Porsche vence em Nurburgring, e conquista 15º vitória no Mundial de Endurance

Fabricante alemão não encontrou dificuldades para vencer em casa. Toyota não apresentou o mesmo desempenho visto em Le Mans, terminando em terceiro lugar

Porsche vence em Nurburgring, e conquista 15º vitória no Mundial de Endurance
(Foto: Porsche AG)

A Porsche venceu na manhã deste domingo 16, as 6 horas de Nurburgring, quarta etapa do Mundial de Endurance 2017. Timo Bernhard levou o Porsche #2 ao primeiro lugar. Na segunda posição o Porsche #1 pilotado por Andre Lotterer, que liderava, porém cedeu o primeiro lugar após uma última parada para reabastecimento.

Com um evidente jogo de equipe, Timo Bernhard, Brendon Hartley e Earl Bamber, assumiram a primeira posição, aumentando a diferença na classificação do campeonato. Foi a primeira dobradinha da marca desde a etapa de Xangai de 2015.

Classificação final

A Porsche não viu a mesma Toyota das últimas etapas do WEC. Os dois 919 se revezaram na liderança da prova. O time japonês, acabou mostrando um desempenho superior apenas no final da prova. O TS050 #7 de Kamui Kobayashi, Mike Conway e José Maria López, conquistaram o terceiro lugar. Mesmo saindo na pole, o #7 acabou perdendo a liderança ainda no início da prova. O segundo Toyota apresentou problemas na bomba de combustível, terminando na quarta posição.

Fritz Enzinger, da Porsche: “Conseguimos um hat-trick e a 15 vitória no geral para o 919 hybrid apenas quatro semanas após o nosso sucesso em Le Mans – isso é quase inacreditável. Este excelente resultado é mais um passo para a nossa missão na defesa ambos os títulos nos campeonatos mundiais. Conseguimos aumentar nossa vantagem nos pontos e para mim a coisa mais importante é que a equipe agora pode desfrutar de uma pausa e recuperar o trabalho duro nos últimos meses.”

DC Racing vence na classe LMP2. (Foto: AdrenalMedia)
DC Racing vence na classe LMP2. (Foto: AdrenalMedia)

Para Toshio Sato, presidente da equipe, a prova foi um grande desafio. “Nürburgring foi novamente uma corrida desafiadora para nós. Nós mostramos uma boa velocidade e apreciamos a luta com a Porsche pelo primeiro lugar, mas o equilíbrio do carro mudou durante a corrida e perdemos algum desempenho. A corrida de hoje foi realmente um exercício de limitação de danos em termos de Campeonato do Mundo. Acreditamos que seremos mais fortes durante o resto da temporada, quando os circuitos deve se adequar melhor ao nosso TS050. Precisamos minimizar as perdas para a Porsche e agora vamos olhar em frente para as corridas seguintes.”

Pela classe LMP2 a vitória ficou com o Oreca #38 da equipe Jackie Chang DC Racing dos pilotos Oliver Jarvis, Thomas Laurent e Ho-Ping Tung. Na segunda posição o Rebellion #31 de Bruno Senna, Filipe Albuquerque e Julien Canal. O trio do #38 ampliou ainda mais a liderança na classificação geral de pilotos ao completar 191 voltas, uma a mais que o time de Bruno.

AF Corse vence na classe GTE-PRO. (Foto: AdrenalMedia)
AF Corse vence na classe GTE-PRO. (Foto: AdrenalMedia)

Bruno recebeu o resultado com tranquilidade. “Foi o máximo que dava para fazer. Não tínhamos o mesmo ritmo do carro dos vencedores, embora não estivéssemos tão atrás assim. O problema foi o tráfego que enfrentamos depois do meu segundo stint. Entreguei o carro ao Canal na segunda colocação a apenas quatro segundos dos ponteiros, mas ele ficou retido pelo carro 26, perdeu mais de 40 segundos e ainda destruiu os pneus. Eles entraram com uma punição de três minutos por causa de um acidente em Le Mans e não tinham nada a perder. O problema é que a direção de prova nada fez contra os retardatários. Como não tínhamos a mesma velocidade do vencedor, andamos pendurados o tempo todo. E aí qualquer contratempo atrapalha bastante.”

