pelo sabre individual feminino. A dor sentida no joelho, contudo, foi explicada pela atleta da Petrobras de Esgrima, além de falar da valentia que teve para ir à Arena Carioca 3 disputar, mesmo com uma lesão já recorrente. 

"Taticamente eu sabia exatamente o que fazer, conseguia me sentir muito bem na pista, mas no sexto golpe não deu mais, meu joelho saiu. No primeiro golpe, porém, já havia sentido. Eu já tinha uma lesão no joelho no histórico. Eu queria ter continuado, mas os médicos não deixaram. Eu queria", esclareceu a carioca. "Certamente hoje foi um dia muito triste, mas vai me trazer muita força para buscar a esperada medalha brasileiras em Tóquio", disse. 

Na primeira Olimpíada disputada, Marta acabou terminando de uma maneira que nem ela e nem os brasileiros queriam. "Queria ter deixado o Brasil orgulhoso, mas não deu", acrescentou. "Queria ter deixado o Brasil orgulhoso, mas não deu", acrescentou. Mas, no fundo, o público sabe que ela fez o que pôde, o que é motivo de orgulho.