McLaren estuda programa DPi na IMSA
(Foto: Divulgação)

A McLaren confirmou interesse em desenvolver na IMSA um programa DPi. A informação foi confirmada por Zak Brown, diretor da McLaren Technology. O dirigente acredita que poderia fazer um bom trabalho, nos mesmos moldes da participação da equipe na Indy.

“Ele está sob avaliação,” disse Brown ao site Sportscar365. “Queremos ver onde DPi vai.”

“Nós gostamos dpi; nós amamos IMSA e nós amamos o WEC e Le Mans. Será que eles pensam em uma classe DPi?, ou algo parecido, isso seria algo que eu considero muito a sério.”

“Estamos muito focados em nossa situação na F1. Mas a forma como nós fizemos a Indy 500, temos uma grande história em corridas de carros, por isso é algo que nós estamos olhando.”

“Não é nada que nós faríamos em 2018, mas é algo que estamos observando com grande interesse para ver como se desenvolve. Nós gostamos do que vemos até agora.”

A classe LMP1 em queda, Brown acredita que a ACO poderia, adicionar a classe no WEC, dando a oportunidade do mesmo carro competir em Daytona, Le Mans e Sebring, algo que não é feito a mais de 20 anos.

“Eu espero que eles finalmente cheguem a uma fórmula global”, disse Brown. “Eu adoraria ver corridas, onde alguém pode tentar ganhar o ‘três grandes’.

“Se pudéssemos chegar a uma fórmula que funcione para todos, eu acho que seria ótimo para o mundo das corridas de carro esporte.”

As novas regras da classe LMP1 do Mundial de Endurance para 2020 ainda são brandas. Para o dirigente, investir na categoria híbrida também está sob avaliação.“Eu estou esperando para ouvir os mais detalhes sobre os regulamentos P1”, disse Brown.

“Pelo que eu inicialmente foi dito, eu acho que eles estão indo para o caminho certo. Mas isso também está sob avaliação. Certamente se torna mais fácil se há uma fórmula global. Isso é o que é mais atraente para nós.”

“Nós sabemos o que é DPI. Queremos correr contra muitos adversários. Quando você tem Penske-Acura, Joest-Mazda, isso é ótimo.”

“As regras do WEC e IMSa podem ser ligeiramente diferentes”, disse ele. “Nós queremos usar o mesmo carro de corrida, o tipo do que você tem agora em LMP2 e DPI. carros europeus são elegíveis em Daytona. Seria mais fácil para correr em todos os grandes eventos.”

Um programa GTE também está sob análise, porém sob supervisão da McLaren Automotive, que passa por uma reorganização interna.

VAVEL Logo