A equipe do astro de cinema Jackie Chan abriu mais sete pontos de vantagem sobre Bruno e Canal, que mantiveram a vice-liderança restando cinco etapas até o final da temporada. “Na verdade, estamos pagando um preço alto pela corrida de Le Mans, onde quebramos depois de liderar mais de metade das 24 horas. Eles ganharam, levaram os 50 pontos da pontuação dobrada e conseguiram livrar uma grande vantagem no campeonato”, concluiu Bruno. Fechando o pódio o Alpine #36 da Signatech Alpine Matmut. André Negrão que compete no Alpine #35 não completou a prova. Pipo Derani que estava no Rebellion #13 terminou na quarta colocação.

A Ferrari #51 de Alessandro Pier Guidi e James Calado venceu na classe GTE-PRO. Foi a segunda vitória no ano na classe. A diferença para o segundo colocado, o Porsche #91 foi de mais de 50 segundos. A dupla do #51 começou na sétima posição na classe, galgando posições até o primeiro lugar.

Porsche vence na classe GTE-PRO. (Foto: FIAWEC)
Porsche vence na classe GTE-PRO. (Foto: FIAWEC)

Foi a primeira vitória de Alessandro Pier Guidi no WEC e a segunda de James Calado. A dobradinha da Porsche em segundo e terceiro também representou o melhor resultado para o 911 esta ano. Daniel Serra com o Aston #97 ficou na sétima posição na classe. Por conta do BoP, a equipe Ford ficou com a quinta e sexta posição. A Ferrari #71 terminou na última posição da classe após uma parada para reparos.

Na classe GTE-AM, a vitória ficou com o Porsche #77 da Dempsey-Proton Racing. O trio formado por Matheo Cairoli, Marvin Dienst e Christian Ried. Foi a primeira vitória para Cairoli e Dienst. Ried não vencia desde 2012. A Ferrari #54 da Spirit of Racing e o Aston Martin #98 completaram o pódio na segunda e terceira posições respectivamente.

Futuro da Porsche no WEC, será decidido nos próximos meses

Os rumos da equipe Porsche no Mundial de Endurance, devem ser definidos nos próximos meses. De acordo com o chefe da equipe, Andreas Seidl, uma decisão será tomada logo. As especulações ganharam corpo, após matéria publicada pelo site Sport Auto da Alemanha que falam que alegam, ser difícil a Porsche alinhar no WEC em 2018.

O destino seria a Fórmula E como equipe, ou a Fórmula 1 como fornecedora de motores. Seidl, não revelou o destino, apenas precisou datas. “Eu acho que não há mais a dizer do que o que está na imprensa e nós temos que simplesmente esperar agora para a próxima decisão”, disse Seidl. “Não tenho nada a comentar sobre isso no momento. Esperamos uma decisão no final de julho.”

Caso a Porsche realmente deixe o certame, o WEC poderia perder o status de “Mundial”, já que o contrato firmado com a FIA, exige no mínimo dois fabricantes na classe LMP1. Para o diretor da Toyota, Pascal Vasselon, a saída da única rival seria um problema sério para o esporte.

“Nós não podemos falar pela Porsche”, disse Vasselon. “No momento, com a situação que sabemos, a nossa administração está comprometida para o próximo ano. O resto eu não posso dizer que o que não sei.”

“Qual seria a nossa posição? Eu só não sei. É algo muito novo, que ainda não é um fato, por isso é um pouco prematuro para nós a elaborar sobre ele.”

É sabido que a Toyota poderia reavaliar sua participação, visto o investimento em uma competição sem adversários diretos. A chegada da Peugeot, que é dada como certa por setores da imprensa internacional, também não é 100% certa.


Share on Facebook