Estatísticas do Grande Prêmio do Canadá de Fórmula 1

Neste domingo (12), a Fórmula 1 vai para a sétima corrida da temporada de 2016, o GP do Canadá, em Montréal. Confira abaixo alguns números e estatísticas de toda a história das corridas em solo canadense

Estatísticas do Grande Prêmio do Canadá de Fórmula 1
Daniel Ricciardo venceu sua primeira corrida da carreira no Canadá, em 2014 (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

Depois de duas semanas de pausa, a Fórmula 1 está de volta com o Grande Prêmio do Canadá, sétima etapa da temporada de 2016. Os treinos começam nesta sexta-feira (10), e a corrida será no domingo (12), às 15h, hora de Brasília.

O Canadá está na Fórmula 1 há muitos anos, já realizou corridas em várias pistas e tem uma vasta história na categoria. Confira abaixo algumas estatísticas e números da história das corridas em solo canadense (todas retiradas do site oficial da Fórmula 1):

Lewis Hamilton foi o último vencedor, em 2015 (Foto: Paul Chiasson/Getty Images)
Lewis Hamilton foi o último vencedor, em 2015 (Foto: Paul Chiasson/Getty Images)

- A primeira corrida oficial de um campeonato de F1 no Canadá foi em 1967. Foram 46 corridas até hoje, em três circuitos diferentes: oito no Mosport Park (1967, 1969 e de 1971 a 1977 – com pausa em 1975), duas em Mont-Tremblant (1968 e 1970) e 36 em Montréal (de 1978 até agora - com pausas em 1987 e 2009);

- Somente em Montréal, a pista sofreu sete reconfigurações de traçado, especialmente para melhorias na segurança. A última mudança por lá aconteceu em 2002;

- Michael Schumacher é o grande dominador dos recordes no Canadá. O alemão venceu o GP sete vezes, estabelecendo o segundo maior número de vitórias de um piloto em uma única prova na história (só perde para ele mesmo, com oito na França), além de fazer seis pole-positions, subir ao pódio 12 vezes, conseguir quatro voltas mais rápidas (empatado com Kimi Räikkönen) e liderar 433 voltas;

Michael Schumacher detém todos os principais recordes no GP canadense (Foto: Clive Mason/Getty Images)
Michael Schumacher detém todos os principais recordes no GP canadense (Foto: Clive Mason/Getty Images)

- Dos pilotos atuais, Lewis Hamilton é quem comanda em solo canadense, com mais vitórias, pole-positions (quatro em ambos os quesitos) e voltas lideradas (235);

- Hamilton não é o único entre os ativos a ter vencido no Canadá: outros cinco pilotos do atual grid já venceram por lá (Kimi Räikkönen, Fernando Alonso, Jenson Button, Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo);

- A equipe que mais venceu provas válidas por campeonatos mundiais no Canadá é a McLaren, com 13 triunfos. Em seguida vem a Ferrari, com 11 (e mais duas em corridas extra calendário), e a Williams, com sete.

A McLaren é a equipe mais vitoriosa no Canadá, com 12 triunfos - o último com Hamilton, em 2012 (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
A McLaren é a equipe mais vitoriosa no Canadá, com 13 triunfos - o último com Hamilton, em 2012 (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

- Apesar de oferecer bons pontos de ultrapassagem e proporcionar excelentes corridas por muitas vezes, o Circuito Gilles Villeneuve tem várias características de pista de rua. Prova disso é que o piloto passa menos da metade da volta em aceleração total – 45%;

- A pior posição de partida no grid de um vencedor do GP do Canadá foi o décimo lugar. O fato aconteceu em 1981, quando Jacques Laffite largou de lá para vencer com sua Ligier. Entre os ativos, há um empate no recorde: Kimi Räikkönen (2005) e Jenson Button (2011) venceram largando na sétima posição;

- Uma mística muito famosa do Canadá é a do “Muro dos Campeões”, barreira que existe após a chicane final. Ela ficou conhecida assim porque, em 1999, três campeões mundiais bateram lá (Damon Hill, Jacques Villeneuve e Michael Schumacher). Desde então, outros pilotos campeões do mundo, como Jenson Button e Sebastian Vettel, já acertaram esse traiçoeiro muro do circuito;

Jacques Villeneuve foi uma das vítimas que consagraram o
Jacques Villeneuve foi uma das vítimas que consagraram o "Muro dos Campeões" em 1999(Foto: Carlo Allegri/Getty Images)

- Em 1980, tivemos a maior diferença de um vencedor para o segundo colocado no GP, quando René Arnoux cruzou a linha de chegada 42.029s à frente de Eddie Cheever. A menor diferença foi em 2000, quando Michael Schumacher bateu Rubens Barrichello por 0s174;

- Apenas uma vez o GP do Canadá foi vencido por um piloto da casa, com o herói local, Gilles Villeneuve, triunfando em 1980. Com a sua trágica morte na Bélgica, em 1982, a pista de Montréal foi renomeada – era o Circuito de Île Notre-Dame, virou Circuito Gilles Villeneuve;

- O circuito já viu extremos entre corridas longas e curtas. Em 2011, graças à chuva torrencial que caiu em Montréal, a prova teve 4h04min39s, a mais longa da história da Fórmula 1. Em compensação, quatorze anos antes, em 1997, a prova que deveria ter 69 voltas acabou tendo 54, graças ao grave acidente de Olivier Panis. O francês, na época da Prost, acabou quebrando as duas pernas na batida.

A corrida mais longa da história da F1 foi no Canadá, em 2011, e Jenson Button a venceu de forma épica (Foto: Rainer W. Schlegelmilch/Getty Images)
A corrida mais longa da história da F1 foi no Canadá, em 2011, e Jenson Button a venceu de forma épica (Foto: Rainer W. Schlegelmilch/Getty Images)