Lauda afirma que conversará com pai de Max Verstappen sobre suas atitudes nas corridas

Niki Lauda que viu Rosberg vencer o GP da Bélgica e Hamilton largar na vigésima primeira posição e chegar em terceiro lugar, saiu em defesa de Raikkonen e criticou o que Verstappen fez durante a corrida.

Lauda afirma que conversará com pai de Max Verstappen sobre suas atitudes nas corridas
Getty Images

E o mundo da F1 parece que se voltou contra Max Verstappen após o Grande Prêmio da Bélgica deste último domingo, onde ele fez algumas manobras que quase resultaram em acidente. O jovem piloto da Red Bull que se envolveu em um incidente logo após a largada com as duas Ferrari, acusou tanto Raikkonen quanto Vettel de terem causado a colisão na primeira curva.


Mesmo os dois pilotos da Mercedes não sendo afetados pelas manobras de Verstappen na pista, Niki Lauda criticou a atitude do jovem piloto. 
"As críticas de Kimi foram totalmente justificadas e ele (Max Verstappen) precisa de um psiquiatra, se afirma que a culpa foi de Raikkonen", disse Lauda ao canal de televisão alemão RTL.


"É um jovem talento. Um dos melhores do século, mas não entende quando faz algo errado. Vou falar com seu pai, Jos, para dizer-lhe o que deve conversar com seu filho. Ele passou dos limites", concluiu. 


Toto Wolff, por sua vez acredita que Verstappen deve se acalmar para não correr o risco de terminar a corrida nos muros, ele também aproveitou para dizer que a reunião de piloto para o GP da Itália será bem difícil para FIA, já que não penalizaram o holandês.


"Se ele continuar assim, se arriscando, vai acabar terminando a corrida no muro, e acredito que não falta muito para que isso aconteça".
"A FIA não quis penaliza-lo, e por terá que suportar uma reunião de piloto bem difícil em Monza", alertou. 


O chefe da Red Bull, Christian Horner, no entanto defendeu seu pupilo, afirmando que se os comissários não abriram uma investigação é porque não houve razão.


"Os pilotos sempre tendem a corrigir estas coisas na pista. Foi definitivamente no limite. No entanto, os comissários não viram nenhuma razão para se inciar uma investigação", lembrou.