Toyota mostra evolução após entrada de Fernando Alonso

Um dos maiores desafios do espanhol além de pilotar carros totalmente diferentes, é a agenda cheia de compromissos com patrocinadores de duas categorias distintas

Toyota mostra evolução após entrada de Fernando Alonso
(Foto: Divulgação)

Uma das grandes novidades da temporada 2018/19 do Mundial de Endurance é a participação de Fernando Alonso, como piloto da Toyota. O espanhol vai dividir o TS050 #8 com Sebastien Buemi e Kazuki Nakajima.

Para Buemi, a entrada do espanhol ajudou a equipe como um todo. “Ele deu uma visão diferente de algumas das coisas com as quais todos nós nos acostumamos, como as configurações do volante e as formas de montar o carro”, disse Buemi ao site Sportscar365. “Ele vai sugerir: ‘Oh, por que você não faz assim ou assim’ e vamos tentar as sugestões dele.”

“Somos as mesmas pessoas que trabalham com as mesmas pessoas que temos há algum tempo, então às vezes não pensamos em mudar algumas coisas. Então ele surge com novas ideias e feedback que tem sido bom.”

“Ele sabe que precisamos compartilhar o carro, todos nós precisamos ser rápidos e tudo precisa se encaixar para nós três. Ele é realmente aberto e quer fazer o bem – ele quer vencer. Ele está disposto a fazer tudo o que puder para ser bom ”.

Para Alexander Wurz, ex-piloto da Toyota e atual consultor, o ritmo que Alonso impôs nos testes oficiais da categoria em Paul Ricard, mostram o quanto está focado e determinado em vencer.

“Obviamente, ele é um piloto extremamente talentoso que está muito ansioso para aprender cada detalhe”, disse Wurz ao Sportscar365. “Ele fez muitas perguntas e toda vez que estamos no carro – se ele encontra algo novo, ele normalmente vai e faz – há muitas coisas que vêm naturalmente a ele.”

“Mas também há algumas coisas que são um pouco diferentes em nossos carros, como os sistemas AWD e híbrido.”

“O poder híbrido que ganhamos é significativamente maior do que o poder híbrido de um F1 porque nosso carro é baseado inteiramente no híbrido. Demora um tempo para nos acostumarmos, e tivemos um pouco com Fernando, mas sua taxa de progresso foi muito rápida.”

“Além disso, ele vai questionar por que fazemos as coisas de uma certa maneira, e esse questionamento de um processo desenvolvido é útil porque você tenta encontrar as respostas e, ao fazer isso, você se questiona novamente.”

Buemi também salienta que Alonso terá um desafio maior do que pilotar por 6 e 24 horas, conciliar seus compromissos com a Fórmula 1. Nos meses de junho e julho, Alonso terá cinco finais de semanas literalmente na pista. A maratona inclui o GP do Canadá, Le Mans, GP da França, GP da Áustria e GP da Inglaterra. No final do ano uma nova maratona, GP do Brasil, 6 horas da China, e Abu Dhabi.

“Sentado no carro é a parte mais fácil”, disse ele. “Você apenas baixa seu visor e dirige, e é disso que as pessoas gostam. As principais coisas que fornecem um desafio mental são marketing, viagens, organização, logística, etc.”
“O mais difícil é basicamente combinar essas coisas e garantir que você esteja em boas condições para tudo. Todos nós ficamos impressionados com sua preparação e sua atitude, então acho que teremos sucesso, que é o que conta no final.”
O diretor da equipe Hisatake Murata, acredita que a equipe esteja pronta para o Mundial. “É um momento emocionante do ano; Estou certo de que todos os membros da equipe e os fãs não podem esperar para ver a primeira corrida. Não sabemos exatamente o que esperar em termos de desempenho, porque há muitas incógnitas com os recém-chegados LMP1 privados, mas para os fãs eu tenho certeza que isso só aumenta a excitação. A nossa prioridade nesta temporada é, obviamente, a vitória em Le Mans. Embora tenhamos concluído um cronograma de testes de pré-temporada intensiva, nada se compara ao desafio de competir em Spa é um passo importante em nossa preparação. Nossas três vitórias consecutivas no final de 2017 estabeleceram um padrão elevado, por isso o nosso alvo neste fim de semana tem que ser o centro do pódio.”