México e o Endurance, uma história feita com grandes nomes

Mundial de Endurance em sua nova versão, volta a disputar uma prova no circuito Hermanos Rodriguez. Conhece um pouco a história de pilotos mexicanos que entraram para a história do automobilismo

México e o Endurance, uma história feita com grandes nomes
Pedro e Ricardo Rodriguez, irmãos que dão nome ao circuito e lendas do automobilismo mexicano. (Foto: Divulgação)

O México tem em sua história nomes como Frida Kahlo, Oscar De La Hoya, Guilhermo del Toro, Emiliano Zapata, Salma Hayek, Hugo Sanchez e Roberto Bolaños. Estas personalidades estão presentes nas mais diversas áreas da nossa sociedade e história.

No endurance, o México também tem uma história rica. Para celebrar sua história, o Mundial de Endurance aporta no circuito Hermanos Rodriguez entre os dias 02 e 03 de setembro. Será a 37º do WEC, desde sua volta em 2012.

Ricardo Gonzalez, além de piloto é o promotor da prova mexicana. Competindo na classe LMP2 pela equipe RGR Sport by Morand Racing ao lado de Bruno Senna e Filipe Albuquerque. Seu irmão Roberto volta ao WEC pelas mãos da Greaves Motorspots. Em 2012, Ricardo foi campeão da classe LMP2 em 2013 e conquistou duas vitórias, incluindo Le Mans. Ricardo fez até agora 28 corridas no WEC, além de ser campeão da classe LMPC da ALMS em 2011.

Na história recente da categoria, quatro pilotos mexicanos participaram. Adrian Fernandez tem quatro participações no WEC em 2012. Fernandez fez carreira no automobilismo americano com equipes na Grand-Am e na ALMS entre os anos de 2007 e 2009. Foi campeão na classe LMP2 em 2009 com um Acura. Em 2010 e 2011 se associou a Aston Martin e competiu com um LMP1 na série americana. Em 2012 participou do WEC, também com um Aston na classe GTE-PRO.

Acura de Adrian Fernandez em 2009. Um dos principais nomes da antiga ALMS. (Foto: Divulgação)
Acura de Adrian Fernandez em 2009. Um dos principais nomes da antiga ALMS. (Foto: Divulgação)

Ao lado de Adrian Fernandez esteve Luiz Diaz. Além do título em 2009 na ALMS, Diaz competiu ao lado do conterrâneo no Aston Martin em 2012. Venceu no geral em 2006 no México com um Riley-Lexus pelas Grand-AM. Luiz Diaz estará presente na prova do próximo final de semana ao lado de Bruno Junqueira e Roberto González no Gibson da Greaves Motorsports.

Memo Rojas, foi quatro vezes campeão da Grand-AM. Também competiu nas 6 horas do Bahrein em 2013. Outro que fez uma pequena participação foi Rudy Junco Jr., que correu em Austin no mesmo ano. Participou da ALMS com duas vitórias na classe LMPC.

Com um automobilismo sem grandes investimentos, gerações de pilotos tiveram que garimpar suas carreiras nos Estados Unidos. Séries como ALMS e Grand-Am, foram os lugares preferidos para quem buscava o endurance. Entre os anos de 2000 e 2010 as duas séries tiveram vários representantes que conquistaram vários títulos.

Mario Dominguez, que competiu no FIA GT em 2009, Martin Fuentes (Starworks Motorsports 2012-2014), Michel Jourdain Jr. (Doran Racing e Fernandez Racing, 2006-2008) e Randy Guerras (Dick Barbour Racing, 2000-2001).

Nos “anos dourados” do automobilismo, o México foi prodígio em talentos. No antigo World Sportcar championship, precursor do WEC, que durou de 1953 a 1992, a Carrera Panamericana uma das principais corridas do mundo teve início em 1950 e durou até 1954 fez parte do antigo Mundial de Endurance em duas edições.

Carrera Panamericana. Versão latina da Targa Florio Italiana.
Carrera Panamericana. Versão latina da Targa Florio Italiana.

Sendo uma prova de estrada, seria proibitiva nos dias de hoje. Com duração de uma semana e percorrendo mais de 3 mil quilômetros, tinha seu início em Tuxtla Gutierrez na fronteira com a Guatemala e terminava em Ciudad Juarez na fronteira com o Texas. Com provas distintas todos os dias, os pilotos atravessavam selvas, montanhas, desertos, pequenas e grandes cidades.

Cerca de 200 carros participavam, marcas como Ferrari, Lancia e Porsche dominaram as principais classes. Fabricantes americanos competiram em classes secundárias. A Porsche foi uma das marcas que mais teve êxito na prova e chegou a nomear um dos seus carros com o nome da prova.

Mais de 130 pilotos mexicanos participaram da Carrena Panamericana. Provas de Endurance só voltariam ao país em 1989 com uma rodada do Campeonato de Marcas sendo disputada no Autódromo Hermanos Rodriguez. Nova pausa que terminou em 2005 com uma etapa da Grand-AM que visitou o país em quatro oportunidades.

RGR Sport By Morand Racing. Ricardo Gonzalez é piloto e promotor da prova. (Foto: RGR)
RGR Sport By Morand Racing. Ricardo Gonzalez é piloto e promotor da prova. (Foto: RGR)

Sendo o principal circuito mexicano, Hermanos Rodrigues teve sua primeira prova em 1962. Até agora foram 16 etapas da Fórmula 1 entre os anos de 1960 e 1980. A F1 voltou ao país ano passado. Além da Carrera Panamericana, um total de 55 mexicanos competiram no antigo World Sports Championships. Os mais famosos foram os irmãos Rodriguez, nome que batiza o circuito. O mais novo, Ricardo, morreu durante uma prova no circuito Alemão de Norisring em 1971. Com seu irmão Pedro, venceram os 1000 km de Paris em 1962. Ricardo também ganhou a edição de 1962 da Targa Florio. Pedro venceu 16 vezes no “geral” as principais provas de endurance. Teve duas vitórias em Le Mans e quatro em Daytona. Na grande parte das suas conquistas esteve pilotando um Porsche 917.

Vários filhos de pais pilotos seguiram a paixão paterna pelo esporte. Michel Jourdain Sr. e Bernad Jourdain, Rodolfo Junco Sr., Roberto Gonzales Senior, Alfonso Toledano e Guilhermo Rojas. Onze pilotos mexicanos participaram entre 1980 e 1989 de provas do finado Grupo C. A única vitória veio em 1989 quando Giovanni Aloi e Andres Contreras dividiram um Spice na classe C2 da equipe Team Mako nos 480 KM do México. Em segundo chegaram Carlos Guerrero e Aurelio Lopez também com um Space.

Referencia:

SMITH, Sam. GREAT MEXICAN ENDURANCE RACERS – A HISTORY. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2016.

BISSET, Mark. Https://primotipo.com/tag/pedro-rodriguez/. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2016.

WIKIPEDIA. Pedro Rodríguez (piloto). 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2016.

WIKIPEDIA. 1989 480 km of Mexico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2016.