Do abandono dos pais ao topo olímpico: Thiago Braz e a caminhada à medalha de ouro

Aos 23 anos, o atleta conquistou o primeiro ouro da carreira no salto com vara, resultado de uma vida de luta e superação

Do abandono dos pais ao topo olímpico: Thiago Braz e a caminhada à medalha de ouro
Tem muito, muito o que comemorar, Thiago! (Foto: Reuters)

De uma cidade no interior de São Paulo é que vem o atleta que fez o Brasil parar numa noite de segunda-feira para acompanhar a final do salto com vara da Olimpíada do Rio. Thiago Braz enfrentaria o, até então campeão olímpico, Renaud Lavillenie, na etapa que poderia dar a ele, na primeira participação em Jogos Olímpicos da vida, a medalha de ouro. O garoto que teve de aprender a voar desde muito cedo, teria de alçar o maior voo de sua história e enfrentar um gigante do esporte que escolheu para si. 

Ainda pequeno, foi abandonado pelos pais, com os avós. Criança, nutriu a esperança de que eles voltariam. Tinham de voltar. Por isso esperava. Esperava todos os dias com sua mochila nas costas. Não aconteceu. Aos avós, passou a chamar de pai e mãe e, deles, teve todo o apoio e o impulso necessário para que pudesse voar. 

Aos 14 anos, Thiago começou a praticar o salto com vara pelo Clube dos Bancários de Marília. Participou e se destacou em diversos campeonatos de juniores e juvenis e, em 2009 esteve em sua primeira competição internacional, o Campeonato Sul-Americano Juvenil, onde conquistou seu primeiro bronze. Em 2011, nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Cingapura, Thiago levou a prata, e este era seu maior resultado até o Rio.

Quebra recordes desde os primeiros anos de sua jornada na modalidade. Em 2012 alcançou 5m55 no Campeonato Mundial Júnior de Atletismo, em Barcelona, e trouxe para casa o ouro. É treinado pelo mais estimado técnico da categoria, Vitaly Petrov, que já foi treinador da campeã mundial Fabiana Murer. Esta, que também apóia e incentiva a carreira de Thiago desde o início. 

Thiago assistiu ao francês quebrar seu próprio recorde, na noite desta segunda-feira. Em sua primeira tentativa, desistiu do movimento e não chegou a ultrapassar o sarrafo. Ainda havia uma chance. Tentou de novo. Conseguiu. 6,03 metros. Ao menos a prata já estava garantida. Mas quem é que não quer mais? Ainda tinha de esperar o último salto do adversário.

Era a vez de Lavillenie novamente. A expectativa era grande. O Brasil gritava o nome de Thiago. O Brasil queria Thiago no pódio. O francês se concentrou. Correu. Cravou a vara no solo e voou. Mas derrubou o sarrafo. Thiago Braz conquistou o primeiro ouro de sua carreira. Thiago Braz superou uma vida inteira de lutas. Enterrou o passado, enterrou seus medos e voou a seis metros do solo em busca do ouro.

Se até esta noite pouca gente havia ouvido este nome, que a partir de agora o mundo inteiro ouça. Que o mundo saiba quem é o brasileiro campeão olímpico do salto com vara, Thiago Braz. 

Que, a partir de agora, os voos deste jovem sejam ainda mais altos. Que seja apenas o começo.