Rússia confirma topo do quadro de medalhas da Esgrima ao ganhar ouro no penúltimo dia do esporte

Equipe russa ganhou o sabre feminino por equipes ao bater a Ucrânia na final; Estados Unidos completaram o pódio com o bronze; Brasil não teve representantes hoje

Rússia confirma topo do quadro de medalhas da Esgrima ao ganhar ouro no penúltimo dia do esporte
Foto: Tom Pennington / Getty Images

Neste sábado (13), a Esgrima viu seu penúltimo dia de competições nos Jogos Olímpicos do Rio, sendo o último do gênero feminino, que abriu os trabalhos no sábado passado. No Sabre feminino por equipes o Brasil não teve representantes, sendo também o único dos nove dias do esporte que não teve alguém para lutar. Ao término dos trabalhos, contudo, a Rússia garantiu o favoritismo e conquistou o ouro, confirmando o topo do quadro de medalhas da Esgrima na Olimpíada. Ucrânia foi prata e Estados Unidos bronze novamente. 

Característico na disputa por equipes, a primeira fase foi as quartas de final, onde apenas Itália (Gulotta, Gregorio, Vecchio e Bianco) e Rússia (Sofya Velikaya, Yana Egorian, Dyachenko e Gavrilova) passaram sem grandes sustos, vencendo França (Brunet, Lembach, Berder e Boudiaf) e México (Toledo, Arrayales, Michel Silva, González) por 45 a 36 e 45 a 31, respectivamente. Os Estados Unidos (Zagunis, Wozniak, Muhammad e Aksamit) e Ucrânia (Olga Kharlan, Kravatska, Voronina e Komaschuk) venceram Polônia (Kozaczuk, Puda, Socha e Józwiak) e Coréia do Sul (Seo, Hwang, J. Y. Kim e Yoon) por 45 a 43 e 45 a 40, respectivamente, tendo relativamente maiores dificuldades.

Na fase classificatória para o ranking da FIE (Federação Internacional de Esgrima), a Polônia arrazou o México quando venceu por 45 a 23, a maior vantagem do dia. A Coréia do Sul derrotou a França por 45 a 40, mais apertado que o outro. Isso definiu os confrontos da disputa de quinto e sétimo lugares. 

Chegando nas semifinais, porém, dois placares apertadíssimos garantiram Rússia e Ucrânia na final. 45 a 42 foi o resultado final dos dois embates, vencidos contra Estados Unidos e Itália, respectivamente. Nessa fase, a técnica das duas vencedores fizeram toda a diferença, além da experiência de Velikaya para as russas, que conseguiu revertar uma reação das americanas. Definidas, assim, os embates de bronze e ouro. 

Quando chegou as partidas de quinto e sétimo lugares, veio também uma surpresa do dia. O México conseguiu bater a tradicional França por 45 a 38 para assegurar o sétimo lugar na Olimpíada, jogando as francesas para último. No outro confronto, a Coréia do Sul venceu a Polônia por 45 a 41, ficando assim com a quinta posição, sendo as polonesas as sextas.

Depois do intervalo antes das finais, dois atropelos. No bronze, os Estados Unidos bateram a Itália por 45 a 30, terminando no terceiro lugar do pódio com certa facilidade. Na disputa do ouro também foi o mesmo placar, para a favorita Rússia. A valentia e vontade das ucranianas foi muita, mas no fim prevaleceu a experiência e técnica das duas finalistas do individual, Egorian e Velikaya. A Ucrânia tinha apenas Kharlan bem ranqueada, que fez o que pôde, mas sem sucesso.

Foto: Tom Pennington / Getty Images
Foto: Tom Pennington / Getty Images

Entenda o sabre por equipes

Na pista são usadas as mesmas regras do individual. Com relação a pontuação, vence quem fizer 45 pontos primeiro ou o maior número de pontos ao final do nono round. São nove rounds de três minutos cada, onde vence quem pontua mais ou pontua o próximo múltiplo de cinco nos rounds, ou seja, cinco no primeiro round, 10 no segundo, 15 no terceiro e assim vai, sempre com as pontuações somadas dos rounds anteriores. Há disputas de quinto e sétimo lugar para o ranking da FIE.