Hamilton vence GP do Brasil e leva decisão da F1 para a última corrida; Nasr é nono e Massa abandona

O inglês dominou prova marcada pela chuva e levou a decisão do campeonato para Abu Dhabi. Rosberg foi o segundo e precisa apenas de um pódio para ser campeão. Verstappen deu show e foi terceiro, Nasr conseguiu os dois primeiros pontos da Sauber e Massa abandonou sendo reverenciado por público e equipes na sua última corrida em Interlagos

Hamilton vence GP do Brasil e leva decisão da F1 para a última corrida; Nasr é nono e Massa abandona
Foi a primeira vitória de Hamilton no Brasil (Foto: Clive Mason/Getty Images)

Enfim acabou o jejum de Lewis Hamilton no Brasil. Mesmo já tendo conquistado até mesmo um título mundial em São Paulo, em 2008, o inglês nunca havia vencido uma prova no país até este domingo (13). Isso porque o piloto da Mercedes dominou sob pista extremamente molhada e venceu o Grande Prêmio do Brasil em Interlagos. Foi a vitória de número 52 do tricampeão, que agora é o segundo maior vencedor da história da Fórmula 1 de forma isolada, ultrapassando Alain Prost (está atrás apenas de Michael Schumacher, com 91).

Mesmo assim, seu principal rival na disputa pelo título, o companheiro de equipe Nico Rosberg, também saiu feliz de terras brasileiras. O alemão chegou em segundo e, com isso, sua vantagem na ponta caiu apenas para 12 pontos (367x355). Agora ele precisa apenas chegar ao pódio na última corrida, em Abu Dhabi, para ser campeão mundial pela primeira vez.

E o piloto da corrida foi quem completou o pódio. Max Verstappen teve problemas com estratégia, acabou rodando no começo e, no final, foi forçado a parar e voltou em 14º faltando 16 voltas para o encerramento do GP. Mesmo assim, o holandês de 18 anos deu show e conseguiu chegar em terceiro, sendo aplaudido por todo o Autódromo de Interlagos.

Rosberg (frente) foi o segundo e está muito perto do título (Foto: Adam Pretty/Getty Images)
Rosberg (frente) foi o segundo e está muito perto do título (Foto: Adam Pretty/Getty Images)

A chuva deu as suas caras em toda a prova, causando um atraso na largada e duas bandeiras vermelhas que interromperam a prova em quase 1h. Com isso, as condições de pista foram bastante complicadas, e os pilotos tiveram que se sobressair para conseguirem bons resultados. Sergio Pérez fez uma corrida monstruosa e chegou em quarto com a Force India, seguido por Sebastian Vettel, da Ferrari. Carlos Sainz Jr chegou em sexto com a Toro Rosso, com Nico Hülkenberg em sétimo com a outra Force India e Daniel Ricciardo, da Red Bull, em oitavo.

Felipe Nasr, da Sauber, foi um dos grandes destaques e, correndo em casa, chegou em nono, conseguindo os dois primeiros pontos de sua equipe no ano (a Sauber ultrapassa a Manor e agora é a 10ª entre os construtores). Fernando Alonso, da McLaren, completou o grupo dos pontuáveis.

Outro grande momento foi a despedida de Felipe Massa do GP do Brasil. O brasileiro bateu na volta 48 a abandonou, mas foi reverenciado pelo público e por todos os mecânicos de Mercedes, Ferrari e Williams, desfilando em prantos com a bandeira brasileira pelos boxes, em uma das cenas mais emocionantes da Fórmula 1 nos últimos anos.

O grande momento da prova foi a despedida de Felipe Massa (Foto: Divulgação/F1)
O grande momento da prova foi a despedida de Felipe Massa (Foto: Divulgação/F1)

- A corrida:

Antes mesmo do começo da prova, a chuva que caía com força em Interlagos já fez a sua primeira vítima: na primeira volta após a saída dos boxes para o alinhamento no grid, Romain Grosjean rodou na Curva do Café e bateu, abandonando a disputa. A água não parava de cair em Interlagos, e com isso a direção de prova decidiu atrasar a largada por 10min em relação ao horário previsto inicialmente – passando das 14h para as 14h10, hora de Brasília. Logo depois, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) confirmou que o começo se daria com os carros atrás do safety-car, e não com a tradicional largada “parada”.

As voltas começaram a ser contadas a partir do momento em que eles largaram atrás do SC. Depois de longas sete das 71 voltas previstas atrás do carro de segurança, a direção autorizou a largada, e a prova começou para valer a partir do oitavo giro. Logo na primeira curva, Verstappen (um dos que mais queria a prova com chuva) partiu para a ação e ultrapassou Kimi Räikkönen para assumir o terceiro lugar. Lá atrás, Kevin Magnussen resolveu arriscar e colocou os pneus intermediários, seguido por Jenson Button na volta seguinte.

