Título da temporada 2016 da Fórmula Truck, um desafio para Paulo Salustiano

Disputa pelo título da 21ª temporada da Fórmula Truck continua no próximo dia 9 de outubro em Cascavel, Oeste do Paraná. Diogo Pachenki, terceiro colocado, corre por fora

Título da temporada 2016 da Fórmula Truck, um desafio para Paulo Salustiano
No dia 9, Paulo Salustiano será o principal marcador do líder Felipe Giaffone. (Luciana Flores)

Com a desvantagem de 32 pontos na classificação geral, Paulo Salustiano tem somente um alvo nas três últimas corridas da temporada: o líder Felipe Giaffone. O vice-líder tem 249 pontos contra 281 do principal adversário que, diferentemente dele, ainda não fez o descarte obrigatório pelo regulamento. O principal objetivo do segundo colocado no Campeonato Brasileiro da Fórmula Truck é ficar de olho e fazer marcação cerrada no tricampeão da mais popular categoria do automobilismo da América do Sul para encostar na tabela de classificação já na oitava etapa, no próximo dia 9 de outubro no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel, Oeste paranaense.

``O Felipe é o meu alvo. Meu único objetivo é chegar na frente dele. Tem também o Diogo Pachenki, mas, devido à desclassificação que ele teve em Interlagos, sua situação está mais complicada para disputar o título. Ele é franco atirador. Tem de tentar ganhar corridas e fazer o máximo possível de pontos até o final da temporada. Eu, além de ficar de olho e acabar na frente do Felipe também preciso cuidar para o caminhão não quebrar``, diz Salustiano.

O vice-líder do Campeonato Brasileiro da Fórmula Truck tem bastante confiança no seu trabalho e no da equipe ABF Mercedes-Benz para as três corridas finais: dia 9 de outubro em Cascavel, dia 6 de novembro em Guaporé, Rio Grande do Sul, e na final dia 4 de dezembro no recém-inaugurado Autódromo de Curvelo, em Minas Gerais.

``Por termos ainda 159 pontos em disputa, o campeonato está em aberto para os três primeiros. Para tentar chegar ao título, tenho de fazer uma marcação cerrada sobre o Felipe. Será como aquele zagueiro cercando o atacante perigoso. Será uma briga entre Davi e o gigante Golias!``, completa Paulo Salustiano.

Restritores de potência

De acordo com o regulamento, o líder do Campeonato Brasileiro, Felipe Giaffone (Volkswagen Constellation), usa o restritor de 70 milímetros, o que o leva a perder algo em torno de 140 cavalos. O segundo colocado Paulo Salustiano, piloto do Mercedes-Benz, vai com o de 72mm e deixa de usar cerca de 120 HP. Diogo Pachenki (Mercedes-Benz), o terceiro colocado, levará o restritor de 74mm, com 100 cavalos de perda. O cascavelense David Muffato (MAN), o quarto colocado, vai com o de 76 milímetros e perde 50 HP, e o quinto na tabela da classificação geral, André Marques (Volkswagen Constellation), usará o de 78mm e não utiliza 30 cavalos.

Dados de média de velocidade

As duas pistas com média de velocidade mais alta no Brasil são Cascavel e Tarumã, a próxima e a etapa anterior da Fórmula Truck. Enquanto os caminhões atingiram a média de 142,1 km/h na temporada passada, quando o restritor do líder era de 74 mm (neste ano é de 70mm), em Tarumã nesta temporada (já com os novos restritores) o pole position fez média de 117,1 km/h.