CRÍTICA | Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer
(Divulgação: O2 Play)

CRÍTICA | Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer

O existencialismo desconexo de Thiago Luciano

luabonvicini
Luana Bonvicini

Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer que é dirigido, roteirizado e protagonizado por Thiago Luciano, nos traz uma verdadeira mostra desconexa e confusa.
O filme que foi exibido na 40º Mostra de São Paulo e que estreou na última quinta-feira de Agosto (30), deixou a desejar quanto a sua aparente intenção poética, deixando o espectador a par de uma obra sem muito contexto e intenção coesa.

O longa aborda a história de Iran (Thiago Luciano), um rapaz que vive em uma região afetada por extremas mudanças climáticas e que afetam toda a população, trazendo consigo a dramaticidade e dificuldade de lidar com a depressão.

+ Confira ofertas de nosso parceiro Futfanatics

É certo que a obra vinha com boas intenções, mas o filme que mais parece uma colagem mal feita deixa a desejar em diversos âmbitos. Com um roteiro recheado de frases de efeito que se perdem em meio a uma temática mal abordada e idas e vindas ao passado do personagem principal, Fica Mais Escuro Antes do Amanhecer faz com que o título seja bem menos confuso do que a obra num todo.

Em diversos momentos o longa repete cenas do passado de Iran, que mostram o luto e dramaticidade de sua esposa Lara (Lucy Ramos), ressaltando apenas a estética visual do filme e não dando espaço para entendimento do telespectador, que incessamente precisa tentar encaixar o filme como se ele fosse um grande quebra cabeça com ausência de pelo menos dez peças.

É também incômodo o humor subjetivo e vago do chefe de Iran, Luciano, interpretado por Caco Ciocler, que se torna quase irreconhecível com grande caracterização mas pouco conteúdo em seu personagem infundado e submerso em uma loucura distante demais para ser compreendida.

É claro que o ator e cineasta não traz consigo apenas falhas irremediáveis em seu filme, dando ao telespectador o prazer de presenciar em riqueza uma belíssima fotografia de André Besen e trilha sonora de Teco Fuchs.

O longa que parecia contar com uma gama imensa de material, deixou sua consistência poética afundar junto a um navio que aparentemente não faz ideia de qual a sua rota ou destino.

 

VAVEL Logo