Rebellion Racing com futuro incerto no Mundial de Endurance

Presente na classe LMP1, equipe suíça busca um novo campeonato onde terá condições de vencer "no geral". A IMSA nos EUA é uma das opções

Rebellion Racing com futuro incerto no Mundial de Endurance
(Foto: FIAWEC)

Principal equipe na classe LMP1 privada, a Rebellion Racing não confirmou seus planos para o próximo ano. Os motivos são os velhos conhecidos de quem acompanha a série. Falta de regulamentos que incentivem novos competidores, e o abismo entre os times de fábrica.

Em entrevista ao site endurancei-info, Bart Hayden, chefe da equipe não confirmou o cancelamento do programa, nem a mudança para a IMSA que foi cogitada, mas não está 100% descartada. Para Hayden, os custos com as novas regras para a classe como peso e novos detalhes técnicos como a introdução do DRS.

“Tudo é um rumor e não podemos evitar rumores”, disse.”Saberemos mais pelo México, mas não tenho ideia sobre o que vamos fazer em 2017.”

Hayden disse que há várias opções para o próximo ano, sem ser a classe LMP1. Le Mans Series ou um programa na IMSA. O time que estreou em 2014 o Rebellion R-One, precisa atualizar seu carro para o próximo ano.

“A preocupação não é propor um novo kit para no próximo ano, e sim os custos financeiros adicionais”, disse. “O que vai ser a classe LMP1 privada em em 2017? Strakka e SMP ter dito que é prematuro para eles. Além de Kolles e nós, não há outros interessados.”

A ELMS, bem como as provas longas da IMSA são alternativas. “Há um interesse em ir para os EUA, mas ainda é complicado para um time europeu a partir de um ponto de vista logístico”, disse ele.

“Eu acho que é tarde demais para implementar um programa full-temporada para 2017. Em contraste, por que não fazer as etapas do NAEC? O WEC é um belo campeonato, mas isso custa muito dinheiro. Temos que pensar sobre o que realmente queremos. “