“Não tínhamos o mesmo ritmo André Negrão”, comenta Bruno Senna após terceiro lugar em Austin

Brasileiros ocupam todos os degraus do pódio das 6 Horas do Circuito das Américas

“Não tínhamos o mesmo ritmo André Negrão”, comenta Bruno Senna após terceiro lugar em Austin
(Foto: Divulgação)

Bruno Senna reduziu um pouco mais a diferença para os líderes, conservou a segunda colocação ao lado do parceiro Julien Canal e manteve vivas as chances de título na classe LMP2 depois de conquistar sábado em Austin o 3º lugar nas 6 Horas do Circuito das Américas, sexta etapa do Campeonato Mundial de Endurance – FIA WEC. Foi um dia histórico para o automobilismo brasileiro, que viu ainda seus representantes ocuparem todos os degraus do pódio da categoria, já que André Negrão integrou o time vencedor ao lado de Nicolas Lapierre e Gustavo Menezes, enquanto Nelsinho Piquet terminou em 2º no trio completado por Mathias Beche e Daniel Heinemeier Hensson.

Restando três corridas, a próxima marcada para 15 de outubro em Fuji (Japão), Bruno e Canal roubaram mais três pontos da vantagem de Ho-Pin Tung, Oliver Jarvis e Tomas Laurent, quarto colocados no Texas e que agora comandam a classificação com 130 pontos contra 110 dos dois pilotos do Oreca-Gibson número 31 da Rebellion Racing – Nicolas Prost, o terceiro, não correu em Nurburgring e ocupa o 5º lugar com 92. Com 81 pontos ainda em jogo, a disputa está distante de uma definição.

Bruno, no entanto, disse que as chances de repetirem a vitória de duas semanas atrás no México pareceram viáveis. “Não tínhamos o mesmo ritmo do Alpine do Negrão, mas estávamos compensando na estratégia. Infelizmente, nossa prova foi complicada numa entrada do safety car e depois por um problema durante o pit stop do Canal. Perdemos cerca de um minuto que acabou fazendo toda a diferença”,explicou, depois de descer do quinto pódio da temporada de estreia da Rebellion na LMP2.

André Negrão, paulista de Campinas, conquistou a primeira vitória no Mundial de Endurance. Ele cumpriu o turno inicial com o Alpine A470-Gibson da Signatech Matmut e viu da mureta dos boxes o companheiro Gustavo Menezes receber a bandeirada depois de 177 voltas, uma a mais que os três carros seguintes. A corrida voltou a mostrar a conhecida competitividade da LMP2, a mais equilibrada das quatro do Mundial de Endurance, com a alternância de líderes e a segunda colocação sendo decidida em favor do segundo time da Rebellion Racing pela escassa margem de três segundos.