Grosjean bateu antes mesmo da largada (Foto: Divulgação/F1)
Grosjean bateu antes mesmo da largada (Foto: Divulgação/F1)

A estratégia mostrou-se positiva e muitos pilotos foram aos boxes para colocarem os pneus intermediários. Na abertura da 11ª volta, um dos que ainda não havia parado, Sebastian Vettel, rodou na saída do Café e quase foi atingido por Daniel Ricciardo e Nico Hülkenberg. Logo após o problema, o alemão foi aos boxes e calçou os intermediários (tendo problemas no encaixe da roda traseira esquerda). Duas voltas depois, outro incidente: Marcus Ericsson, que estava com compostos intermediários, rodou na subida do Café, bateu e abandonou. Com isso, o safety-car foi acionado mais uma vez, saindo da pista na volta 20. Nesse momento, Hamilton era o líder, com Rosberg, Räikkönen, Verstappen e Hülkenberg fechando o top-five, e Sergio Pérez, Carlos Sainz Jr, Felipe Nasr, Daniel Ricciardo e Esteban Ocon fechavam o surpreendente grupo de pontuáveis (a maioria ainda com os pneus de chuva da largada).

Porém, logo que a corrida foi reiniciada, ela parou de vez. Isso porque Räikkönen bateu ao rodar no meio da reta, atravessando a pista e acertando os dois lados do muro – o finlandês da Ferrari estava com a sorte em dia, pois quase foi atingido pelos carros que vinham atrás, mas nada aconteceu. Foi o suficiente para os comissários decidirem pelo acionamento da bandeira vermelha, interrompendo a prova no 21º giro. Com a corrida parada, os comissários aplicaram duas punições de 5s no tempo total: uma para Massa, por ultrapassar Esteban Gutiérrez na relargada antes de cruzar a linha do safety-car, e outra para Ricciardo, por entrar nos boxes com o pitlane fechado após o acidente de Ericsson.

O acidente de Raikkonen trouxe a bandeira vermelha (Foto: Divulgação/F1)
O acidente de Raikkonen trouxe a bandeira vermelha (Foto: Divulgação/F1)

Depois de 20min de pausa, o SC foi à pista para verificar as condições de pista, que parecia melhor naquele instante. O carro de segurança fez a checagem, a direção de prova se reuniu e decidiu: a bandeira verde voltaria às 15h21, aproximadamente 25min após a interrupção, com todos os pilotos obrigatoriamente calçando pneus para chuva extrema. No horário previsto, todos eles voltaram à pista ainda pela volta 21, atrás do safety-car. Dois giros depois, Hülkenberg, que vinha em uma excelente quarta posição com sua Force India, foi forçado a parar e caiu para 15º. Logo após, mais um incidente: Jolyon Palmer acertou a traseira de Daniil Kvyat, mesmo sob o carro de segurança, e abandonou a disputa.

Mais seis voltas foram dadas, e no giro 29, a direção de prova novamente interrompeu a disputa com bandeira vermelha. A essa altura, Lewis Hamilton liderava, seguido por Nico Rosberg, Max Verstappen, Sergio Pérez, Carlos Sainz Jr, Felipe Nasr, Daniel Ricciardo, Esteban Ocon, Pascal Wehrlein e Fernando Alonso. Os comissários decidiram recomeçar a prova novamente às 16h02, e no horário em questão, novamente os pilotos voltaram à pista sob o safety-car, 28min após a interrupção. Mas, diferentemente da primeira, o carro de segurança voltou aos boxes após três voltas, e a corrida foi reiniciada para valer.

Verstappen deu show e chegou em terceiro (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
Verstappen deu show e chegou em terceiro (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

E assim que a prova voltou, Verstappen mostrou porque queria tanto correr na chuva. O holandês logo foi para cima e ultrapassou Rosberg (que balançou na curva 3), assumindo o segundo lugar. A outra Red Bull também logo abriu caminho, com Ricciardo ultrapassando Sainz Jr e assumindo o quinto posto. Com as primeiras voltas após a relargada, alguns pilotos, como Felipe Massa e Jenson Button, decidiram parar e colocar novamente os intermediários.

Lá na frente, Verstappen começou a andar mais rápido que Hamilton, mas o inglês logo respondeu e voltou a abrir vantagem na ponta. O piloto do #33 seguia na perseguição, mas na volta 39 acabou escapando na Curva do Café. Em uma manobra de muita habilidade, ele conseguiu segurar o carro e voltar à pista, e ainda permaneceu na segunda posição, segurando Rosberg que veio voando logo atrás, mas não conseguiu a ultrapassagem. A outra Red Bull, de Ricciardo, colocou os pneus intermediários na volta 41, e na 43 já era o mais rápido da pista. Com isso, Verstappen seguiu a estratégia na volta seguinte e pôs os mesmos compostos.

