Medalha de ouro no lançamento de disco F11, Alessandro da Silva exalta atletismo paralímpico

Atleta foi campeão na categoria para cegos; bem humorado, brasileiro concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (13)

Medalha de ouro no lançamento de disco F11, Alessandro da Silva exalta atletismo paralímpico
Alessandro comemorou conquista do ouro | Foto: Pedro Henrique Guimarães/VAVEL Brasil

A primeira participação paralímpica de Alessandro Rodrigo no lançamento de disco na categoria F11 – para cegos não poderia ser melhor. Na noite desta segunda-feira (12), o atleta de 32 anos foi ouro no Engenhão e ainda bateu o recorde dos Jogos Paralímpicos.

Ainda bastante emocionado, Alessandro comemorou a confirmação do seu bom desempenho. “É uma sensação inexplicável. Milhões de sentimentos passam pela cabeça, dá vontade de gritar, de chorar, de pular e de fazer tudo que se pode ali no momento. Poucos terão essa alegria. Já estar em uma Paralimpíada é para poucos, ser medalha de ouro e ainda recordista é para menos pessoas ainda”, comentou em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira (13). “Ainda não tive tempo para parar e refletir sobre o ouro. Ainda estou vivendo essa emoção, está tudo muito especial e muito gratificante”, completou.

Rodrigo ainda frisou a força do atletismo brasileiro em Jogos Paralímpicos, e também elogiou os demais esportes que seguem garantindo medalhas para o país na Rio 2016. “Não só o atletismo mas todos os paradesportos brasileiros estão gigantes. Claro que sempre queremos mais, nunca estamos contentes e satisfeitos. Este é o verdadeiro atleta, por mais que os resultados venham, sempre queremos mais. E estamos demonstrando isso na Paralimpíada”, destacou o atleta.

“Treinamos sempre visando chegar ao ponto mais alto do pódio. Começamos a treinar duas vezes por dia, até três. Mas tínhamos que ser cautelosos por conta de lesões, mas tudo que eu tinha direito a fazer eu fazia. Conseguimos o ouro e o recorde e iremos lutar para as próximas competições. Graças a Deus concluímos em um bom resultado”, completou Alessandro.

O atleta também destacou a importância da família no auxílio e apoio que foram demonstrados durante os Jogos. “Sabia do pensamento positivo deles, família é tudo. Mas na hora da competição não posso me deixar levar por isso, porque alegria e nervosismo podem atrapalhar. Tento sempre conversar com minha mente para me desligar, porque ali sou eu e o disco. Estou aqui representando todo o país, não apenas o Alessandro. Estamos representando todos os deficientes e todas as pessoas que torceram e torcem para o crescimento do esporte paralímpico”, finalizou o medalhista de ouro.

Alessandro participou da coletiva ao lado de Evani Calado e Renata da Silva – medalhistas de ouro na bocha por pares BC3.