Augusto Farfus faz análise da temporada 2016 da DTM: "Foi um ano difícil"

Brasileiro falou sobre dificuldades deste ano, mas já está focado no desenvolvimento do carro com a BMW para o campeonato 2017, que será cheio de novidades

Augusto Farfus faz análise da temporada 2016 da DTM: "Foi um ano difícil"
(Foto: BMW)

Um dos principais campeonatos do automobilismo mundial, o DTM encerrou sua temporada 2016 com a realização da 9ª rodada dupla, em Hockenheim, na Alemanha, no último fim de semana (14 a 16 de outubro). Para Augusto Farfus, o único brasileiro no grid, porém, o desfecho de um ano difícil não foi feliz. Após beirar o top-10 na corrida 1, o piloto sofreu com um problema técnico em seu carro, além de ter sido tocado por um adversário, fazendo com que ele rodasse, e teve de abandonar precocemente a última corrida do ano. Após nove etapas com 18 corridas no total, o piloto fez um balanço de sua quinta temporada na categoria.

Tradicionalmente, o DTM abre seu campeonato no início de maio, sempre no circuito de Hockenheim, no sudoeste da Alemanha. Na ocasião, Farfus fez sua estreia oficial com a equipe BMW Team MTEK, após correr por quatro anos com o Team RBM. O curitibano conquistou a 14ª posição na primeira corrida, após ser acertado por outro piloto, enquanto no dia seguinte conseguiu largar na primeira fila e subir ao pódio - pela 12ª vez desde que ingressou na categoria em 2012. Isso encheu Augusto de esperanças para a disputa do campeonato, no qual ele brigou diretamente pelo título em 2013, sendo vice-campeão.

A categoria realizou corridas em cinco países neste ano e, além da Alemanha - com cinco etapas -, passou também por Áustria, Holanda, Rússia e Hungria. E foi justamente fora do "berço da categoria" que Augusto teve desempenhos de destaque. Tanto na corrida no Red Bull Ring (Áustria) quando no Moscow Raceway (Rússia), o brasileiro bateu na trave do pódio, com o 4º lugar em ambas as pistas. Farfus ainda completou outras duas corridas no top-10 durante o ano.

Por outro lado, o piloto sofreu com a falta de sorte em diversos momentos, ora quando não conseguia tirar o máximo do desempenho de seu carro - o que também aconteceu frequentemente com seu companheiro de equipe, o canadense Bruno Spengler -, ora por problemas mecânicos ou acidentes em que se viu envolvido, tendo de abandonar as provas ou ficando fora da zona de pontuação, que compreende os 10 melhores em cada corrida.

No campeonato, o alemão Marco Wittmann, da BMW, comemorou o título entre os pilotos, enquanto a Audi levou a melhor entre as montadoras e entre as equipes, com a Audi Sport Team Abt Sportsline sendo a melhor colocada entre os times. Farfus terminou o ano em 16º na classificação geral. 

Por enquanto, Augusto Farfus ainda não tem outras corridas agendadas para 2016, mas para o brasileiro a temporada 2017 já começou. O piloto continuará o trabalho de desenvolvimento do carro com a BMW para o campeonato do ano que vem, e também em intensa preparação para os desafios que estão por vir. 

‘’Foi um ano difícil, muitas vezes não conseguimos achar um bom equilíbrio do carro e não fomos competitivos. Agora, temos um longo inverno (na Europa) pela frente, onde vamos poder com calma estudar a temporada que se passou e melhorar para 2017. O ano que vem vai ser um ano importante, pois teremos carros novos e um novo regulamento também. Os testes vão começar em breve e será fundamental conhecer e desenvolver o equipamento o mais rápido possível para voltar a lutar pelo título." Havalia o piloto.