Enquanto isso, mais atrás, as disputas continuavam acontecendo. Vettel começou a abrir caminho no meio do grid e logo ultrapassou Ocon, Alonso (em uma belíssima disputa) e Nasr, assumindo o sexto lugar. Massa, que caiu muito com as paradas, foi se recuperando e já aparecia em 13º na volta 46, mas foi por pouco tempo. Duas voltas depois, com os pneus intermediários, Felipe rodou na subida da Curva do Café, bateu e abandonou a prova, encerrando de forma precoce sua última corrida no Brasil e provocando mais uma entrada do safety-car.

A despedida de Massa do GP do Brasil emocionou a todos os presentes (Foto: Divulgação/F1)
A despedida de Massa do GP do Brasil emocionou a todos os presentes (Foto: Divulgação/F1)

A cena de seu retorno aos boxes foi, sem dúvida alguma, o maior momento da prova. Após descer do carro, Massa acenou por várias vezes ao público e depois desfilou em prantos com a bandeira brasileira em mãos. Em um momento histórico, o brasileiro foi aplaudido por todos os mecânicos de Mercedes e Ferrari (estes últimos com um carinho especial, pelos oito anos de Scuderia) e recebido de forma altamente calorosa pelo pai, esposa, filho e mecânicos da Williams.

E a corrida parecia ter esperado justamente esse grande momento acontecer para voltar à ação. Na volta 55, a prova recomeçou, com Verstappen e Alonso como os grandes prejudicados – o primeiro viu a chuva apertar e teve que colocar novamente os pneus de chuva, caindo de quarto, para 13º, e o segundo rodou antes mesmo do recomeço da disputa, aparecendo na 15ª posição. Mesmo com o problema na estratégia, Verstappen voltou abrindo caminho e, com dez voltas após a parada, já era o sexto colocado. Ricciardo também foi subindo bastante e, na volta 65 (seis para o fim), aparecia no oitavo posto.

Vettel rodou no começo, mas ainda assim foi quinto (Foto: Divulgação/F1)
Vettel rodou no começo, mas ainda assim foi quinto (Foto: Divulgação/F1)

E o show do garoto de 18 anos não parou por aí. Voando na pista e fazendo uma grande sequência de voltas mais rápidas, ele logo ultrapassou Sainz Jr e Vettel (este último em uma bela disputa, com o alemão indo na grama e reclamando no rádio) e pulou para o quarto lugar. E, com três voltas para o fim, passou de forma categórica pela Force India de Pérez e garantiu o terceiro posto, conquistando mais um pódio e sendo aplaudido pela torcida em Interlagos. Após isso, a única ação entre os primeiros foi com Vettel, que ultrapassou Sainz Jr e encerrou em quinto.

Fim de prova em São Paulo, com a nona vitória de Lewis Hamilton no ano, e Nico Rosberg e Max Verstappen fechando o pódio. Sergio Pérez e Sebastian Vettel completaram o top-five, com Carlos Sainz Jr, Nico Hulkenberg, Daniel Ricciardo, Felipe Nasr e Fernando Alonso fechando os dez primeiros e pontuáveis.

Hamilton comemorou muito o triunfo que o manteve vivo no campeonato (Foto: Mark Thompson/Getty Images)
Hamilton comemorou muito o triunfo que o manteve vivo no campeonato (Foto: Mark Thompson/Getty Images)

Confira a classificação do Grande Prêmio do Brasil de 2016 de Fórmula 1:

POS. # PILOTO PAÍS EQUIPE TEMPO PTS
44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 3h01min01s335 25
6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +11s455 18
33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL +21s481 15
11 SERGIO PÉREZ MÉX FORCE INDIA +25s346 12
5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +26s334 10
55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO +29s160 8
27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA +29s827 6
3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL +30s486 4
12 FELIPE NASR BRA SAUBER +42s620 2
10º 14 FERNANDO ALONSO ESP MCLAREN +44s432 1
11º 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS +45s292 -
12º 31 ESTEBAN OCON FRA MANOR +45s809 -
13º 26 DANIIL KVYAT RÚS TORO ROSSO +51s192 -
14º 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +51s555 -
15º 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR +60s498 -
16º 22 JENSON BUTTON ING MCLAREN +81s994 -
NC 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MÉX HAAS ABANDONOU -
NC 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS ABANDONOU -
NC 30 JOLYON PALMER ING RENAULT ABANDONOU -
NC 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI ABANDONOU -
NC 9 MARCUS ERICSSON SUÉ SAUBER ABANDONOU -
NC 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS ABANDONOU -