Bruno Carra deixa bronze escapar, mas atinge melhor marca do Brasil no halterofilismo paralímpico

Em desempate, Bruno Carra perdeu o bronze, mas atingiu sua melhor marca com 162kg

Bruno Carra deixa bronze escapar, mas atinge melhor marca do Brasil no halterofilismo paralímpico
Foto: Divulgação/Rio 2016

Nesta sexta-feira, 9, por pouco o brasileiro não conquistou o bronze. Bruno Carra, representante de halterofilismo, infelizmente não conseguiu garantir o terceiro lugar para o Brasil. Ao ver no telão o sinal vermelho, o atleta não conseguiu segurar o choro.  Os árbitros não validaram a tentativa de  levantar 163kg, e o brasileiro acabou deixando escapar o bronze no critério de desempate na categoria até 54kg do halterofilismo.

O grego Dimitrios Bakochristos levou a melhor, por ser mais leve, totalizando a marca de 162kg. Bruno estabeleceu seu  melhor resultado do halterofilismo do Brasil em Paralimpíadas, mas perder o pódio por pouco  pesou mais para o atleta. O nigeriano Roland Ezuruike (200kg) levou para casa o ouro e a prata ficou com o chinês Wang Jian (170kg).

O atleta trabalhava como engenheiro em uma empresa de desenvolvimento de software. Para focar nos treinos da Rio 2016, se afastou de sua função. Convidou também o bicampeão paralímpico, o egípcio Sherif Osman,  para um intercâmbio em sua casa na reta final de preparação para os Jogos.

A  diferença básica do halterofilismo tradicional consiste em aspectos de técnica desportiva. Enquanto a modalidade olímpica desenvolve a força explosiva com movimentos de arranque e de tempo, no halterofilismo paralímpico desenvolve a força máxima.

O levantador tem direito a três tentativas e a melhor das três, é computada para a classificação final. Ao levantador com possibilidades de conseguir um recorde mundial, é permitido uma quarta tentativa. Eles são divididos em dez categorias, de acordo com o seu peso corporal. Deitados, os atletas devem trazer a barra com pesos ao peito, mantê-la estável e erguê-la fazendo a extensão completa dos braços, para então retornarem-na à posição original. Vence quem levantar o maior peso.

Primeira tentativa, movimento inválido

Atleta  se concentrou bastante para levantar os 162Kg,  fez o encaixe das escápulas no banco para ter o melhor posicionamento na hora de levantar a barra. Mesmo assim, falhou e seu movimento foi classificado como inválido.

Segunda tentativa, executada com sucesso

Bruno optou por tentar levantar novamente 162Kg, sendo o movimento válido, ficou empatado com  o Grego. Vibrou bastante e saiu muito aplaudido pela torcida.

Bruno faz movimento inválido em sua terceira e última tentativa

Última tentativa de disputar o bronze inédito, Bruno aumentou 1kg, sendo agora 163Kg.  Após levantar, público vibrou com o atleta, mas infelizmente  dois juízes  interpretaram como inválido o movimento do Brasileiro.

Bruno Carra, é sexto lugar no mundial em 2014.  Já em Toronto nos Jogos Parapan garantiu  a medalha de prata. No início desse ano, em evento na Malásia, atleta conquitou  o 4º lugar. Sua melhor marca era 161kg, sendo hoje superada.