Mundial de Endurance pode adotar novo layout para a classe LMP1 a partir de 2020

Ideia é adotar estilo da classe GTP dos anos 90

Mundial de Endurance pode adotar novo layout para a classe LMP1 a partir de 2020
(Foto: Divulgação)

ACO e FIA estudam adotar um novo design, para os protótipos da classe LMP1 a partir de 2020. O estilo, semelhante ao adotado ao utilizado na classe GTP nos anos 90, ganhou força durante a reunião organizada pela entidade, que discutiu os rumos do Mundial de Endurance para os próximos anos.

Com as incertezas que rondam a classe LMP1, no que se refere aos gastos, o projeto quer adotar um desenho que se assemelhe aos modelos de produção em série, o que poderia despertar interesse em mais fabricantes.

O diretor esportivo da ACO, Vincent Beaumesnil, confirmou que regras para deixar os protótipos semelhantes aos antigos GTP foi uma das opções.  Porém nada de concreto foi definido. “Estamos bem no meio da questão, então preferimos demorar um pouco mais antes de realmente decidir”, disse o dirigente ao site Motorsport.com.

Para Pascal Vasselon, diretor da Toyota a proposta é válida, já que o desenho pode ser usado de forma mais comercial. “No momento, um LMP1 é um tipo de protótipo genérico e você tem que pintá-lo para colocar sua marca nele”, disse. “A ideia poderia ser uma carroçaria que seja claramente mais próxima dos carros reais – pode interessar os fabricantes que, no momento, não estão interessados ​​em um LMP genérico”.

Vasselon acredita que o estilo utilizado na classe DPi da IMSA, seja o mais indicado. Atualmente as alterações de uma LMP2 para DPi, se resumem a carenagem dianteira e em pequenos pontos do carro.

Mesmo que a ACO adote tal direcionamento, o regulamento não permitiria por exemplo superesportivos como o novo Aston Martin Valkyrie ou a LaFerrari. Um novo encontro do conselho Mundial de Endurance acontece em dezembro.

McLaren demonstra interesse

A McLaren foi uma dos primeiro fabricantes a ver com bons olhos, a alteração dos protótipos da classe LMP1 em modelos semelhantes a carros GT.  Zak Brown, diretor esportivo da equipe aposta nas mudanças: “Nós gostamos muito do que eles estão dizendo: com os orçamentos e o nível de tecnologia que eles estão falando, está indo em uma direção que significa que há um forte interesse da nossa parte”, disse Brown à Motorsport.com

Brown disse que vai acompanhar de perto as próximas reuniões da entidade. A última vez que a McLaren disputou as 24 horas de Le Mans foi em 1995. Uma possível volta começaria pela classe GTE. Brown também já esboçou uma volta pela classe LMP1, desde que os regulamentos fossem financeiramente favoráveis.

Até a Porsche demonstrou interesse. O diretor do programa GT, Frank-Steffen Walliser disse que o fabricante está sempre disposto a  “discutir e ouvir”.